terça-feira, junho 17, 2008

Trunfo ou desvantagem?



“As mulheres não pensam em política 24 horas por dia”
É um trunfo ou uma desvantagem?
E os homens?

57 comentários:

Filipe de Arede Nunes disse...

Não pensar em política todo o dia é obviamente uma vantagem. Permite-nos ter uma visão do mundo que como sabemos não se reduz exclusivamente à política.
No entanto, convém que os políticos, mesmo nos assuntos extra-política, tenham um pensamento orientado para a arte!
Finalmente, eu sou homem, e não penso em política 24 horas por dia!
Cumprimentos,
Filipe de Arede Nunes

jfd disse...

Preciso de contexto!!!!

Diogo Agostinho disse...

Foi uma afirmação da Dra. Manuela Ferreira Leite no seu último programa de rádio.

Sobre a sua eleição para Presidente do Partido e se o facto de ser mulher influenciou.

jfd disse...

Obrigado pela contextualização...
Olha nem sem que responder ;)
Mas imagino o tom em que a resposta foi dada!

Para mim é tudo igual. As paixões não escolhem género.

Paulo Colaço disse...

Estive para fazer um post sobre isso ontem.
Poderia chamar-se "Mau Jornalismo" ou "Quero o dinheiro do jornal de volta".

A afirmação de MFL foi proferida num contexto e o título da notícia indiciava outro.

Não tenho agora o link mas procurarei e já aqui vos deixo.

Diogo Agostinho disse...

Caro Colaço, concordo contigo relativamente ao Mau Jornalismo, ou se quiseres, oprtunismo jornalistico. Já sabe que não podemos dar respostas em falso.

Porém, seria interessante perceber até que ponto a afirmação tem impacto e se apresenta uma vantagem ou não para as mulheres o que a Dra. Manuela Ferreira Leite proferiu.

Paulo Colaço disse...

Em todo o caso, um nota breve: MFL fez uma campanha sem, nem que fosse uma vez, o seu lado ou a grande imprensa, ter falado da questão "Mulher".

Talvez porque tenha sempre feito política num mundo de homens, a um nível em poucas mulheres vingam.

Em todo o caso, poderia ter dado ligeiro gas a uma campanha orientada para o facto de ser mulher, mas nem pensar.

Fez bem em não ter entrado por aí.

Paulo Colaço disse...

Diogo, não sei se vai influenciar mas gostaria que sim.
Acredito mais na força do exemplo que na imperatividade da lei.

Mulheres a chegar longe na política poderão incentivar outras.

E isto é melhor que uma lei de quotas, que um grupelho de mulheres social democratas, que listas de mulheres só de mulheres que recebem subscrições só por gozo e nem se apercebem que são chacota.

Karocha disse...

Verdade e trunfo, desde que bem utilizado e não me parece que a Manuela Ferreira Leite o esteja a fazer!
A não ser que ela seja uma grande jogadora de canasta e já tenha o monte travado com a canasta de mão sossegada e esteja a piar o que duvido!
Será que ela sabe cartear?

Paulo Colaço disse...

Karocha, é oficial: perdi-me com o seu comentário.

Proponho que nos elucide com um glossário de canasta.
E não estou a brincar.

Karocha disse...

Paulo você está a pedir-me para eu o ensinar a jogar canasta?
Obriga a umas noitadas durante uns mezinhos!:-(
Mas tbém eu vou escrever um pequenino glossário e depois explico! ;-)

Paulo Colaço disse...

Bom, remeto a ideia da canasta ao JFD, o Coordenador Cultural do Psico.
Jorge, quando estiveres com o tempo normalizado, pensa no assunto.

Paulo Colaço disse...

Entretanto, Karocha, que venha o glossário.
;)

(sempre quis aprender a jogar canasta e vou explicar o motivo.
Era eu muito mais novo quando, num debate da RTP, a entrevistadora pergunta a um toxicodependente qual o motivo da segregação social dos doentes de SIDA.
O moço responde: "está a gozar comigo? Não se apanha SIDA a jogar canasta!")

E ficou-me o gosto por esse jogo que, supostamente, imuniza os seus praticantes.

Nélson Faria disse...

É óbvio que não pensar 24h por dia em política é uma vantagem.

