sexta-feira, julho 04, 2008

Os meios justificam os fins?

Maria de Lurdes Rodrigues acaba de dar uma entrevista na RTP1 em que fica clara a ambição e o desejo desmesurado de trabalhar para as estatísticas, ao reportar-se aos resultados dos exames nacionais de 12ºano.

Pelo meio de gaguejos, nervosismos e incoerências, a ministra da Educação anuncia que "estava farta da situação que tinha" e orgulha-se de anunciar que este Governo e as suas políticas educativas foram essenciais no processo de fazer a Matemática acessível aos alunos.
Apesar de os resultados saírem apenas na próxima Segunda-feira, é já sabido que a média da disciplina de Matemática A subiu 3 valores, ao contrário da média de Português que este ano regista saldo negativo.
Se a Educação é um dos pilares fundamentais da formação do ser humano, não devia ser tratada com tal leviandade e facilistismo. A formação das pessoas não aumenta com exames fáceis, mas sim com professores rigorosos, programas complementares entre disciplinas e não repetitivos e horários adequados.
Sempre ouvi dizer que não se deve dar logo o peixe. É preciso dar as canas para se ensinar a pescar.

7 comentários:

Manuel Monterroso disse...

Inês, concordo plenamente com aquilo que disseste! Muito boa análise. Contudo, gostaria de completar um pouco mais a tua argumentação.:)
Pois a Ministra esquece-se que o problema da educação começa logo na primária em que há professores colocados que não têm preparação para dar aulas a este ciclo, que os alunos passam de ano sem terem conhecimentos (há alunos que chegam ao 5º e 6º ano e que não sabem fazer uma conta de somar nem escrever correctamente).
Esta ministra hipócrita e prepotente não se interessa se os alunos sabem ou não. Interessa é avaliar os professores (e o ensino) de forma demagógica como são a prova os exames triviais (e sem importância na classificação final dos alunos) que há no ensino secundário. Outro escândalo que importa realçar é a questão das novas oportunidades. Assim, uma pessoa que apenas tem o 6º ano escolar pode através do seu "currículo profissional" (pe. ter trabalhado numa fabrica durante x anos) fazer 3 anos em 3 meses... Ou seja, vai a umas aulas, faz uns exames com a correcção no quadro e fica com o 9ºAno sem conhecimento algum mas para felicidade da Ministra e dos Sócretinos já tem mais algumas qualificações e podem trabalhar com esses números para enganar (mais uma vez) a opinião pública. Enquanto estivermos a pensar em estatísticas em vez de pensar em preparar as pessoas para as dificuldades e adversidades da vida, enquanto estivermos a facilitar em vez de estimular a criatividade e o trabalho, enquanto estivermos a olhar para todas as pessoas da mesma forma sem perceber quais são os verdadeiros problemas sociais de cada um, enquanto não houver discplina, rigor e motivação de todos os intervenientes no processo educativo estamos condenados ao fracasso...
Tenho dito.

Paulo Colaço disse...

E repito: estamos a dar-lhes uma falsa noção de conhecimento!
Hoje (e não só hoje, há cerca de década e meia) vão saindo das secundárias pessoas a quem o Estado está a enganar.
Dá-lhes um certificado de habilitações que não possuem.

E chegam às faculdades a escrever mal e porcamente! Alguns admiram-se por ter, depois, notas miseráveis com professores exigentes que não se limitam a olhar para o fraco conteúdo, dando também importância à paupérrima forma.

A Ministra está contente com as notas a matemática. Claro: se não os podes ensinar, "falsifica" as notas.

Paulo Colaço disse...

Outra nota. O ME diz que estas notas resultam de três factores: "mais tempo de trabalho e estudo por parte dos alunos acompanhado pelos professores", "provas de exame correctamente elaboradas, sem erros e com mais tempo de realização" e um "maior alinhamento entre o exame, o programa e o trabalho desenvolvido pelos professores".

Era bom o plano de aperfeiçoamento em matemática. Porém, tendo usado o método dos exames "para inglês ver", deitaram por terra toda a credibilidade.

Manuel Monterroso disse...

Colaço, escrevo só para te dizer que as tuas duas boas notas são excelentes notas!:)

Carlos Eduardo disse...

Boas, vi este artigo e não podia deixar de comentar. Se bem me recordo, no meu tempo tinha provas globais no 10º,11º e exames nacionais no 12ºano. Em todas as disciplinas. Hoje em dia já não é assim, concordo com artigo na medida em que apela ao facilitismo, apenas para se mostrar números, infelizmente estes números não se traduzem em resultados efectivos, teremos cada vez mais, pessoas mal formadas. Faço também referência ao programa "Novas Oportunidades" que se baseia em facilitar ao maxímo a vida que frequentem este programa, as provas não tem rigor exigência necessários para pudermos dar uma equivalência ao 12ºAno.

Paulo Colaço disse...

Obrigado caro Manuel.
Começamos a ver que a psicose está a tomar conta de ti.
Cuidado: corres o risco de ficar viciado ;)

Nélson Faria disse...

Havemos de ter um salto na estatística que a formação dos portugueses não irá acompanhar.

E ainda se diz que esta é uma boa ministra e que faz reformas importantes.