sexta-feira, maio 23, 2008

Vergonhoso!

Não, não venho (ainda) aqui falar sobre as candidaturas ao PSD. Não, não venho aqui discutir aquilo a que consegui assistir neste primeiro debate entre os quatro candidatos ao PSD.

Venho, apenas e só, dizer que é lamentável, inaceitável e vergonhosa a forma como Manuela Moura Guedes conduziu o debate de hoje na TVI. Sem respeito pelos candidatos, com sentido de superioridade em relação aos mesmos e com muita falta de ética. Não conduziu o debate, a não ser para um autêntico charco de lama.

Com jornalismo assim, com moderadores assim, não vai longe a sociedade. Não vai não!
Quase que me apetece dizer: " Dr.ª Manuel Moura Guedes, apareça nuns debates do Psicolaranja e aprenda como se deve proceder na condução dos mesmos."

Devem ter sido poucos os resistentes que conseguiram ver a totalidade do debate. Eu, confesso, não consegui, porque, pura e simplesmente, achei degradante a prestação da referida senhora. São, também, alguns profissionais da informação os responsáveis pelo distanciamento das pessoas em relação à política.

Tenho dito...

39 comentários:

jfd disse...

Vi de relance uma televisão na Universidade com uma senhora de lábios carnudos a gesticular imenso, como que a domar crianças irrequietas numa sala de aulas...

Que falta fazia PSL sair e virar as costas àquele que é o PIOR canal de televisão em PORTUGAL e que anda a ESTUPIDIFICAR as massivas audiências...

UMA VERGONHA.

Cheguei a casa a tempo de ver a PALHAÇA de comentário de VPL. Por esta altura o herói de todos os copinhos de leite de laranjada...
(embora, se tal foi como comentado, honra lhe seja feita pelo comentário oficial-leitista).

Anónimo disse...

"Venho, apenas e só, dizer que é lamentável, inaceitável e vergonhosa a forma como Manuel Ferreira Leite conduziu o debate..."

jfd disse...

Pois é ó Carlos, explica-te ;)

Guilherme Diaz-Bérrio disse...

Vá vá, JFD!

Foi de certo um erro de escrita de alguém a escrever rápido com alguma "furia" perante a condução do debate ;)

Anónimo disse...

Quem não viu o debate pode sempre vê-lo em www.pedrosantanalopes.com

jfd disse...

I guess Guilherme!
Vou ver o debate! Obrigado anónimo.

Anónimo disse...

(...) Manuel Ferreira Leite conduziu o debate de hoje na TVI. (...)
quem será????????????

oh, guidinha, filha, corrige o post..antes que o carmo e a trindade te caem em cima lolololollol

Paulo Colaço disse...

Para além do mau gosto da segunda foto e das gralhas (naturais) de quem escreve com a tal "fúria" a que se refere o Guilherme, também não gostei da condução do debate.

Raramente deixou os candidatos terminarem os seus pontos de vista, embora nesse pormenor MFL tenha saído beneficiada: o seu tom de voz e o respeito que a todos merece fê-la ter mais margem para terminar raciocínios.

E, já agora, Carlos, se (ainda) queres falar das candidaturas, atenção que as eleições são já a 31...

:)

jfd disse...

PPC está demasiadamente calmo. Pouco combativo.
MFL está na sua posição de respeitável que a nada é obrigada. Está com o seu efeito halo. Ninguém o tira. Ela aproveita.
PSL está mais calmo e incisivo.
PA não passou ideias. Mas surpreendeu-me com uma pequena e interessante intervenção no que toca a uma reforma financeira que merecia ser aprofundada para verificar se tem pés de barro.
A jornalista, não tenho mais nada que dizer, uma palhaçada. Talvez tenha sido isto a que o Paulo Colaço se referiu.
O comentador.......

Guilherme, posso-te desafiar a que respondas a uma das minhas questões? O que tens a dizer sobre a titularização da dívida pública? Para, por exemplo, pagar a dívida das autarquias aos fornecedores? (coloco bem a questão?).