Para todos os que têm interesse para lá da política, mais que vantagem, é um alívio.

Acho que a frase é mais uma dica para a humanização da imagem de MFL.

Gosto.

Nélson Faria disse...

Excerto do DE:

Espera não ter sido por ser mulher que venceu o partido, mas aproveita a condição para marcar a diferença na forma de fazer
política. E foi isto mesmo que Manuela Ferreira Leite fez na semana passada, quando o Governo passava por um dos piores
momentos do seu tempo de mandato e dela não se ouviu uma palavra. Em Londres, com o neto recém-nascido, comandou o
maior partido da oposição por telemóvel.

A frase de Ferreira Leite, também ontem no programa da Renascença, respondia à escassa presença de mulheres em cargos de
topo na vida política. Mas a nova líder do PSD espera “não ter sido eleita por ser mulher”, ao mesmo tempo que vai criticando o
sistema político nesta matéria. “Fazem-se discursos lindíssimos sobre lugares para as mulheres, mas entende-se que devem agir
como os homens, que estão na política 24 horas sobre 24 horas a pensar sobre política”, argumenta. Para Ferreira Leite existem
“formas diferentes de fazer política” entre homens e mulheres o que “ao não ser aceite, leva a que muitas mulheres se afastem”
dessa vida.

Paulo Colaço disse...

Né, obrigado pela ajuda.
Era mesmo isso que eu queria linkar mas depois distraí-me com trabalho.

Guilherme Diaz-Bérrio disse...

Onde é que isto já vai, meu deus LOL

MFL com canasta de mão e monte travado a piar? duvido muito LOL

Colaço: Canasta ganha-se fazendo as ditas - combinações de 7 cartas iguais ou alguns duques à mistura - logo uma "canasta de mão" vale imenso... o monte é uma forma de "financiar" a dita, logo se tiveres o monte "travado" - i.e. ninguém o apanha - com uma canasta de mão tens o jogo razoavelmente controlado ;)

Não acho que seja o caso aqui:

Acho que ela - MFL - está a colmatar aquilo que é sem dúvida a sua maior 'falha': a sua imagem de "cubo de gelo". Em vez de se mostrar como a "dura" ministra das finanças/presidente do PSD, tenta mostrar-se como "mulher que não pensa 24 horas sobre politica", o que logo implica que tem um visão abrangente da sociedade... se resulta ou não é outra questão ;)

Karocha disse...

Ah É e vossa senhoria não tem EXAME?
DUQUES quais o de York ou o de kent :-(
Bestinhos, bestoões,bouquets,TERNOS pretos,e,trunfinhos na manga!
Canasta joga-se a parceiros, e as falas e se o parceiro tiver a dar o nosso jogo ao adversário o que fazemos vossa senhoria? e se o parceiro estiver a piar o que fazemos vossa senhoria,e se a fizermos de mão e o parceiro continuar calado o que fazemos vossa senhoria? Já não se lembra?!...

Karocha disse...

"Em Londres com o neto recém nascido, comandou o maior partido da oposição de telemóvel"
Porquê Nélson?
A filha não pode?
O genro não pode?
É a única avó?

Pró Paulo
Em canasta a isto chama-se piar e bater as asas!...

Nélson Faria disse...

É óbvio que não era essencial a Manela estar com o neto em Londres.

Mas se ela estava em Londres quando a crise rebenta, será que era essencial para o País que ela voltasse a correr para fazer uma declaração?

Ou que fizesse uns directos de Londres para Portugal?

O que iria MFL acrescentar? Alguém se lembraria do que ela tinha para dizer? E tinha o PSD razões de monta para discordar do Governo?

É daquelas situações que eu, impulsivo como sou, falaria contra o papel do Governo. Mas penso, a posteriori, que foi mais sensato guardar as nossas palavras para quando não haja tanto ruído.

É gestão de mensagem ;)

E, para quem no meio ruído quis ouvir, implanta a imagem da importância da família na sua vida. Duvido que alguém se lembre, mas é daquelas mensagens que vão ficando.

jfd disse...

LOllololoLLOLOLOlololOLOOOlollOLOl
AHahahahahahahaahahahahaHHahHAHAHAH

Nélson Faria disse...

