terça-feira, julho 15, 2008

Quid satiriat?



Quem se deve sentir ofendido com esta caricatura?


a) Os Obamas?


b) Os Republicanos?


c) Os muçulmanos?


d) Ninguém, é uma piada.


Eu sei qual escolho...

13 comentários:

José Pedro Salgado disse...

Já há diversos anos que sou fã da New Yorker, e certamente não mudarei por causa disto.

Muito menos deixo de achar que Obama é o melhor dos dois candidatos.

jfd disse...

Também sou fã!
E ultimamente, em que posso ouvir os meus jornalistas favoritos em podcast, é a loucura ;)

Li muito sobre a capa.
Achei divertidíssimo!
Partilho com vocês!
A minha opinião é egoísta; Viva a América e a diversão que me proporciona!


http://www.nydailynews.com/news/politics/2008/07/13/2008-07-13_new_yorker_mags_satire_cover_draws_team_.html

http://www.huffingtonpost.com/2008/07/13/yikes-controversial-emnew_n_112429.html

http://blogs.abcnews.com/politicalpunch/2008/07/new-ironic-new.html

http://blogs.tnr.com/tnr/blogs/the_stump/archive/2008/07/13/what-were-they-thinking.aspx

http://www.slate.com/id/2195317/

Paulo Colaço disse...

Mera piada.

Eu também levei as caricaturas de Maomé na conta de piada.

O inverso é que é perigoso.

Mega disse...

A New Yorker já sabia a confusão que ia lançar...

Uma boa manobra publicitária!

Pedro disse...

A origem da capa é a maravilhosa jornalista da Fox:

http://youtube.com/watch?v=KBRUalssp0Q

Manuel Monterroso disse...

Para mim quem se deve sentir ofendido e envergonhado com esta caricatura é o próprio caricaturista:p

jfd disse...

Este link que o Pedro disponibiliza mostra das outras coisas geniais de partir o coco a rir. A luta entre a MSNBC e a FOX, principalmente do Keith O. e os seus convidados e convidadas da malograda Air America (rádio de esquerda que tem audiência fraca), e o J. Gibson da Fox Radio, que chama ao primeiro Bathtub Boy. E quando o Keith O. se passa nas suas crónicas a falar mal do Bush? Muito bom.
A talk radio Americana é dominada pela direita. Há o Rush Limbaugh, o O'Reilly, o Gibson, a Eddie Hill (a jornalista referida), e mais uma data deles. Cada um mais cómico que o outro. Mas muito perigosos, do ponto de vista que têm audiências inimagináveis aqui nas nossas latitudes e com a capacidade de raciocínio de um amendoim torrado. O O’Reilly, mesmo na sua tendência, ainda tenta ser justo, agora o Rush é fundamentalista. Diz com cada coisa... Aqui está um exemplo do vernáculo do senhor, aqui sobre Emigrantes ilegais (por acaso tem um twist no fim, diz ele, não sei! mas que é incendiário, é!)...
http://www.youtube.com/watch?v=ZHPm_TEQ0PA
Que se pode fazer? Só rir!

Bruno disse...

Definitivamente: alínea d)

Diogo Agostinho disse...

É uma piada. A total liberdade dos EUA no seu esplendor.

McCain reagiu bem. Obama não quis falar.

Pessoalmente também não gosto, mas já ouvi a explicação de que era para ridicularizar as críticas que fizeram a Obama...

O efeito foi alcançado causou impacto e de certeza venderam muitos exemplares.

Nélson Faria disse...

Prefiro o excesso de cartoons à ausência deles.

Rudemente adaptada, esta frase de Sarkozy durante o tempo das caricaturas de maomé continua a marcar a minha ideia quando falamos destas "brincadeiras" :)

Há que ter fair play.

FlaviaPM disse...

Uma boa resposta pode ser encontrada aqui:
http://www.comedycentral.com/videos/index.jhtml?videoId=176628

jfd disse...

Muito bom Flavia ;)
Tinha visto já na CNN.

Paulo Colaço disse...

Olá Cara Flávia,
obrigado por nos trazer aqui o melhor "telejornal non sense" do mundo.

;)