sexta-feira, abril 04, 2008

I've been to the mountain top...

and I've seen the Promise Land.

Faz hoje 40 anos que Martin Luther King foi assassinado. O video que vos convido a ver é o final do seu discurso na véspera do seu assassinato.

I'm happy tongiht I'm not worried about anything, I'm not fearing any man... my eyes have seen the glory of the Promise Land.

14 comentários:

EM disse...

...seen the glory of the coming of the Lord.

Obrigado por postares. Para mim, os "ensinamentos" dele são uma inspiração.

Paulo Colaço disse...

Ontem estive quase a empreender a postagem daquele que é, para mim, o melhor discurso de MLT. Foi um dia tramado e não consegui.

Felizmente, no Psico, as (boas) ideias não se perdem.

Grande malha, Né.

Aqui fica o link do "I have a Dream".

Inspirem-se.

http://www.publico.clix.pt/videos/?v=20080404133618&z=1

Anónimo disse...

Obama é a continuação.

Anónimo disse...

Oxala que Obama consiga continuar o sonho.
Estou deveras curioso, após ter tido conhecimento de estudo recente que aponta que os brancos nos EUA em cerca de duas decadas serão uma minoria.

Saudações Riomaiorenses

José Pedro Salgado disse...

Muito fez por muitos em muito lado.

Nunca pude deixar de pensar o que acharia ele do mundo de hoje caso ainda fosse vivo.

Nélson Faria disse...

Eu gosto de acreditar que MLK Jr., se hoje fosse vivo, não deixaria de valorizar o grande trabalho que se fez (ainda que inacabado).

O melhor discurso dele, para mim, é o I've been to the mountain top (na sua versão integral).

Veremos se Obama conseguer fazer a (r)evolução, se será o grande catalisador da mudança indolor.

Paulo Colaço disse...

Né, entre um e outro, acho que há mais mensagem no I have a dream e mais teatralização no I've been.

Lanço, entretanto, uma pergunta: terá o assassinato sido o catalizador das mudanças e da consciencialização que se seguiu?

A "martirização" da figura de MLK foram essenciais para apressar a mudança? Dar-se-ia ela tão "rápido" com MLK vivo?

O que estou a perguntar é o seguinte: é (sempre) preciso uma tragédia para as mudanças acontecerem?

Nélson Faria disse...

A dor é a grande precursora da mudança, mas nem todas as mudanças precisam de dor.

A luta pelos direitos civis na América não estaria no ponto em que está sem as mortes de MLK, JFK, Bob Kennedy ou Malcolm X... é, para mim, ponto assente. Mas foi dos que ficaram e permaneceram na sombra lutando pela sua herança que se consagraram as grandes conquistas dos movimentos cívicos.

Até o Vietname e as suas vítimas foram importantes na afirmação destas conquistas.

Paulo Colaço disse...

100% com o teu comentário, Né.

jfd disse...

Ó Nelson concordo também com o teu comentário! E fico pasmado com essa tua visão.
E desculpa lá bater no ceguinho; Pasmado porque, como podes ter tu uma visão tão certa e até certo ponto sensível, da história desse país, e ao mesmo tempo considerares que os 8 anos de Bush fizeram dele um grande Presidente? O que fez ele comparável com os feitos anteriores desse país?
Não precisas responder, eu aguardarei pelo post quanto os EUA tiverem novo Presidente. Mas não podia deixar de partilhar contigo o que me passou pla mente ao ler o teu comentário.

Nélson Faria disse...

Eu não lhe chamo um GRANDE presidente mas um BOM presidente dos EUA.

É diferente ;)

jfd disse...

Ok :)
Lapso meu ;)

Em todo o caso a história fará o favor de me provar a razão...
Ou talvez nem seja preciso esperar tanto ;))))

President Bush often argues that history will vindicate him. So he can't be pleased with an informal survey of 109 professional historians conducted by the History News Network. It found that 98 percent of them believe that Bush's presidency has been a failure, while only about 2 percent see it as a success.(...)

A conversa toda em http://www.usnews.com/articles/news/politics/2008/04/11/the-first-draft-of-history-looks-a-bit-rough-on-bush.html

hihhihihihihih ;)

Paulo Colaço disse...

Tem piada!

jfd disse...

;)))