domingo, maio 25, 2008

Festival dos Amigos


Estava ontem a acompanhar a tradicional fase das pontuações no Festival da Eurovisão.

Sim, porque as musicas são piores do que aquelas que por cá se cantam.

Mas não foi isso que me chamou a atenção.


Por exemplo: Quando foi a representante da Eslovénia a votar, as seguintes escolhas foram: Croacia, Bosnia e Sérvia.


Foi um dos muitos exemplos de cumplicidade entre os paises balcânicos, nórdicos, de leste e ligados á Russia. Também é verdade que na Peninsula Ibérica houve retribuição de votos


Mas terá a Festival da EuroVisão cumplicidades politicas e geográficas? Não estará a musica relegado para segundo lugar? Não é esse o espirito do Festival......?


14 comentários:

Francisco Castelo Branco disse...

Duas notas:

Apesar da pouca participação orgulho-me por ter "postado" o 50º artigo do mês de maio....


A fotografia nao tem nada a ver, não tenho mto jeito pa escolher imagens lol
Foi a unica que encontrei de jeito....

Paulo Colaço disse...

Chico, compreendo a tua indignação mas não te espantes.
Tem sido sempre assim.

(ahh, pois foi: o 50ª post do mês. Neste mês já batemos o record de artigos e de comentários)

jfd disse...

Pois é Francisco.
É o festival do Leste da Europa desde há uns quantos anos para cá.
A mim sempre me fez espécie por exemplo, a participação de Israel.
Agora com o desviar para o Leste fico com mixed feelings.
Por um lado é bom que tenhamos a noção que a Europa como a conhecemos está a mudar a olhos vistos; Por outro é chato ver estes arrivistas ficarem com tudo.

E não se resume à inocente índole festivaleira...

ps - Um país este ano escolheu um Rato para cantar, e gozar com aquilo que já sabia que ia acontecer.

Nélson Faria disse...

Desde que os Lordi ganharam o Festival que nem vale a pena falar mais de Eurovisão lol

http://www.youtube.com/watch?v=GjPz5ExSmyk

Não me surpreende a história do rato ;)

Longe vão os tempos do nosso Fernando Tordo, dos ABBA ou mesmo das Doce.

Tânia Martins disse...

Tens toda a razão Chico, a música neste festival já não interessa para nada, são as cumplicidades que dão os pontos e não os talentos! Lembro-me que à uns anos um país (não me lembro qual) levou a pior música que já tinha ouvido em toda a minha vida e disse para os meus pais que aquele país já estava praticamente fora da corrida porque certamente ninguém votaria "naquilo". Pois bem, não é que foi este mesmo país a ganhar o festival?! Tudo bem que os gostos são subjectivos, mas nesse ano Portugal levou uma música fantástica na voz de Rita Guerra e a sua valoração ficou muito abaixo do que ela merecia. Este festival tornou-se numa treta, sem dúvida!

André Machado disse...

Francisco,

Sou um fã incondicional do Festival Eurovisão da Canção. Não perco um minuto das semi-finais e na final nem sequer ponho a hipótese de estar noutro sítio que não o meu sofá.

No entanto, tenho de reconhecer que o Festival está a perder a sua essência... Hoje, ao contrário de outros tempos, não são premiadas as melhores canções e as melhores vozes ou apresentações. Se os resultados divulgados correspondem aos verdadeiros votos, é óbvio que há uma simpatia regional e, por parte dos países de leste, uma autêntica aliança estilo "Pacto de Varsóvia da Canção"! Assim, o Festival não virá, tão cedo, para o ocidente da Europa.

Não ponho de parte, também, a alteração dos resultados, com fins políticos. Se o festival já não tem a representatividade de outrora no nosso país, em outros assume-se como um dos acontecimentos do ano e uma oportunidade de se mostrar ao resto da Europa. Prova disso são as praças cheias nos antigos satélites soviéticos. A Grécia dar 7 pontos à Turquia, inimiga de séculos? O Chipre dar pontos à Turquia? Mas isto está tudo louco???

De qualquer forma, acho que ainda podemos encontrar boas canções no festival. A nossa não era má, de todo. As do Reino Unido, Ucrânia, Arménia, Croácia e Suécia ficaram-me no ouvido.

Só mais uma nota: Para um país que não estava na final, desde 2002, um 13º lugar, em 43 participantes, não é nada mau. Parabéns à Vânia Fernandes e aos autores da letra e música. Acho que são um orgulho para todos nós.

Francisco Castelo Branco disse...

Esqueci-me de dar os parabens á Vania Fernandes

luis melo disse...

Pensei que agora com o voto pelo telefone, iam acabar as "politiquices", mas curiosamente continuaram. Todos votaram nos vizinhos...

O exemplo que o Francisco dá é bom, mas há outros. Dinamarca, Suévia, Noruega... Russia, Ucrania, etc... votaram uns nos outros.

Será que eu é que estou errado? Votei na Noruega...

P.S.(D.)-Gostei particularmente da Finlândia... belo grupo e bela musica para um festival Eurovisão... a tradição já não é o que era... muito bem.

Bruno disse...

Se eu bem entendi, cada país vota através dos seus habitantes, por telefone, sendo que não pode votar na sua música, certo?

Ora, daí não me espanta que, com relativa facilidade se vote por simpatia e não pela qualidade musical. Assim, penso que teremos que substituir o termo "política" que me lembro de ouvir sempre os meus pais dizerem quando tocava à votação.

Como tal, é natural que as relações de vizinhança e de amizade sejam reflectidas nas votações. Sinceramente não percebo é porque é que nós e Espanha nos mostrámos tão "amigos". Baía e Colaço, temos que fazer algo em relação a isto ;)

Também não achei nada estranho que a Ucrânia tivesse uma boa votação em Portugal. E se fosse um festival internacional o Brasil ganhava com larga distância entre os nossos "votantes"!

Sobre a foto, caro Chico, é imperdoável não teres colocado uma da representante ucraniana que - injustamente!!! - não saiu vencedora deste festival ;)

Inês Rocheta Cassiano disse...

Concordo inteiramente com o Bruno. Se repararmos, Portugal obteve votos nos países em que tem emigrantes: França, Suiça, Espanha e por aí adiante.
Não me faz confusão ver a Turquia na Eurovisão, mas agora, tal como o Jorge, Israel... Que eu saiba é Eurovisão e não Festival da Canção Mundial.
Já não me espanto se daqui a alguns anos tivermos mais países do Médio Oriente a entrar na competição.
Aqui se aplica a expressão: os melhores do mundo, e quiçá da Europa.

Francisco Castelo Branco disse...

Então e o Afeganistão?

Que está para lá da China?

Armenia?

Diogo Agostinho disse...

É a internacionalização do microfone dourado.

Aprendem rápido com Portugal!!!

Paulo Colaço disse...

Estou espantado com a importância que estamos a dar a esta votação.
;)

Bruno disse...

Amigos, a participação de Israel justifica-se pela mesma razão que eles entram nas provas da UEFA... e, se pensarmos um bocadinho, quem foram os grandes responsáveis pela implementação do Estado de Israel no local onde está? É natural que os europeus teriam que lhes dar a mão ;)

Sobre a importância que estamos a dar a isto, é curioso, Mano Colaço, que estava para te dizer, no post da Feira do Livro, que no Psico fartamo-nos de falar com companheiros sem ser sobre as Directas. Até do Festival da Canção falamos, hehe! E eu acho que ainda não foram bem discutidos os atributos da representante da Ucrânia ;)