terça-feira, abril 15, 2008

Il Cavaliere de regresso



Berlusconi venceu as eleições legislativas!

Está de volta o Primeiro-Ministro que durou mais tempo desde a 2ª Guerra Mundial!

Como se percebe, em política não há mortes anunciadas...um exemplo para o Mundo! e Portugal!!!

20 comentários:

jfd disse...

;) Há pouco ouvia um italiano a falar na Euronews, dizendo que havia depositado a sua confiança neste senhor. Lembrei-me de Santana, lembrei-me de ti;)

Realmente na Europa temos um pouco de aversão e somos um pouco snobs no que toca ao carisma.
Os italianos lá sabem no que se meteram. Só posso desejar que lhes corra bem ;)

Nélson Faria disse...

Diogo, o teu entusiasmo só tem paralelo com as palavras do nosso Pedro Santana Lopes

(...)

Berlusconni ganhou!Berlusconni venceu! Como explicar? Será que o Povo de Itália não recebe a RTP e a SIC Internacionais? Verdade seja dita que alguns dos nossos comentadores não são os únicos membros desse grupo do politicamente correcto...Ele há mais como eles.
Ganhou mais um populista, demagogo, direitista...Como será possível? Não existirão lá comentadores esclarecidos?
Aqui há um ano, ou menos, em Itália, e sobre Itália, dizia- se que não havia alternativa de direita. Pois lá está, outra vez. Como devem ficar confusos.
Acima de tudo, há que felicitar Silvio Berlusconni pela sua enorme capacidade de resistir, de acreditar, de ultrapassar obstáculos, de lutar, de ressurgir das derrotas, de vencer os seus adversários, de calar tanto detractor. Merece, e merece a Itália antes do mais, que esta governação tenha sucesso.

jfd disse...

LOL
É assim tão obvio que Dioggini di Agostinni votaria Berlusconni ?
;)

Forza Italia!

Paulo Colaço disse...

Também eu estou radiante.
Gosto do homem!
E tem, sobretudo, uma qualidade que faz falta à política governativa italiana: ele decide!

Filipe de Arede Nunes disse...

Bem...
Nem sei como comentar a vitória de Berlusconni! Depois de tantos escandalos, depois das frases explosiva, depois dos processos judiciais, leis feitas à medida...
Sei lá... Há coisas do Diabo!
Cumprimentos,
Filipe de Arede Nunes

Paulo Colaço disse...

Não é apenas do Diabo, caro Filipe.
São também coisas da democracia...

Em Portugal elegemos algumas personagens sob o lema muito ouvido no Brasil "rouba mas faz".
Claro que todos são inocentes até prova em contrário mas no malfadado julgamento popular certas personagens estão mais que chumbadas. Isso quer dizer que percam eleições?

Cá provámos que não.

Mais que isso: Berlusca diz mais aos italianos que o tanso do Prodi...

Nélson Faria disse...

Gosto da personagem, desprezo o seu comportamento. Prefiro sempre um homem de direita à esquerda, mas os protagonistas italianos...

Olhar para a Itália faz-me pensar que a política portuguesa tem elevação ;)

P.S. Mesmo assim, a Itália é um país do G7.

Filipe de Arede Nunes disse...

Citei os processos judiciais, mas queria referir-me com mais enfase à forma como se refere aos adversários e ao seu linguajar!
Em Portugal temos casos semelhantes a este, mas nenhum deles chegou, ainda, a Primeiro Ministro - por muitos defeitos que o Socas tenha!
Cumprimentos,
Filipe de Arede Nunes

Nélson Faria disse...

http://www.iht.com/articles/2008/04/14/europe/14italy-sub.php?WT.mc_id=newsalert

Notícia curta do International Herald Tribune em que saliento o que para mim é o principal feito destas eleições:

(...)the number of parties in the Parliament's lower house, the Chamber of Deputies, would drop from 26 to just 6. On both the left and right, experts said - and in some cases lamented - the election showed a shift toward a more American- or British-style system of two dominant parties.

Paulo Colaço disse...

Creio que essa será, eventualmente, um avanço para a maturidade da democracia italiana.
Não sou amigo dos sistemas de dois partidos mas 26 é um abuso.
Pode levar à impraticabilidade da democracia.

Relembro que a primeira vitória absoluta em legislativas no nosso Ppaís deveu-se, em grande medida, á instabilidade que se vivera até aí.

Berlusca obteve absoluta e tem também um parlamento com menos "babel". Foi um dois em um.

Diogo Agostinho disse...

Aquele que para mim é o melhor comentador de Portugal disse isto:

Sílvio Berlusconi obteve um resultado que ninguém esperaria há dois ou três anos atrás, nem mesmo há um mês ou 15 dias: a maioria absoluta para governar a Itália. E conseguiu essa proeza – porque em Itália é uma proeza – com três pontos essenciais de um programa de Governo.