PS – afinal, o que dizia a sondagem?

Tiago Mendonça disse...

Queria apenas deixar uma nota de grande desagrado pela forma como foi conduzido o debate. A incapacidade de moderação de Manuela Moura Guedes é algo evidente.

Mas pior que isso é perceber com tanta clareza o que se sabe. Hoje o PS disse que o seu melhor adversário (mais fácil) é Manuela Ferreira Leite. Nesse mesmo dia, num debate da televisão de Pina Moura o debate é conduzido num só sentido parecendo um jogo Benfica-Porto no tempo do Sr.Calheiros. Findo o debate, pensei eu : Até que enfim termo à palhaçada. Logo que vem o mandatário Vasco Pulido Valente fazer aquele discurso vergonhoso e até, por exemplo para Patinha Antão, ofensivo. Uma lástima completa.

Tenho grande apreço pela Dra.Manuela Ferreira, mas de facto está muito mal rodeada. Concordo com Alberto João Jardim : É a candidatura do regime.

Nélson Faria disse...

É por estas e por outras que não devemos entrar em todas as casas em que nos convidam.

Mas até aqui se vê a diferença e a supremacia de MFL: foi a única que conseguiu lidar eficazmente com a situação.

Tranquila e sossegada, nunca foi desautorizada por MMG. É disto que precisamos: de personalidade com esta aura.

O resto foi sofrível.

Paulo Colaço disse...

Exacto.
Foi verdadeira autoridade.

Carlos Carvalho disse...

Peço desculpa. Já corrigi o erro. Queria dizer, obviamente, "Manuela Moura Guedes conduziu o debate". Erro vindo da pressa e do fluir de ideias.

Carlos Carvalho disse...

Quanto à segunda foto, Colaço, é pública, conhecida e, não deixando de ser de «mau gosto», como dizes, é muito apropriada para reflectir sobre o papel que a dita senhora desempenhou.

Quanto às eleições serem a 31 de Maio, sim, eu sei que são, só não sei se deva usar o facto de aqui escrever para publicitar uma campanha, ou denegrir outras, como já vi ser feito... logo pensarei no assunto. :)

Paulo Colaço disse...

Carlos, aqui, como sabes, desde posts sobre o Festival da Canção a opiniões sobre líderes do PSD, a liberdade é ampla.

Desde que expressa com correcção. Quando esta não existe, usa-se a borracha, conforme consta nos Estatutos.

Termos um blog sem podermos dar a nossa opinião seria uma lástima :)

Carlos Carvalho disse...

Plenamente de acordo! :)

João Marques disse...

MMG fez doutrina. A partir de hoje, nenhum jornalista terá que estudar dossiers, preparar entrevistas, analisar factos e contra factos. Agora basta enunciar um tema e dizer: "Com'é que é". Tão genial quanto obtuso, prova de que os extremos se tocam.

Quanto às ideias e ao debate em si, ainda que com esse óbice pseudo-jornalístico, pareceu-me manifesta a sensação de que só MFL está em condições de agregar as tropas e disputar as eleições com Sócrates.

PPC desiludiu-me não pelo conteúdo mas pela forma, algo apagado e demasiado deferente perante MFL.
PSL ainda tentou um ar da sua graça mas teve, utilizando uma analogia futebolística, a equipa de arbitragem contra si. Verdadeiramente assassina aquela primeira pergunta de MMG "perante estes números ainda acha que pode ganhar?" (não ipsis verbis, mas foi neste estilo).

Patinha (como eu gosto de escrever este nome) cumpriu, discreto mas com algum conteúdo, vê-se que anda a encher chouriços, mas parece acreditar cada vez mais em si próprio (melhorou bastante em relação ao Prós e Contras).

Pedro Silva disse...

