quarta-feira, maio 14, 2008

Objectivo: Portugal

Muito se tem escrito sobre as declarações de Manuela Ferreira Leite, se teria ou não votado PSD. Um dos candidatos defendeu até que MFL deveria desistir da corrida à liderança. A candidata veio depois esclarecer que "sempre votou PSD".

No site do PSD-M, pode-se ler:

"Alberto João Jardim confirmou, ontem, que o deputados do PSD-M estão disponíveis para viabilizar as decisões de um governo minoritário PS na Assembleia da República, desde que em troca de serem repostos os direitos da Madeira. À margem de uma visita à última filial do BANIF, em Londres, Jardim lembrou que «o meu partido é a Madeira», sendo que «o PSD é o instrumento armado para se poder realizar os interesses do povo madeirense". "

Alberto João, há instantes, garantiu que não seria candidato à liderança do PSD. Estou mais descansada...

15 comentários:

Margarida Balseiro Lopes disse...

As declarações de MFL provocaram uma onda de indignação. Sem motivo, creio. Não havia razão para tamanha onda de ataques. Ainda assim, MFL fez bem em esclarecer.

Já as declarações de AJJ me parecem manifestamente lamentáveis. Mais: ponderou ser candidato à liderança do PSD, podendo vir a ser PM. E vem agora dizer que o seu partido é a Madeira. Não se comppreende.

jfd disse...

As declarações de Alberto João Jardim são declarações próprias de quem tudo faz pela terra que defende.
Primeiro o País, depois o partido (como dizia alguém noutro tópico).
Neste caso, primeiro a região.
Não sejamos partidariamente cegos.
Não entendo onde está a falta de compreensão, para mim as palavras são claras.

De tão claras, chocam!

Margarida Balseiro Lopes disse...

Não será legítimo, um qualquer militante do PSD ou mesmo um qualquer português, interrogar-se se AJJ fosse candidato a presidente do PSD ou a PM se iria defender os interesses do País ou da Madeira?

Aprecio a defesa que faz da sua terra. Mas servir-se do partido e do país para esse efeito (como aconteceria se se candidatasse), já não me parece acertado.

jfd disse...

Margarida,

Um homem não pode ser julgado pelo que faria se...
Isso que fazes são suposições. Apenas isso e nada mais.

O senhor tem de ser julgado pelo passado e presente, e não por um hipotético futuro. Até porque, esse futuro, a meu ver seria um; aos teus olhos está aqui descrito qual seria; outros pensariam noutras direcções...

Concordas?

Guilherme Diaz-Bérrio disse...

Peço desculpa JFD,
Mas um putativo candidato a lider do PSD - logo a PM - não pode vir a público dizer depois "Ah e tal, primeiro está a minha região, depois o País, depois o partido"...

Sabes o que me faz lembrar?
Daniel Campilho, versão região autónoma: primeiro Ponte de Lima e heis que se aprovou um OE danoso para o país!

jfd disse...

Meu caro Guilherme, não peças desculpas! Cada um com a sua opinião :)

Eu até apreciei a atitude Limiano... E até quase levei um raspanete de alguém aqui num post sobre a Regionalizição!

Guilherme Diaz-Bérrio disse...

Errata:
Daniel Campelo

Margarida Balseiro Lopes disse...

"Mas um putativo candidato a lider do PSD - logo a PM - não pode vir a público dizer depois "Ah e tal, primeiro está a minha região, depois o País, depois o partido"..."

Precisamente, Guilherme...

jfd disse...

Enfim...

Luís Nogueira disse...

Este foi "um tiro ao lado do porta aviões", por parte de AJJ... Tendo sido até hoje, uma das vozes mais criticas face ao Governo de Sócrates, encaro estas declarações apenas como uma mensagem para "consumo interno" e no sentido de reavivar algumas mentes mais distraídas, sobre a força do PSD-M... Estou certo que em 2009 todo o PPD/PSD, desde as Regiões Autónomas ao Continente estará unido para um grande resultado eleitoral.

Nélson Faria disse...

Os Deputados da Nação servem o País, não o interesse da sua circunscrição.

Devem representar o País mas decidir o melhor para todos, não o melhor para o seu vizinho.

Declarações muito infelizes, estas.

Anónimo disse...

Mas ele não queria a independência? Não estou a perceber.

jfd disse...

Pois foi um ralhete parecido ao do Né que levei.
Ele está coberto de razão. É uma daquelas coisas que me faz perder a racionalidade :P

jfd disse...

Qual é a penitência para estes rasgos de... populismo(?!?) Ou será que devo assumir?:)

jfd, de consciência pesada

Bruno disse...

Demorou mas foi! Alberto João Jardim começa finalmente a perder a minha simpatia... e é com pena que digo isto.

AJJ é fértil em declarações bombásticas. Sempre as relativizei por considerá-las uma questão de estilo. Era um estilo meio apalhaçado, que eu não partilho mas que enquadro e compreendo. Afinal, que seria do azul se todos gostássemos do amarelo?

Mas sempre lhe dei esse crédito, de aceitar o estilo, admirando o político, o governante e o homem que faz obra porque, apesar de tudo, ele sempre me transmitiu credibilidade. E transmitiu-ma exavtamente porque sempre mostrou essa capacidade de fazer. Mais: sempre achei que esse estilo era mais uma defesa dele do que uma questão de falta de tacto ou de sentido de Estado.

O problema é que, nos últimos tempos, começa a abusar... A "brincadeira" do "não sou candidato porque não tenho tropas-tenho tropas mas apoio o Pedro-apoio o Pedro mas vou pensar se sou candidato-vou pensar mas os outros têm que desistir-ah e tal deixa lá isso" foi um triste exemplo de que, se calhar, AJJ não é assim um político tão inteligente e válido como eu pensava...

E agora este triste espisódio, estas declarações inadmissíveis. Não é que Alberto João não tenha já proferido palavras semelhantes noutras alturas. Mas alguém que ainda há uns dias se assumia como potencial "homem de Estado" vir agora chamar ao seu partido "braço armado" só dá razão a quem defende (e eu não defendia) que ele só serve mesmo lá para o burgo dele e é enquanto não se arranjar um melhor...