1. Reduzir os Impostos e acabar com o «terror fiscal» do Governo de Prodi, que deixou os italianos à beira de um colapso, o que curiosamente tem todas as semelhanças com Portugal.

2. Reduzir do défice em cinco anos. Tal como em Portugal, embora com resultados menos visíveis, Prodi quis equilibrar o défice público à custa apenas dos contribuintes, e isso teve a consequência que ontem se viu nos resultados eleitorais. Ninguém suporta um «ataque fiscal maciço».

3. Devolver ao Estado a sua autoridade, em todas as áreas, particularmente em termos de segurança interna.

Apesar de «morto e enterrado», afinal Berlusconi ganhou uma maioria absoluta com três mensagens simples. É difícil?


Palavra de Luís Delgado

Luís Nogueira disse...

Apesar do que diz o Luis Delgado, sempre parcial em alguns dos seus pontos de vista, pessoalmente estou muito contente com o regresso de Berlusconi...

Margarida Balseiro Lopes disse...

"Como se percebe, em política não há mortes anunciadas...um exemplo para o Mundo! e Portugal!!!"


Quando li este último parágrafo do Diogo, ocorreu-me imediatamente o nome de Santana. E eis que o Né transcreve:

"Acima de tudo, há que felicitar Silvio Berlusconni pela sua enorme capacidade de resistir, de acreditar, de ultrapassar obstáculos, de lutar, de ressurgir das derrotas, de vencer os seus adversários, de calar tanto detractor."

Sublime!

Diogo Agostinho disse...

Agradeço a conotação que fizeram:)

Porém esta notícia também me deu esperançade acreditar que Portugal irá corrigir alguns erros que tomou! E não falo de Guterres!!!!

Esta vitória vem demonstrar que em política não há mortes! há momentos em que se está ausente!
Há momentos em que se perde e aceitar a derrota e continuar a acreditar que se tem um rumo às vezes tem recompensa!

José Pedro Salgado disse...

Há uma coisa que gosto muito em Berlusconni. O politicamente incorrecto. Ao contrário do que diz o Nélson (ou apesar disso, melhor dizendo) um político que se comporta como ele e ainda é eleito traz-me uma fagulha de esperança que a era dos políticos de plástico não dure.

jfd disse...

Boas perspectivas estas duas últimas.
Principalmente a do signori Salgatti...

Nélson Faria disse...

Agora um comentário mais sério:

Há que ver a diferença entre Berlusconi e Santana: Berlusconi saiu no final do seu mandato enquanto Santana foi apeado; Berlusconi ganhou o Senado e perdeu a Câmara, ficando a escassas décimas de Prodi enquanto Santana foi cilindrado por Sócrates concedendo a primeira maioria absoluta ao PS; Berlusconi ficou conhecido por chefiar o governo mais estável de Itália enquanto Santana ficou marcado por um governo cuja coisa mais parecida foram os governos provisórios do PREC.

Eu gosto de Santana e acho que ele fez um tremendo trabalho em Lisboa. E até acredito que ele pudesse ser um bom PM... mas, tirando o facto de ter andado por aí ao contrário da maioria dos líderes portugueses, não é um Berlusconi.

P.S. Até porque tem mais classe que Berlusconi. O estilo populista de Berlusconi apenas tem paralelo com Alberto João Jardim.

Paulo Colaço disse...

Boa análise esta, Né:

"Há que ver a diferença entre Berlusconi e Santana: Berlusconi saiu no final do seu mandato enquanto Santana foi apeado; Berlusconi ganhou o Senado e perdeu a Câmara, ficando a escassas décimas de Prodi enquanto Santana foi cilindrado por Sócrates concedendo a primeira maioria absoluta ao PS; Berlusconi ficou conhecido por chefiar o governo mais estável de Itália enquanto Santana ficou marcado por um governo cuja coisa mais parecida foram os governos provisórios do PREC"

Muito lúcida e oportuna.
O grande problema de pessoas com o Santana e de Menezes é que não têm amigos a sério quem lhes digam estas coisas.

Quando as ouvem vêm da boca de adversários, o que lhes provoca uma urticária impeditiva de uma reflexão intelectualmente honesta.

Há líderes que, pela sua personalidade, incentivam comentários lúcidos dos seus colaboradores. Outros inspiram medo/subserviência/bajulação!

Por isso não percebem nada do que se passa à volta!

Nélson Faria disse...

De bradar aos céus! Sabem que filme passa hoje na RTP: O Caimão. Um filme de ataque a Berlusconi.

Pode ser mania da perseguição, mas como não acredito em coincidências... esta esquerdalha :(

Paulo Colaço disse...

Ora eu ia mesmo recomendar uma visita à RTP (o canal, não o edifício) para verem o dito filme.
Passa às 01.10H

Mal sabia o Moreti que, pouco tempo volvido, o "caimão" passaria a crocodilo!