domingo, julho 27, 2008

Chupistas!

O PP quer uma investigação ao funcionamento do rendimento mínimo.
Já faltava.
Não me choca que exista este tipo de ajuda do Estado a quem mais precisa.
Mas alguém sabe como funciona? As instituições não comunicam entre si e há verdadeiros super-beneficiários, que auferem a este rendimento sem o merecer, e em diversas freguesias.

13 comentários:

jfd disse...

Sabes Paulo, ao ouvir as declarações do PP, pensei;
"Lá vem este com o seu timming perfeito falar do que nós deveríamos já ter falado".
ARGH!

O pior é que vindo do nosso lado teria muito mais impacto e seria levado mais a sério.
Temos que rapidamente pegar no assunto.
É exactamente o que dizia O Guilherme algures por estas caixas de comentários, e que eu secundava; Estamos em alturas de racionar a ajuda social ao ESTRITAMENTE necessário.

E adoro o título.
:)

Luís Nogueira disse...

Penso que deveria existir uma investigação séria neste campo, pois como todos sabemos, o país abunda em casos de pessoas que recebem ilegalmente este rendimento.

Concordo contigo Colaço, quando dizes que "Não te choca que exista este tipo de ajuda do Estado a quem mais precisa." - Mas choca-me o facto de existirem pessoas com plenas capacidades laborais, que nada fazem, encontrando-se sentadas à espera do próximo cheque da Segurança Social.

Eu não sei como funciona este sistema remuneratório. Mas conheço algumas realidades no interior do país, que apenas subsistem graças ao mesmo.

Maior equidade sim, mas com regras!

Daniel Geraldes disse...

Sinceramente apesar de todos os defeitos que vejo no Portas aliado á sua imagem já muito gasta, é o unico em que eu me revejo quase sempre nas suas reinvidacações,e é o unico partido que em tempo real acompanha os problemas do país,as vezes,chego a pensar que milito no partido errado.

Magda Borges disse...

Bom, eu não vou tecer comentários sobre este assunto. O meu contributo fica com passagens de conversas de terceiros que testemunhei. E deixo apenas uma ou duas, entre dezenas de casos que conheço.

Dizia um senhor que possui Quintas no Douro que tinha percorrido aquelas aldeias à procura de gente para trabalhar a terra e não encontrou ninguém disponível. Estavam nas tascas a consumir álcool com o dinheiro deste subsídio.

Uma conhecida de uma funcionária da minha escola gozou com ela porque com o subsídio de inserção que recebe, acrescido do subsídio que recebe por cada filho que tem (e dos quais não cuida sequer!), tem um rendimento superior a quem trabalha!...

Conheço uma senhora de 30 e tal anos, que se colocou numa situação de desemprego, por opção, e com a conivência do supermercado em que trabalhava está em casa a viver do subsídio de desemprego!

Um aluno meu este ano, colocado numa situação quase de vida ou de morte, em que tinha de anular a matrícula, dizia-me: Professora, a minha mãe não quer saber se o melhor para mim neste momento é anular a minha matrícula. Ela só quer saber do dinheiro, no fim do mês, que recebe por eu andar na escola.

Moral da Estória...
Temos um país repleto de parasitas que se pudessem estar em casa sem fazer nada, desde que o Pai-Estado alimentasse, era um país de gente Feliz! Ah! Assegurando que houvesse futebol para ver claro!

P.S. - Desculpem o meu tom, mas eu vivo revoltada com estes indivíduos que PARASITAM a nossa sociedade. Eu sou uma das muitas que tenta ensinar os seus filhos. Os verdadeiros filhos de Ninguém, que em muitos dos casos só conhecem afectos nas escolas... O dinheiro dos nossos impostos é para pagar os vícios deles...

Anónimo disse...

Acho bem q se veja estas situações e se analise caso a caso.
Realmente também me faz confusão: há falta de mão-de-obra p agricultura num país com tantos desempregados.
Muitos portugueses descontam durante anos p segurança social e no final recebem 200 e poucos euros por mês de reforma. E, muitos q viveram às custas da S.S. uma vida inteira conseguem beneficiarem de tanto.
País de injustiças!!

