quinta-feira, julho 17, 2008

Sodomia


Já não me lembro quem foi que disse a frase:

"Ser homossexual já foi proibido, agora é aceite, qualquer dia é obrigatório."

Não concordo com a frase nem com a ideia que a ela está subjacente, embora a use diversas vezes como exemplo de certos extremos a que a sociedade tende a chegar.


No entanto, não nos podemos esquecer que existem formas de ver o mundo que não adoptam uma perspectiva minimamente liberal quanto à escolha sexual de cada um. Como exemplo temos as declarações do Presidente do Irão que clamava orgulhosamente não existirem homossexuais no seu país.


Mais recentemente temos o caso do líder da oposição malaica, detido após ter sido acusado por um seu acessor de 23 anos do crime de sodomia, uma vez que relações sexuais entre homens são proibidas naquele país.


Naturalmente que estas atitudes chocam com a nossa cultura. Sei que a mim me fazem extrema impressão, tanto pela discriminação em si, como pela ingerência na esfera da vida privada que comportam.


Assim, deixo a questão: Tem o mundo ocidental o dever de tentar mudar estas mentalidades? E terá o direito de o fazer?

5 comentários:

Bruno disse...

Olha, óptima pergunta Zé! Eu acho que temos o dever de tentar um diálogo inter-cultural sim! Não sei até que ponto isso se pode considerar o dever de mudar mentalidades diferentes da nossa porque isso seria assumir, antes do debate, que eles estão errados.

É verdade que em alguns casos é demasiado gritante a impossibilidade de alguém nos convencer que as suas crenças e costumes são mais correctos que os nossos em termos sociais e humanos.

Mas também me parece que se partirmos de um ponto em que nos intitulamos como os defensores do desenvolvimento intelectual não estaremos a adpotar a postura correcta.

Paulo Colaço disse...

Subscrevo o Bruno.

A superioridade moral é um monopólio do PCP e do Bloco de Esquerda.

Eles é que se acham os virtuosos e os éticos, relegando todos os restantes para o poço da ignomínia.

Diálogo intercultural sim.
Arrogância e presunção não!

E mais: temos de liderar pelo exemplo, o que nem sempre acontece.

Luís Nogueira disse...

Subscrevo o Bruno e o Colaço.

Devemos ser "open mind" para com as outras culturas, mas sem perdermos as nossas raízes culturais, de tolerância e de respeito para com aqueles que têm opções diferentes.

Nélson Faria disse...

Que coisa aborrecida, ninguém discorda.

Tivesse mais tempo e tomava a posição contrária ;)

Tânia Martins disse...

Por acaso também concordo com o Bruno, com o Colaço e com o Luís ;)!

De facto o mundo ocidental não pode implementar as suas ideias como superiores às do mundo oriental. Nós não estamos aqui para lhes ensinar algo mas para vivermos em conjunto e respeitarmo-nos mutuamente.

A questão no entanto leva ao lado sensível em causa, não podemos ver atentados à dignidade humana e ficar simplesmente quietos. É moralmente aceitável que se aponte o dedo a acções desumanas por parte de outros estados. Uma coisa é respeitar a cultura dos outros, outra diferente é deixar chegar o mundo novamente ao estado selvagem!