Os comentários e os posts deste blog evidenciam claramente mau perder.
Em primeiro lugar, Manuela Moura Guedes fez bem em começar o debate com uma sondagem. Que os resultados da sondagem não sejam o que este blog quer é outra coisa...
Quanto à condução do debate, Moura Guedes mais não fez do que confrontar os candidatos com as suas contradições e insuficiências, e quem se conseguiu sair melhor dessa confrontação, pelo conteúdo mas também pela autoridade, credibilidade e respeito que impõe naturalmente (como impôs aos próprios candidatos que debatiam) foi Manuela Ferreira Leite. O temor reverencial foi tão evidente, que todos o puderam sentir e ver, e que Pulido Valente não pôde deixar de o salientar.

O resto são frustrações com um candidato frágil (pois não basta decorar uns chavões para ser candidato a primeiro-ministro). De facto, viu-se que, a prazo, não compensa baldar-se à escola para ser presidente de uma juventude partidária...

xana disse...

Essa senhora não é jornalista.

Perdoem-me, mas não consigo perceber como se entrega esse título tão precioso para a sociedade civil a uma senhora como aquela. E aliás, temos esse problema hoje em dia, perguntem aos "antigos" como se conseguia a carteira de jornalista antigamente...

Realmente, não se entra em todas as casas e é mais uma machadada para a credibilidade do PSD e destas eleições! Os candidatos só tinham que ter abandonado o estúdio. Não o fizeram.

Espero então que se juntem e repudiem publicamente, nem que seja em comunicado, o que se passou ontem na TVI.

Fico à espera.

Inês Rocheta Cassiano disse...

Eu não consegui ver o debate mas tal conduta de Manuela Moura Guedes não me surpreende.
Eu ainda me lembro das minhas aulas de Português há muitos anos em que nos explicavam que os jornalistas eram meros canais de comunicação, que se restringiam ao relato objectivo de informação, sem adjectivos e juízos de valor. Parece que Manuela Moura Guedes perdeu estas aulas... mas também, sempre ouvi dizer que isto já não era defeito, era feitio. Quem a conhece desde a juventude diz que desde os seus tempos de FDL, MMG era muito insurgente e opinativa quando não devoa...

Nélson Faria disse...

eheh... há malta que pensa que somos "passistas"

O Psico não toma partido nas disputas internas Pedro Silva, mas 2/3 dos que escrevem neste blog já assumiram (há muito tempo) o seu apoio a Manuela Ferreira Leite.

O Carlos apoia PPC, mas podes constatar que mesmo os apoiantes de MFL criticam o debate de ontem.

Na parte de quem ganhou e como ganhou concordo contigo.

Abraço

frederico carvalho disse...

Sucintamente...

É unanime e tambem não gostei da MMG.

Santana Lopes parecia que tinha um palanque para falar. Uma passadeira vermelha para falar do que lhe apetecia sem grandes cortes.

Pantinhão Antão metia-se sempre em bicos de pês logo depois da MFL falar.
Surpreendeu-me pela positiva. Afinal tem boa cabeça.

PPC, esteve bem, educado, correcto, mas naturalmente incomodado com uma pivô sempre a rasgar, cada vez que o homem dava uma opinião.
O do "liberal" foi demais...
Mas senti que faltava alguns conhecimentos mais aprofundados sobre determinadas matérias.

MFL foi a que falou menos e no meio da salganhada, tambem acho que saiu a ganhar. O mais engraçado realmente foi a especie de concentimento ou avale das suas opiniões que a maioria dos candidatos parecia querer da MFL:

Ontem não tinha visto tudo, mas hoje revi e não tive duvidas.<

Achei que a opinião do Pulido Valente foi acertiva e muito certa.
A forma como o explicou é muito própria. Quem lê as crónicas do Público não ficou surpreendido.

Diana Cabral disse...

O pulido valente teve uma visão muitissimo clarividente.

Apesar de apoiar outra canditura, achei que a MFL saiu a ganhar.

Márcio disse...

Foi de facto vergonhosa a postura de MMG na condução do debate.
Agressividade extrema e uma má educação exacerbada,que não permitiu aos candidatos o desenvolvimento de ideias e propostas de forma clara e estruturada.
É assim que se vai destruindo a imagem de um partido.
Prisa/PSOE por trás?

Anónimo disse...