E vais refutar os argumentos com argumentação... ou vais continuar a rir num cantinho?

Sabes que eu, o fanfarrão, gosto sempre de ver a opinião dos outros ;)

xana disse...

Eu associo-me ao Jorge e aqui vai um:

ahahahahahahah

Nélson Faria disse...

E eu, coerente e aborrecido e chato como sempre, que gosto de discutir e argumentar e contra-argumentar, volto a dizer: e conseguem rebater?

É que isto de rir e mandar umas bocas é fácil... agora cabe-vos desmontar a ideia. Ou não eheheheheheh

polvo disse...

Né, eu não lhe chamaria gest~~ao de mensagem... Pelo contrário gestão da falta dela, uma vez que o PSD não a teve...

Também não pude conter o riso... A estratégia de virar questões ao contrário...

Da mesma forma que desta vez não se transmitiu mensagem alguma temo que o silêncio seja a tónica... E que sejam as patacoadas do Pacheco Pereira a marcar a actividade política do Partido...

Ao contrário do que dizes as pessoas vão lembrar-se que no meio de uma crise de contornos graves o PSD disse meia dúzia de generalidades através de alguém que ninguém conhece.. Se não se lembrarem aqueles que deram a cara pela luta tratarão de recordá-los. Esquerda a capitalizar outra vez...

jfd disse...

E pronto, melhor respondido com a seriedade do Polvo que com a minha paixão.

A bola está do teu lado Né.

jfd disse...

Só para bater no ceguinho:

E, para quem no meio ruído quis ouvir, implanta a imagem da importância da família na sua vida. Duvido que alguém se lembre, mas é daquelas mensagens que vão ficando.


ahahahahahahahaha
hihhihihihihihihhiiihh
LOLOLOLolOOOLO

Nélson Faria disse...

O que tinha o PSD de dizer que marcasse a diferença com o PS?

Só devemos falar quando temos graves divergências com a política do governo, e penso que todos sabemos que, ainda que legítima, a contestação foi desproporcionada.

As pessoas não votam por favorecimento, votam por oposição. E, realço, que ainda que pessoalmente me custe, esta é a estratégia mais acertada.

Mais calculista e mais acertada.

xana disse...

A maior virtude que podemos ter é não queremos acrescentar nada quando alguém já disse tudo. Não poderia acrescentar nada ao que o polvo disse.

Eu aprecio a seriedade. Não me parece sério argumentar com a família quando se falhou. Claramente.

Tapa-se de uma lado, destapa-se do outro...

Nélson Faria disse...

Facto: MFL estava em Londres.

Xana,

No teu entendimento, ela devia fazer um directo de Londres ou vir a correr para Portugal para falar?

Guilherme Diaz-Bérrio disse...

E mais importante que vir a correr para falar, dizer o quê?

Que o Governo devia baixar o ISP e ser depois acusada (justamente) de demagogia barata em tempo de crise ou defender que o Governo devia era ter "carregado" sobre os manifestantes e ser depois acusada - externa e internamente - de "pulso de ferro a mais" e laivos "ditactoriais cavaquistas"?

Confesso que tal como o Né eu viria a correr falar mas agora à distancia - e tendo em conta que não temos [ninguem tem] uma solução para o problema - esta se calhar foi a melhor opção!

E por favor, fazer oposição não é ser "contra" tudo o que o Governo diz e "aparecer na rua sempre que uma fabrica fecha"...

Nélson Faria disse...

Touché

Eu queria fazer um xeque em 3 ou 4 jogadas, mas o Guilherme preferiu ir directo ao assunto... lol

PVF disse...

Caro Nélson e restantes defensores da tese por ele defendida:

O problema é mesmo o de O PSD na pior semana do Governo ter estado calado. E porquê? Porque a líder estava fora a acompanhar a primeira semana do seu neto ( não tenho conhecimento que algo tenha corrido mal com o seu nascimento). Mas Não Só! O Nélson avança com outra questão: "o que o PSD iria dizer de diferente do PS?" eu podia acrescentar: - o que o PSD iria fazer de diferente?