Margarida Balseiro Lopes disse...

Tal como os que a Magda aqui nos deixou, também eu conheço casos igualmente chocantes de parasitismo propiciado por este género de subsídios.

Infelizmente são mais do que muitas as situações em que se beneficiam as pessoas erradas: mães negligentes, pessoas que simplesmente não querem trabalhar, outros que fazem “biscates” e que acumulam com o subsídio. Um sem número de histórias.

A solução será, inevitavelmente, um maior controlo e acompanhamento dos beneficiários destes subsídios ou até as transferências em espécie.

Subsídio sim, mas só para quem realmente precisa!

Cidália disse...

Entendo que a politica de subsidios deve ser muito bem controlada. O controlo é importante aqui, no rendimento minimo bem como nos outros subsidios.
Lembro-me de um ano uma pessoa duma aldeia ter recebido de subsidios por um numero de cerejeiras muito superior ao numero existente na aldeia inteira.
Ou o caso (na mesma aldeia) em que todos os habitantes receberam subsidio de gasoleo para o motor de rega quando o motor era um e único exemplar.
A questão que coloco é se com salários mais atractivos as pessoas recorreriam aos subsidios?!!!
Há pouco tempo li que o Senhor BOSH disse numa entrevista algo que os nossos empresários deveriam perder no mínimo 5 minutos a reflectir nisso e que foi:"Eu ganho muito dinheiro porque pago salários altos não sou rico por pagar salários baixos".

Guilherme Diaz-Bérrio disse...

Falando no Timming do PP [não confundir com o PP partido ;)] que dizer das demissões em bloco da JP Setúbal e respectiva entrega de cartões em ruptura com PP? ;)

Quando ao RMG, já foi tudo dito, neste e noutros posts. Só é pena não termos podido também ir mais longe na reforma do sistema quando estavamos no governo e era inclusivé o PP que tinha a pasta "na mão"...

xana disse...

Este país perdeu a iniciativa. As pessoas alimentam-se do Estado porque a dada altura começaram a esquecer que o Estado somos todos!

Entrou-se num facilitismo perigoso, creio eu trazido pela geração do 25 de Abril que criou a ideia do Sistema nacional de tudo: educação, saúde, etc. Assim, ninguém produz coisa nenhuma, limitam-se a depender do subsídiozinho disto e daquilo.

Que os tempos mudem e as novas gerações sejam empreendedoras. Produzam riqueza, a sua e quem sabe a de mais gente. Só assim.

Já agora, os milhares de subsídios que são dados a esses "chupistas" podiam antes ser dados aos novos empresários... quando se sabe que os "incentivos" às novas empresas demoram iemnso tempo a ser dados, só admitem mediante requisitos surreais, e limitam-se ao valor de um ordenado mínimo nacional por quota. Pois é...

Diogo Agostinho disse...

Excelente comentário da Magda;)

Tocou na realidade portuguesa.

Cada vez mais somos um país de subsídios e de calões. Custa muito a labuta. Mais vale esperar sentado o cheque ao fim do mês. É certinho e não dá chatices.

Este Rendimento Mínimo de Ferro Rodrigues foi um erro político que castrou a tentativa de incutir neste povo uma mentalidade de trabalho e de ousadia.

Paulo Portas de novo muito bem. Aliás, este senhor está mesmo no Partido errado...

Nélson Faria disse...

Não se esqueçam é que o RMG de Guterres e de Ferro é o agora nosso RSI.

A culpa também é do PP. E nossa.

jfd disse...

Ora ai está Né!
Excelente point

Paulo Colaço disse...

Afirmativo, Né.
Tivemos medo de corrigir esse erro.

Estávamos debaixo do "estado de alerta" (o PSD nunca tem estado de graça).
Os adversários diziam: vêm aí os abutres que adoram retirar regalias sociais...

Fomos receosos e agora é o que se vê.