sexta-feira, maio 02, 2008

Dias e Dias... por lá e por cá



Jorge

Eu em Lisboa sem carro estou a redescobrir como amo a minha cidade!Estou sem carro faz hoje um mês. Tenho andado de transportes de lá para cá, de cá para lá! Um mix de autocarro, metro e eléctrico. O Metro é extraordinariamente conveniente. Nem sei como não me cansei de fazer percursos de carro, que poderia ter feito debaixo do chão, ouvindo o meu AiPodes, sem ter de alimentar nem a Galp nem a Emel e contribuindo para uma melhor atmosfera... Os autocarros estão renovados e têm uma coisa super moderna. Cada paragem tem um placard que diz quando passa o próximo, e se por acaso não estiver disponível, essa informação está à distância de um simples SMS. Já o eléctrico, que apanho na Praça da Figueira até à Universidade Moderna, é um espectáculo. É como descobrir Lisboa todos os dias pela primeira vez. Porquê? Porque é o transporte por excelência dos turistas. Vem sempre cheio. E dá gosto ver como olham para os prédios, para o azulejos, para os caminhos, para o Rio, para a Ponte. Dá gosto ver as caras e os olhos bem abertos quando se vislumbram os primeiros indícios do Mosteiro dos Jerónimos, da Torre de Belém, do Palácio de Belém. As conversas sobre o Castelo de São Jorge, a Cerca Moura, o bairro de Alfama. Que bonito é viver isso, ouvindo as conversas dos turistas!E as nossas estações de Metro? Poucas estão degradadas, e muitas são autênticas obras de arte. A estação da Ameixoeira um autêntico encruzilhar de escadas rolantes, a estação do Parque, para mim a mais bela de toda a rede. Tudo isto por cerca de 28€ por mês. É assim a Lisboa sem carro!


Tiago

Eu em Bruxelas sem carro sou o verdadeiro Tuga comodista. Ando à boleia e se não há boleia não ando, venho trabalhar que é bem pertinho de casa.Mais a sério, os transportes aqui são muito caros. Um bilhete de autocarro custa €1,50 e o Táxi nem se fala. Até agora andei três vezes de Táxi. Imaginem o que é irem do Marquês do Pombal ao Rossio (em Lisboa portanto) ou da Rotunda da Boavista ao Castelo do Queijo e pagarem € 11,00. A primeira experiência foi do aeroporto para casa (€ 30), e a última foi para Tervuren desde a Place Lux (cerca de 8 Kms). Claro que tivemos que pedir ao Táxista para parar quando vimos a bitola dos € 25 pois era tudo que tinhamos e seguimos o resto do caminho a pé (cerca de 2,5 Kms). Quando estavamos a chegar depois dessa caminhada, passa por nós o Tram (espécie de eléctrico) que apesar de não ser barato sempre fica longe dos 25€.Conclusão, não se vê muita (quase nenhuma mesmo...) informação afixada sobre os meios de transporte, pelo que, acabamos por quase os não usar e os preços são exorbitantes.Andar de Metro é a melhor solução já que é grátis...para nós Tugas pelo menos. Andei uma vez de Metro e não paguei porque só fizemos uma estação. Nota: A culpa não foi minha nem do João...

22 comentários:

Tiago Sousa Dias disse...

Um último pormenor: nem que não fizesse bem a mais coisa nenhuma... não andar de carro diáriamente faz muito bem à carteira. Eu sinto a diferença.

Paulo Colaço disse...

Já percebi: foi um post a quatro mãos. Os dois PsicoDias, Jorge e Tiago, quiseram desanuviar o clima de "combate".

Que venha, então, o anti-ciclone dos Açores...
:)

jfd disse...

Provavelmente a primeira posta dupla do psicolaranja;)

Sucesso na TRANS Tiago :)

Bruno disse...

Já os vi começarem por menos, hehehe! (mera provocação!)

Ainda não li mas a ideia parece-me engraçada! Parabéns pela iniciativa e prometo comentar em breve!

Nélson Faria disse...

Boa malha!

Keep posting.

jfd disse...

Nem boa malha nem desanuviar !

Façam lá o favor de comentar as vossas experiências mundias com a dualidade carro/transportes públicos.

;)

Inês Rocheta Cassiano disse...

É assim mesmo Tiago, quem ao seus, não é de Genebra e há que manter os velhos hábitos adquiridos em casa. Tuga é assim mesmo (lol).
Meu querido JFD, a vida nos transportes não é assim tão maravilhosa, isso posso garantir-te.
Primeiro ponto: Autocarros. A maioria são novos, é verdade, mas nem todos. Quanto aos placards, são poucos os que existem e ,por vezes, contêm informações erradas. Em relação aos horários, muitas vezes estão atrasados, pondo em causa o transporte multi-modal. Mais, se por acaso quiseres comprar um bilhete no próprio autocarro é logo 1,35€. Isto é mais que um roubo. Agoro devo admitir que os passes dão imenso jeito.
Segundo ponto: Metro. Para mim, o melhor transporte em Lisboa. Rápido, fiável em termos de horários, são constantes e com preços relativamente acessíveis para quem o utiliza regularmente. Problema: há zonas de Lisboa que deviam estar ligadas em rede viária e não estão, por exemplo, estando na estação de Telheiras, e se queres ir para a estação do Colégio Militar (Colombo) tens que fazer as linhas verde e azul quase todas. Mas isto são excepções. Não há razão de queixa.
JFD, temos uma estrutura viária que não satisfaz as reais necessidades da população. A complementaridade entre transportes ainda não está no seu expoente máximo, mas há que caminhar nesse sentido. Por exemplo, andar de transportes públicos em hora de ponta é quase suicídio. Uma experiência que não desejo a ninguém.
Numa altura em que se deve fomentar e potenciar o uso do transporte público, percebo perfeitamente as reticências das pessoas em fazê-lo. Somos um povo comidista que não dispensa o seu automóvel particular e eu própria incluo-me nessa categoria, estou ansiosa por ter o meu carro.
Andar de transportes públicos uma vez por outra, é giro. Agora experimenta fazer disso rotina e depois falamos.

jfd disse...