MMG esteve muito mal...muito mal...muito mal... tirem essa sra da TVI. Tirem essa sra da TV em Portugal. Vá p circo fazer caretas para os ursos. Vá p Marte.... vá p Saturno...mas não atrapalhe a vida aos outros. Todos os nossos estariam bem se não fosse a má condução do debate.

Vergonho. vergonho, vergonho, vergonhoso............ acho que todos os que acharam vergonhoso.deviam mandar um email a sra.

Paulo Veiga da Fonseca disse...

Começo por declarar que sou convicto apoiante da candidatura de PPC.

Relativamente ao “debate”(?) que se realizou na TVI que tivemos a oportunidade de assistir, partilho a mesma opinião com a maior parte das comentários aqui apresentados mas divirjo de algumas das conclusões.

Por razões que se perdem com a minha formação académica e experiência profissional, procuro retirar, através de um metodologia de análise de conteúdo, um conjunto de dados dos debates que me possibilitem reduzir ao máximo a conflitualidade com a minha parte emocional.

Em primeiro lugar acho que os candidatos não deviam ter aceite este formato da TVI. Foi um “debate” que serviu muito pouco para o objectivo a que se propunha. Não é possível em 50 minutos, 4 candidatos à liderança do maior partido da oposição e um partido de governo, exporem numa média de 12 minutos para cada um, as suas propostas para o PSD e para Portugal. Acho que as equipas de apoio aos candidatos fizeram um mau serviço a cada um deles e ao partido.

Concordo plenamente que o pior do “debate” foi a “moderadora”. Mas só quem não conhece MMG é que podia admitir fazer um “debate” com ela a moderar. Pouco preparada, agressiva e tendenciosa. Pouco respeitadora para com os candidatos (mais cuidadosa com MFL) em especial com o companheiro Patinha Antão.

A última tirada com o VPV a comentar o resultado do “debate”, que não existiu mas que VPV achou que sim, ainda com os candidatos em estúdio é de um profundo mau gosto. Só me fez lembrar aquele programa de televisão onde um Júri avaliava a prestação dos concorrentes e ia tocando umas buzinas para ele terminarem e depois diziam o pior que podiam das suas actuações na sua cara.

Sobre os candidatos:

PSL - fiel a si próprio. É de facto um político notável. Infelizmente, deu o passo que não devia ter dado em 2005 e, por causa disso, hoje luta pela sobrevivência política dentro do PSD. Consegue ser brilhante em alguns momentos. É um demagogo ( Dic: do Gr. demagogós < dêm(os), povo + agogós, que conduz / s. m., aquele que dirige uma facção popular; indivíduo que lisonjeia ou excita paixões populares; partidário da demagogia.) puro.

PA – Sofre do estigma da sua pouca importância neste processo e de pouco reconhecimento que lhe dão, até dentro do partido. Mostrou ideias, tentou ser pragmático nas suas propostas, ameaçou vir a ser mais combativo em particular com MFL, mas acabou por ser muito prejudicado pela “moderadora”.

MFL não descolou da sua imagem. Teve uma oferta inicial de mais uma sondagem atípica feita pela Intercampus/TVI e portanto entrou em jogo com um capital de confiança que a fez seguir a estratégia de sempre: Ter pouco a dizer, seguindo alinha da entrevista a Judite de Sousa na RTP.

É curioso a forma como alguns lhe dão a vitória do “debate”. VPV diz que foi porque disse pouco e numa reunião quando alguém fala pouco é o mais ouvido. Bom, isto é uma falácia. Se for um disparate o que se diz, ou se só dizer evidências ou banalidades não vejo que possa ser positivo o que se retira de uma intervenção dessas. E foi o que aconteceu com MFL.

