quarta-feira, julho 30, 2008

Investe Governo, Investe!


O nosso PM, Eng. José Sócrates, lançou a promessa que o Governo irá investir 400 milhões de Euros na educação nos próximos meses. Esse investimento passa pela instalação de Internet em todas as salas de aulas, assim como redes de vídeo – vigilância nas escolas e a criação do cartão de estudante para que as crianças/jovens não andem com dinheiro nas escolas.

Internet: acho bem! Cada vez mais o ensino passa pela Internet!

Vídeo – vigilância: gostava de acreditar que seria útil, mas em muitas escolas não o será pelo facto de não serem problemáticas; noutras, pelo contrário, seria muito útil se essas redes de vigilância conseguissem sobreviver uma semana que fosse!

Cartão de Estudante: já tive oportunidade de utilizar esses cartões desde o 9º ano e só trazem complicações, além disso as crianças não deixam de andar com dinheiro por andar com um cartão magnético.

Parece que o senhor PM está a começar a investir em áreas realmente importantes, embora parte desse investimento esteja a ser mal gerido, mas isso é algo a que já nos habituámos! O mais engraçado é que ultimamente tem-se ouvido tantas novas medidas, tantos novos investimentos…que trabalhador que anda o nosso Governo! Ah, lembrei-me…já estamos quase a meio do ano de 2008…que coincidência!

10 comentários:

Nuno Gonçalo Poças disse...

Este tipo de medidas não me faz ficar minimamente satisfeito.

Em primeiro lugar, porque acredito que só indirectamente a video-vigilância e a utilização de cartões magnéticos constituem um investimento na Educação. Quanto a mim, tratam-se de medidas relacionadas com a segurança (ainda que nas escolas)e não com o sistema de Ensino. É o que se chama atirar areia para os olhos das pessoas... Se os jovens saíssem melhor preparados das escolas com sistemas de vídeo e cartões...

Depois há a questão da Internet. Francamente... chamem-me atrasado, retrógrado - o que quiserem. Continuo a achar que esta febre do nosso PM com a internet e os computadores portáteis, por mais louvável que seja, não é assim tão essencial. Há coisas muito mais urgentes a cuidar no sistema de ensino nacional, que não passam pela internet. Desculpem-me a confissão, mas começo a ter medo que os livros passem a segundo plano nas salas de aula...

Já agora, só mais uma perguntinha... O que tem a JSD a dizer sobre Educação?

Margarida Balseiro Lopes disse...

Permitam-se que discorde.
Saúdo e aplaudo estas medidas.

Tenho fervorosamente criticado a ministra da Educação. Pela má política educativa, pelas reformas atabalhoadas, mas principalmente pela forma indigna com que tem tratado os docentes. Tudo isto resulta num mau sistema de Ensino, na descredibilização dos professores, num facilitismo gritante, como disso é exemplo, o caso dos exames nacionais.

No entanto, estas medidas, como diz o Poças, não tanto educativas mas integrantes do famoso plano tecnológico, têm importantes e positivas consequências na Educação. Senão vejamos:

A Internet e a crescente utilização das TIC, com a criação da disciplina no 3º ciclo, são o reflexo de uma Escola Moderna, tecnologicamente avançada, mais habilitada a responder aos desígnios e exigências de um Mundo Global.

A Video-Vigilância é um importante instrumento no combate à insegurança que se vive nas nossas escolas. Obviamente que há o risco das próprias câmaras de vigilância serem vandalizadas, mas a sua mera existência já terá efeitos em muitos de nós.

Por fim, a questão dos cartões magnéticos. É verdade que não se acaba, totalmente, com a circulação de dinheiro na escola. Mas não é esse apenas o objectivo. A uniformização do sistema, com a utilização do cartão para todos os serviços existentes na escola, uma maior segurança na entrada/saída dos alunos nos estabelecimentos de ensino, são já razões suficientes para que se implemente este sistema.

jfd disse...

Pois é ...
Choro de alegria...
Este dia haveria de chegar....
A Margôt tomou juízo!
weeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee

100% de acordo :)

Pois é Tânia, andas muito careta. Aprende com a Margôt, que tomou juízo! As férias fazem-lhe bem!!!