Mas o que mais me interessa é o que tem o PSD para oferecer de diferente. Com alguém disse, penso que terá sido o MRS, este movimento dos Camionistas teve o silêncio da Esquerda. E isto foi significativo. Ali estava maioritariamente o eleitor PSD ou aquele flutuante do centrão. Aqueles que nós nos orgulhamos de defender: gente empreendedora, pequenas e micro empresas, etc.

E nós PSD não tivemos nada para lhes "oferecer" de perspectiva de futuro.

É indiferente para mim ser mulher ou homem o líder do partido, porque o que se espera dele é que o seu compromisso com o país seja prioritário.

Ou alguém conhece regras diferentes para quem aceita ser líder de um país com sentido de Estado?

Aproveitando o jogo da Canasta: Não há a possibilidade de baralhar e dar de novo, para que a nossa futura PM possa ter novas cartas?

Abraço

Nélson Faria disse...

Paulo,

então diz lá: o que pode o PSD dizer de diferente em relação à greve? Realmente diferente, e não simplesmente abrir a boca. Porque isso de falar por falar sabemos que não funciona.

E como lidavas com o facto de a líder estar em Londres? Ela falava de lá ou viajava de emergência para cá?

Karocha disse...

Não, não há!
E tem que ter 1000 de diferença senão fica papillon e pode demorar horas, ou mesmo dias!...

António Pessoa disse...

Eu acho que é um trunfo. Tal como os homens não pensam em mulheres 24horas por dia.

xana disse...

Na minha opinião, directos de LOndres seria ainda pior.

O país estava (estava... boa piada...) em crise e não acho normal que todos tem actuado como se nada se passasse! O que o país e os militantes do PSD precisavam era de saber o que a sua líder pensava disto!

Nem que fosse para dizer que concordava com a posição do Governo! Seria mau sinal, ainda assim...

Se acharam normal o que se passou naquela semana, se acharam normal o vazio político,então tudo bem...

Karocha disse...

Podia ter falado de Londres,embora eu ache que deveria ter vindo imediatamente e deixava a "baba" a tomar conta do neto.
Presumo, que nem eu, nem ninguém,quer uma avó a governar Portugal!
A ultima avó que governou e com pulso de ferro,fê-lo, porque o marido não o conseguia,não abandonou o Pais e ficou conhecida p'la "Mulher mais perigosa da Europa"

Nélson Faria disse...

Ok, directo de Londres era pior.

E MFL vir a correr para Lx para nada dizer?

Honestamente: o que pode o PSD dizer, de forma séria e marcante, contra o Governo nesta crise?

Dizer e que marque, que fique, que as pessoas se lembrem. É que falar por falar só desgasta e corrói a imagem.

Nélson Faria disse...

A karocha, ao contrário da Xana, acha que ela poderia falar de Londres.

Downside: mostra que não se preocupa, que fica onde está mas não deixa de ser oportunista. Acho que não funcionaria.

Se viesse a correr para Portugal dava, mais uma vez, ar de oportunismo político.

Mas admitamos que vinha: o que diria o PSD de diferente do PS nesta matéria, no meio desta crise?

Karocha disse...

Policia na rua,Ordem Pública?
Obrigar o Presidente da República a falar a quem o elegeu?
Mostrar que é mesmo uma "Dama de ferro"?
E o M.A.I. no Brasil a banhos?
E M.F.L. em Londres a dar biberons?
Quanto a mim e quem sou eu,uma excelente oportunidade perdida!...
Mais, a greve, como todos sabem era ilegal.

polvo disse...

Eu não acho que devesse falar de Londres. Dá imagem de um partido governado à distância, sem rei nem roque...

Disseram bem. "O que diria o PSD de diferente?"

1 - Se não temos nada de diferente para oferecer apaguemos o "D" da sigla do nosso partido.

2 - A lógica do Bloco Central começa a imperar.

3 - Apelar à calma e a restauração da normalidade é importante. Muitos portugueses viram-se privados de produtos essenciais e de combustível.

4 - Reconhecer a gravidade do problema sendo uma generalidade também é importante.

5 - O PSD pode ainda promover medidas que permitam uma maior eficiência energética.

6 - Defender a redução do IVA (não só sobre o ISP) que terá um efeito directo nos preços.