Eu desafio que vejam de novo o “debate” e analisem o conteúdo das intervenções de cada um dos candidatos. Alguém se lembra, já de imediato, de uma estratégia definida por MFL? Alguma solução para as questões levantadas? Como atacar a nova pobreza? Sobre o TGV e as grandes investimentos públicos qual a posição? Eu sei as respostas porque vi e revi (o vídeo VHS ainda é um instrumento de trabalho útil). Achei que houve alguma, desculpem a expressão, sobranceria na forma como encarou o “frete” do “debate”. São pequenos detalhes de grande importância em televisão: Não cumprimentou os companheiros nem os espectadores, a forma como não encarou visualmente os seus companheiros, o modo como teve dificuldade em expressar uma ideia consistente em algumas intervenções. Ex: Na questão do liberalismo versus as funções do Estado, a iniciativa privada e a social-democracia, disse que não concordava com PPC mas depois acabou por dizer quase a mesma coisa, excepto na CGD que acabou por não dizer porquê o que seria importante para se perceber a diferença.

Em resumo na minha opinião foi para este debate sem uma proposta ou uma estratégia clara para dizer: “eu tenho um caminho me difere de cada um vós e farei diferente do PS desta forma” Só princípios gerais e avaliações genéricas.

PPC fez o que pôde perante a pressão guerrilheira de MMG, preocupou-se muito com MFL (talvez para mostrar que não existiria grande diferença entre a estratégia global de ambos) mas deixou a sensação de ser muito deferente. Não precisava (até porque já o tinha sido à chegada à TVI como se viu na reportagem) e estamos numa disputa eleitoral: Respeito, sim! Mas o objectivo é vencer esta eleição.

Ao contrário de MFL apresentou os caminhos que quer trilhar, a forma como os pretende fazer e deu a sua opinião sobre o que é essencial para resolver os problemas imediatos de Portugal. Não foi demasiado pragmático, comparativamente a PSL e a PA, mas deixou claro quais as suas opções.

Deste modo os militantes podem decidir: ou concordam e votam nele ou querem outro caminho e escolhem outro candidato.

Concluindo. O PSD perdeu uma oportunidade em mostrar ao país que está a criar uma alternativa ao PS. E cada candidato não ganhou nada com o “debate”. Creio que não houve 1 indeciso a deixar de o ser.

jfd disse...

Paulo Veiga da Fonseca,
genuinamente, agradeço pelos seus comentários e pela forma desprendida como faz a análise.
Eu vou tentando e aprendendo.

Isto é difícil;
(...)metodologia de análise de conteúdo, um conjunto de dados dos debates que me possibilitem reduzir ao máximo a conflitualidade com a minha parte emocional(...)

Mas não é impossível.

Nélson Faria disse...

Caro Paulo Fonseca,

a leitura está enviesada.

Mesmo que pela simples razão de ninguém ter ganho o debate, quem ganha é MFL.

Ninguém defendeu que MFL ganhou por ser mais brilhante ou mais eloquente que os outros.

A questão é que para os "underdogs" ganharem têm de mostrar capacidade. E a única coisa que se viu foi os outros candidatos a lutarem por um lugar ao sol. E uma candidata serena e focada na sua mensagem, sem justificar ou pedir desculpa por quem é ou pelo que defende.

Quando do debate não sai um claro vencedor, ganha quem entrou em vantagem.

O exercício é giro... mas nós sabemos melhor ;)

Paulo Veiga da Fonseca disse...

Pois meu Caro Nelsón.... enviesada , enviesada mas estamos de acordo! Foi um "debate" perdido. Mas aguardava que me dissesses que tinhas aceite o desafio em ver de novo o "debate" e me alertasses para as propostas concretas e as estratégias a seguir para a resolução dos problemas que a nossa companheira MFl apresentou. vais dizer-me : "ela não precisa de dizer". Bom .... eu gostaria que ela o fizesse para pudessemos perceber o que nos espera.

Meu caro até 31 de Maio estaremos a debater, depois estaremos a lutar juntos. Em nome da Rainha ou em nome do Principe. O Bispo e o Guerreiro penso que já estão fora de jogo. ;)

Um grande Abraço

Paulo Colaço disse...

Caro Paulo,
creio que desde a publicação da moção de MFL já ninguém pode alegar desconhecer as linhas da sua candidatura.

jfd disse...