Margarida Balseiro Lopes disse...

LOL
Só tu, Jorge! ;)

Inês Rocheta Cassiano disse...

As políticas educativas deste Governo tem-se revelado uma mão cheia de nadas.

Quanto à video-vigilância, há um serviço da PSP em funcionamento chamado "Escola Segura". Podiam ser aumentadas as suas potencialidades e ser adaptado às diversas necessidades das escolas, o que não é uma realidade.

Este Governo quer resultados na educação (como em quase todas as áreas) da forma mais rápida e fácil que conhecem. Os exames nacionais deste ano são um exemplo. Um autêntico escândalo.

Outra reforma importante seria ao nível das reformas curriculares. É impensável que a mesma matéria seja dada em diversas disciplinas, leccionada sempre de maneira semelhante. Muitas vezes, em vez de complementaridade inter-disciplinar, há repetição disciplinar. Não é nada estimulante.

Mais, os currículos são demaisado teóricos, em pouco ou nada adaptados e conectados com o mundo laboral. Esta é, a meu ver, uma área prioritária de intervenção.

Infelizmente, os verdadeiros investimentos ainda não foram feitos.

Nélson Faria disse...

Eu acho uma maravilha o investimento em hardware... agora só falta arranjar um modelo educativo que sirva.

lolololololololol

Guilherme Diaz-Bérrio disse...

E que dizem do novo programa "e-Escolinha"/Magalhães? Será que crianças dos 6 aos 10 anos precisam mesmo de um portatil?

Sou ceptico (além do embuste do "Portatil tuga", mas isso é outra conversa)

Achava bem mais produtivo que em vez de se gastar uns 400 milhões de euros a pagar cartões magnéticos, camaras, portateis e cosméticas afins se resolvessem os reais problemas da educação.

E não me refiro apenas ao "desajustamento face ao mercado de trabalho" mas mais particularmente ao facilitismo com que se ensina hoje em dia. Programas completamente desprovidos de qualquer saber. Já não é obrigatório saber nada...o que é preciso é "ajudar a criança a compreender os conceitos". Custa-me a entender coisas tão simples como já não exigir saber a tabuada de cor. Eu tive de a saber e não me traumatizou nem causou danos cerebrais... e são reformas que não custam dinheiro.

Mas se calhar é chato responsabilizar pais pela educação dos filhos e responsabilizar professores pela maneira como (des)ensinam as crianças [até aqui acho que há um problema de conceito: ao pai compete educar, ao professor ensinar... acho que são conceitos distintos mas enfim]

E dou um exemplo simples:
Há já uns anos o departamento de matemática do ISEG pensa em criar uma cadeira de "matemática 0", porque os alunos chegam à faculdade sem um mínimo de conceitos e capacidade de pensamento abstrato. Outros professores queixam-se, e vejo isso nos meus colegas, da falta de capacidade pensamento abstrato e sistematico. Tem se de ensinar tudo com os exemplos mais simples e tentar evitar que os alunos não coloquem o "saber" em compartimentos estanques ou não têm capacidade leitura/estudo/memorização/compreensão... isto é fruto do nosso sistema de ensino básico e secundário e não se resolve com uns quantos milhões em hardware...

jfd disse...

Há já uns anos o departamento de matemática do ISEG pensa em criar uma cadeira de "matemática 0"(...)

Não resisto; Pois... Uns dos grandes males deste país. Pensam muito ;)
Sempre me disseram que falta algum pragmatismo a essa Faculdade de Esquerda ;)))

Guilherme Diaz-Bérrio disse...

Sempre me disseram que falta algum pragmatismo a essa Faculdade de Esquerda ;)))

Sim, o facto de os últimos 3 Sec-Gerais da JS terem vindo do ISEG é sintomático de alguma coisa LOOOOOOOOL

Tânia Martins disse...

LOL careta JFD?!

Apenas acho que os investimentos vão sendo feitos como se não houvesse amanhã, existem prioridades e é nelas que devemos depositar a nossa atenção!

Agora se querem dizer em grande voz "NÓS INVESTIMOS", talvez estas medidas ainda venham a ser muito úteis para os números em 2009!