7 - Exigir regras mais claras à GALP (empresa participada pelo Estado) no que toca ao seu fluxo económico também pode ser uma saída uma vez que a GALP controla desde a refinaria à distribuição.

Enfim. Não sou um especialista na matéria mas de certeza que na "entourage" da Dra. Manuela Ferreira Leite haverá pessoas com ideias para procurar inverter este ciclo lesivo para as famílias, os trabalhadores, os empresários...

Diogo Agostinho disse...

De facto, a estratégia neste caso dá que pensar.

Gosto muito do estilo de Manuela Ferreira Leite quando é forte, quando ataca este Governo. Quando diz que Sócrates mente.

Estas semanas ainda não ouvimos nada. Contínuo à espera. Mas também, para quem já criticou tanto a vida intima de outras pessoas por serem tema de conversa, não percebo como deixam escapar que se vai para Londres ver o neto. Não me parece útil. Porém, estou à espera ainda da Dra. Manuela Ferreira Leite e que diga ao que veio e que nos galvanize.

Nélson Faria disse...

Ora ai está Polvo... e o que fez o PS? lol

Descubram as diferenças entre a sugestão do Polvo e o acordo que o PS fez com os camionistas:

5 - incentivos à modernização da frota;

6 - a redução dos valores das portagens durante o período nocturno, que será suportada pelas concessionárias; a majoração em 20% dos custos com os combustíveis comprados em Portugal, para efeitos de cálculo do IRC. [o IVA já baixa de 20% para 21% agora em Julho, e nem agora eu acho que devia baixar]

7 - deixo a questão GALP para outra medida do governo: a actualização dos contratos de transporte, em função da evolução dos preços dos combustíveis. [sente-se imediatamente no bolso, enquanto a questão GALP é estrutural, demorava mais tempo]

Se a única coisa que podemos dizer é concordar com o Governo, mais vale aproveitar enquanto MFL está em Londres para emitir um comunicado ;)

Nélson Faria disse...

Karocha,

o erro estratégico na sua abordagem é que iria reforçar aquilo que MFL não quer que digam dela (e será essa a grande luta): a MFL dura e implacável.

Ela agora quer ser a MFL humanista ;)

PVF disse...

Pois... Este teu último post diz tudo. Estaremos a constatar que de facto elegemos alguém que não vai dizer nada de substancialmente diferente do governo? E essa foi e é a minha preocupação.

Cronologia:
As eleições internas foram a 31 de Maio.

Esta crise era previsível (como já disse noutros posts) há algum tempo. Mas era previsível para o Governo mas também para o PSD.

Teve o seu início a 8 - 9 de Junho. Uma semana depois!

E reparem os camionistas são apenas um dos sectores que tomaram posição. Já tivemos ( e ainda temos) os pescadores, e ainda podemos ter os agricultores e os Taxistas.

O PSD não podia parar até este fim-de-semana que se aproxima.

O que ela podia dizer? Olha, eu podia dar algumas ideias de Gestão Comunicação em Situação de Crise, mas como estamos numa dimensão política ela, a meu ver, requer alguma estratégia que não aponta para o imediato.

Por exemplo :

- criticar a incapacidade do governo em prever os acontecimentos.

- Defender a força da iniciativa privada, destas pequenas e micro empresas, como motor de desenvolvimento e por isso o dever do estado em criar políticas económicas e financeiras que as apoiem para não agravar a situação económica do país.

- Tomar a iniciativa de solicitar aos Transportadores uma trégua de cariz social para que se criassem e corredores para a passagem de transporte de produtos estratégicos para a população e o Estado.

- Atacar a esquerda pelo seu silêncio por esta luta, colando-os apenas às lutas de interesses políticos e não às verdadeiras lutas pelo direito a produzir trabalho, riqueza e emprego.

- Pressionar o governo a arranjar as soluções ( o PSD não tem que disser quais porque isso é da responsabilidade política do Governo).

Entendes Nelson? Era marcar a agenda.

Podíamos fazer mais? Com MFL não. Ela não deu muita margem durante a campanha interna. Agora vamos ter que gerir isso para que ela se mantenha no seu registo.

Agora não podemos é encalhar no "o que podemos nós dizer de diferente do PS?"