LOL Inês!
Adorei o teu comentário!!!!
Devo confessar que ando sempre uma hora à frente da hora de ponta. É a vontagem de acordar cedo, muito cedo ;)

Nélson Faria disse...

Não percebi que era para isso Jorge.

Boa malha!

jfd disse...

Talvez implicito, não explicito ;)
Nem sei se o outro Dias concorda lol

Tiago Sousa Dias disse...

Mas pois concerteza.
Mas agora que percebeste Né conta lá a tua :)

João Pedro Lopes disse...

Tiago, já percebemos que nunca andaste de autocarro cá, porque o bilhete são 2 euros e não 1,5LOLLLLLL

Mas tens toda a razão quando falas dos preços.

Ir a St. Gery fica por uma fortuna LOLLLLL

Cidália disse...

Tiago,
Para além da carteira ainda há outra coisa a que faz bem andar a pé, à barriga. Eu diria: mal às pernas bem ao peito.
È desta que o carro vai começar a ganhar pó na garagem?
Jorge,
Eu também sou apologista dos transportes públicos, mais de metro do que de autocarro. O metro é bastante fiável em termos de horários.
Andar em transportes públicos permite ver, ler e até comunicar.

tiagosousadias disse...

Ó Pintas. Por acaso não disse que andei e não andei mesmo. Mas comprei o bilhete e tinha ideia que era 1,50.
Até confirmava isso mas o bilhete estava na carteira ;)
Claro que a melhor maneira de ir para St. Gery(ou vir como foi o meu caso e do João) é a pé... :)
Um abraço e vê se te tornas cliente assíduo aqui do blog amigo.

tiagosousadias disse...

Ah e não chegamos a andar porquê? Porque apareceste tu e o Grande Xuxa Sousa que, já agora, ainda não comentou aqui no blog. Mas eu vou escrever um pequeno texto em breve que o vai motivar :)
Abraços Sousa!!!!!!!!!!!!

jfd disse...

LOLOL Tiago, foste apanhado!!!

Cidália, que grande verdade! Acredite que tenho estudado imenso nas minhas viagens de metro ;))

Nélson Faria disse...

Eu desloco-me de carro todos os dias... Porquê? Porque os transportes para mim não funcionam.

O meu meio de transporte público favorito é o Metro e, sempre que tenho de ir para o centro de Lisboa, uso-o.

Porque não o uso sempre? Porque da Amadora (onde moro) até à Cidade Universitária (onde estudo) demoro entre 40m a 55m quando uso o autocarro até o Metro e depois o Metro em si para chegar ao destino.

De carro demoro 10m, em hora de ponta entre 20m a 30m. Ou seja, chego mais depressa de carro à FDL em hora de ponta do que de Metro a qualquer hora. Isto é de loucos!

Ajuda o facto de não pagar parque na FDL... se tivesse EMEL já compensava levar o carro lol

Mas é assim: um Homem nunca está só, é sempre o Homem e as suas circunstâncias :)

xana disse...

De facto que faça bem à carteira e à barriga, diz que a amiga Ana Rita perguntou-me logo se estavas mais magrinho... não percebi porquê!!

Anda a pé que faz-te bem, e em Brux vais a pé para todo o lado, não sejas preguiçoso...

Tiago Sousa Dias disse...

E qual foi a tua resposta? :)
Xanita devo-te desculpas porque naquele fim de semana não disse mais nada. Roubaram-me a carteira no restaurante e fiquei sem cartões, sem docs., sem dinheiro, enfim uma miséria.
:)
Já agora conta aqui à malta como te deslocaste por cá?

Paulo Colaço disse...

Só agora (mil desculpas) li este post com olhos atentos.

Jorge: muito bonita mesmo a descrição que fazes da "nossa" Lisboa.

Tiago: hilariante!

Já vos mando um Psico-mail com novidades sobre este experimentalismo.

xana disse...

Eu desloquei-me de tram, que de facto, é bem mais giro do que o metro, já que o objectivo é ver a cidade.

Pensei que fosse tudo bem mais caro do que é na realidade. Aliás, o bilhete pode custar 1,50€ mas o que é facto é que pode-se usar o mesmo bilhete para andar de tram. metro e bus, durante duas horas/semana e uma hora aos fins-de-semana (assim percebi eu...).
Por isso não fica assim tão caro, para além de que pode-se também comprar um bilhete diário para estes 3 meios de transporte por 4€ o que eu caho francamente barato!

De resto, para quem não é preguiçoso, é uma cidade em que muita coisa se encontra relativamente perto, portanto, andar a pé é mesmo uma opção, e falando por experiência própria, é óptimo quando está frio!

Portugal e Lisboa em particular, está cada vez mais caro. Em trasnportes então, nem se fala...

Já agora deixo um desafio: falemos do preço dos bens essenciais em Portugal e em Bruxelas (cidade com fama de ser cara). A mim deixou-me mais do que preplexa, fiquei mesmo indignada!

jfd disse...

Paulo :) Aquele abraço!
Xana, 100% de acordo no que toca ao tram ;)
Se bem que confesso, que chegado a Bruxelas pela primeira vez, com um grupo da Uv, andávamos de de tram feitos labregos pensando que era o metro (percebemos rápido!)