Caro Paulo,

Penso que o Paulo sugere o exercício em que revês o debate e então vais tentar perceber que ideias apresentam os candidatos...
Será que percebi bem?

Nélson Faria disse...

Paulo,

só podemos estar de acordo em que o debate foi uma oportunidade perdida para esclarecer.

O que não quer dizer que não houvesse vencedor... e já to disse o porquê.

Quanto às ideias: isto não é um concurso em que ganha quem tem mais ideias desgarradas... como em todas as eleições, deve ganhar quem passa melhor a mensagem.

E a única mensagem que passa é MFL: vide novos pobres e a situação social do país ;)

Nélson Faria disse...

Por exemplo, nos EUA Hillary sempre apresentou mais ideias que Obama, mas foi a mensagem de Obama que melhor passou: o "Hope" e o "Change".

O fenómeno Obama não se deve à sua multiplicidade de ideias e de concretizações, mas ao ter escolhido uma mensagem de que o país precisa.

E sempre que foge à mensagem tropeça.

O fenómeno político também é isto: determinar onde estar, para quem falar e como falar.

PVF disse...

Exacto, por isso é que a minha candidata é a Hillary.

Não é possível avançar para um processo eleitoral emitindo evidências, conceitos generalistas, fazendo análises de situação que todos concordamos.

Mas é uma estratégia admissivel aliás muito própria dos assessores que lhe estão mais próximos.

Agora acho que credibilidade e respeito pelo PSD, ok, a sua recente preocupação pelos novos pobres ( que a aconselharam a colocar em agenda ) é curtinho, para quem em que conquistar um país.

E volto a dizer não deixemos o partido ser dirigido de fora para dentro, senão não vale a pena haver partido tal como existe.

Nélson Faria disse...

Concordo com o fim: não vale a pena ser governado de fora para dentro... desde que não percamos contacto com a realidade.

A mensagem de MFL está correcta, e quem nos diz são os outros candidatos, a imprensa, e o próprio PM que já sentiu necessidade de responder a MFL no último debate quinzenal.

Um conjunto de ideias desgarradas não fazem um programa... uma mensagem bem estruturada é a base para vencer em 2009.

jfd disse...

Será que não consegues terminar um comentário em favor de MFL pela positiva?

Terminar assim não era bem melhor? Uma mensagem bem estruturada é a base para vencer em 2009. ?

Que mania de dividir. Essa arrogância nas palavras e na forma de apresentar os pensamentos perante os companheiros. Realmente escolheste a campanha certa para te poderes inchar mais um pouco.
Politica...


O que gosto da senhora está a ser minado pela tua conversa. Já viste como és importante?

EM disse...

Pedro Passos Coelho esteve excelente. O que melhor imagem tinha dos outros candidatos. E a imagem é o que vale mais numas eleições. Vai ser o "Tony Blair" do PSD!

Nélson Faria disse...

Jorge,

E não vejas como um ataque pois consegues vê-los em todo o lado:

eu quando tenho alguma coisa para dizer afirmo-o: nem fujo nem gosto de subtis insinuações.

Penso que é de discurso franco que se faz a política. Não de melífluas palavras ou segundas intenções.

Não deixo nem de responder nem de esclarecer. Estou aqui, à disposição de todos, para dizer o que eu penso. Não o que outros esperam ou desejam que eu pense.

Não sou caixa de ressonância de ninguém ;)

Diogo Agostinho disse...

Concordo que este debate foi vergonhoso.

Manuela Moura Guedes num jeito de justiceira a provocar...a responder mal...a responder com uma tal ironia, incrivel para uma jornalista que se quer séria, competente e honesta. Não queria festinhas como Ricardo Costa fez a Sócrates, mas gostava de ter visto uma jornalista isenta e correcta.

Depois um debate a quatro é de tal salganhada que não se entende, não se debate e cada um tem tão pouco tempo que não chega para passar a opinião.

Se a Sic noticías já adopta os debates a 2, teria sido bem mais interessante ciclos de debates a 2 para encontrarmos as respostas que pretendemos.