Sim ela podia ter vindo de Londres. Mas preferencialmente deveria ter falado de Londres. Reforçava a sua imagem de mulher, mãe, avó..mas acima de tudo de Líder Política que quer ser Primeira-Ministra.

Vamos imaginar que ela tinha ido por outra razão para outro país? Ela não é o PR que quando sai para fora evita falar sobre assuntos internos.

Espero ter sido compreensível na minha explicação.

Abraço

PVF disse...

Puxa ...adoro este blogue!!!
Nelson "o teu último post" já não é nem o penúltimo ..lol lol lol..
Olha foi um dos que escreveste!!

PVF disse...

Puxa ...adoro este blogue!!!
Nelson "o teu último post" já não é nem o penúltimo ..lol lol lol..
Olha foi um dos que escreveste!!

polvo disse...

Ok Nélson!

Bastava que o tivessemos dito primeiro.

A crise foi longa.

Dava tempo mais que suficiente.

E marcávamos a agenda.

Obrigávamos o governo a ir a reboque.

Melhor assim que não temos nada de diferente para dizer.

Eu cá não sou de Blocos Centrais!!

Karocha disse...

Nélson humanista sou eu, ela tem de ser implacável,se não isto não vai a lado nenhum!

Nélson Faria disse...

1 - Ser diferente do Governo não é sinónimo de ser melhor.

2 - Numa sala em que todos estão aos berros, de que maneira é que a tua voz é ouvida sem contribuir para a cacofonia? Ou tens um bom timbre de voz (lol) ou tens autoridade para o fazer.

E ao líder da oposição não lhe é reconhecida essa autoridade. Acima do Governo, só ao PR.

3 - Só uma das tuas sugestões, para mim, é que passa: a da trégua social. Todas as outras seriam completamente abafadas pelo ciclo noticioso.

Esse era um bom ponto. Fazer o papel que eu defendi que o PR deveria ter feito.

Mas aí havia um grave problema: não estaríamos nós a ajudar o PS?

Paulo, não temos propostas para esta crise diferentes das do PS. Só se vier o PPC com a descida do ISP e essa, espero, que os seus apoiantes já se tenham apercebido que não é boa política.

E seria inócua para com a dimensão da crise.

Nélson Faria disse...

[o anterior comentário era resposta ao PVF

Polvo,

se o fizéssemos primeiro marcávamos pontos. Mas, honestamente, aquilo resolve alguma crise? O acordo com os camionistas simplesmente cala-lhes a boca. (evidência do Guilherme ontem à noite na secção B)

Não há ainda políticas para esta crise... e isso é muito preocupante.

Karocha,

well said, ainda que não concorde ;)

PVF disse...

Algo de negro se aproxima....



http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=12&id_news=337248

xana disse...

Né, desde que tornaste apoiante de MFL nem pareces tu!

Mais clarividência!Tenho-te como alguém com argumentos mais fortes.

Ela esteve mal, não disse nada. E já agora, lanço de novo o repto que lancei no próprio dia e que só recebeu silêncio da vossa parte ( entenda-se bloggers): o que dizer de Mota Amaral na AR? Num dia em que o Governo ia ser questionado acerca da crise, temos um discurso conivente, confuso que me chegou a indignar!

E de facto a crise não terminou, o PSD vai falar quando? Depois de domingo não é... ai o timming!

jfd disse...

(...)
o erro estratégico na sua abordagem é que iria reforçar aquilo que MFL não quer que digam dela (e será essa a grande luta): a MFL dura e implacável.

Ela agora quer ser a MFL humanista ;)


Estou tão cansado que nem consigo rir...

E tu Nelson deves estar tão cansado de tentar ser aquilo que nem estou a perceber que estas a tentar ser...
Estás bem???

Nélson Faria disse...

Xana,

os argumentos são fortes ou fracos conforme a capacidade do interlocutor. Se os conseguirem desmontar são fracos, se não conseguirem...

Pela tua perspectiva responderia: esperava de ti alguém com mais capacidade de análise e que fosse além do ela tinha de falar, dissesse o que quer que fosse :)

Jorge,

o smiley da frase que citaste dava a indicação correcta: tava a brincar, meu tolinho lol

jfd disse...

;)))