sexta-feira, fevereiro 08, 2008

Simplex ou Complex?


O Governo anunciou hoje no CCB, com toda a pompa e circunstância o pacote de medidas que compõem o Simplex para 2008, fazendo também o balanço do que foi este programa no ano que acabou.

Balcão casa pronta, Cartão do Cidadão, Portal do Cidadão, Balcão "Perdi a carteira", Segurança Social Directa, Empresa na Hora, Informação Empresarial simplificada, Registo de patente online e Declaração de exportação através da Internet são alguns dos novos serviços que o Executivo pretende implementar neste novo ano com o objectivo de desburocratizar a Administração Pública e facilitar a vida ao cidadão.

O propósito é nobre. Segundo o Primeiro Ministro, após 30 anos de Governos a anunciarem a desburocratização, finalmente este objectivo está a ser cumprido.

Quanto mais simples, melhor? Ou será toda uma outra história? Este programa será efectivamente uma melhoria para a vida colectiva ou é uma manobra de propaganda genialmente orquestrada?

5 comentários:

Paulo Colaço disse...

Identificar alguns funcionários competentes da administraçao pública, mobilizá-los para serviços funcionais, oferecer às pessoas a "facilidade rápida", é sempre boa política.

Nélson Faria disse...

Desburocratização é, para mim, muito diferente da criação de front-desks.

O primeiro a confrontar-me com esta dura realidade foi António Mexia, numa dura análise sobre os méritos da "Loja do Cidadão".

Os mesmos serviços com saltos processuais não é desburocratizar... é lavar a cara.

O meu preferido é o "Perdi a Carteira". Devia-se juntar o útil ao desagradável e abrir um balcão destes em todas as repartições de finanças: depois de se pagar os impostos é essa a sensação que se tem.

José Pedro Salgado disse...

A política em teoria terá um bom fundo.

Mas qualquer pessoa que tenha pedido o selo do carro pelo simplex sabe que a máquina ainda precisa de muito óleo.

José Baptista disse...

Gostei do teu post Inês!

Quanto a se é tudo bom...nem tudo bom nem tudo mau!
Há coisas boas mas tb há mt más...

Balcões: Tanga total! Põem-se uns Front-desk de camisa branca e gravata prateada, de tenra idade, com capacidade para ouvir amarguras dos cidadãos e pluf, eis mais um balcão que até se podia chamar "psiquiátrico-perdi a carteira - apoio de front-desk em momentos de aflição"
Pedidos na Internet: Como diz o Zé, tem que ser oleados, toda a máquina no início está penra, naturalíssimo, não fosse uma obra em cima do joelho!

Casa simples, divórcio na hora, casamento na hora, etc. e tal e outras variantes: um fiasco desde o início que tem captado clientes à custa de dois factores: negociações acérrimas do secretário de estado Tiago Silveira com as cúpulas dos Bancos, vendendo-lhes o produto com um embrulho mais favorável e, em segundo lugar, pela passagem ao consumidor de que os serviços são melhores, tal como os preços, o que se revelou numa completa farsa...já descoberta mas ainda em uso, até o consumidor perceber que por um acto lhe estão a levar mais 300 euros em média, em alguns casos!

Simplex? creio que complicadex!

José Baptista disse...

Gostei do teu post Inês!

Quanto a se é tudo bom...nem tudo bom nem tudo mau!
Há coisas boas mas tb há mt más...

Balcões: Tanga total! Põem-se uns Front-desk de camisa branca e gravata prateada, de tenra idade, com capacidade para ouvir amarguras dos cidadãos e pluf, eis mais um balcão que até se podia chamar "psiquiátrico-perdi a carteira - apoio de front-desk em momentos de aflição"
Pedidos na Internet: Como diz o Zé, tem que ser oleados, toda a máquina no início está penra, naturalíssimo, não fosse uma obra em cima do joelho!

Casa simples, divórcio na hora, casamento na hora, etc. e tal e outras variantes: um fiasco desde o início que tem captado clientes à custa de dois factores: negociações acérrimas do secretário de estado Tiago Silveira com as cúpulas dos Bancos, vendendo-lhes o produto com um embrulho mais favorável e, em segundo lugar, pela passagem ao consumidor de que os serviços são melhores, tal como os preços, o que se revelou numa completa farsa...já descoberta mas ainda em uso, até o consumidor perceber que por um acto lhe estão a levar mais 300 euros em média, em alguns casos!

Simplex? creio que complicadex!