domingo, fevereiro 17, 2008

Efeitos da Lei?



Hoje li esta notícia: «A receita com o imposto sobre o tabaco sofreu uma quebra de quase 50%, diz o jornal “Sol”. Segundo dados do Ministério das Finanças, em Janeiro de 2008 o Estado arrecadou 140 milhões de euros, contra os 249 milhões de Janeiro de 2007.»

Leva-me a perguntar aos psicóticos e psico-amigos: como estão a lidar com a nova lei do tabaco?

18 comentários:

Paulo Colaço disse...

Um dos objectivos deste tipo de leis é a mudança de hábitos.
Este dado prova eficácia?

Francisco Castelo Branco disse...

Eu tenho dado-me muito bem com esta lei...
Continuo a não fumar hehe

jfd disse...

Eu já não fumava, voltei a fumar, e agora vou fumando menos.
É optimo não haver fumo nos sitios públicos.
As receitas terão de vir de outro lado qualquer :)

Baia disse...

Caro amigo Paulo, esta lei para quem não é fumador como eu, foi registada com agrado. Como é normal com qualquer tipo de restrição, no inicio causou alguns problemas mas de um modo geral penso que os portugueses adoptaram esta nova lei com bastante naturalidade.
Quanto à tua segunda questão creio que efectivamente estes valores confirmam a eficácia da lei mas não a eficiencia. Tal como a noticia refere estes dados não podem ser analisados isoladamente, mas sim conjugados com outros factores como por exemplo o aumento do preço do tabaco para o consumidor final ou as novas regras.

Gil disse...

esta lei do tabaco está a ser, tal como o previ desde que se falou nela, um "tiro no pé" nas receitas do Estado. É do conhecimento comum de que as maiores receitas de imposto em Portugal são com os combustíveis e o Tabaco, 40% da população é (ou era, antes da lei) fumadora!!! Não são dados para menosprezar... esta lei é fundamentalista e anti-fumador... arrisco a dizer que é discriminatória!!! Quero ver quando no Verão for até uma esplanada beber um copo e tal... vai ser do género:
- "você é fumador?? Não?? Então desampare-me a mesa que o seu espaço é lá dentro, aqui é para fumadores!!" (LOL)

vai ser bonito vai!!!!

Aproveito este comentário para divulgar, se me permitem:

Conferência: "Necessidades Educativas Especiais - Do Pré-Escolar ao Ensino Superior"

Data e Hora: 13 de Março de 2008 - 21h00
Local: Instituto Superior de Paços Brandão (Paços de Brandão, Stª Mª da Feira)


Cumprimentos, Gilberto

Gil disse...

Faltou o link, desculpem:

Conferência: "Necessidades Educativas Especiais - Do Pré-Escolar ao Ensino Superior"

Data e Hora: 13 de Março de 2008 - 21h00
Local: Instituto Superior de Paços Brandão (Paços de Brandão, Stª Mª da Feira)

Vermouth disse...

No que toca às consequências da lei, são nitidamente sentidas a começar nos C.Comerciais e a acabar nos restaurantes, onde já não se sente o fumo do tabaco.
.
Quanto ao decréscimo do valor de imposto arrecadado pelo Estado, para mim não tem qualquer importância, até porque segundo Pinto de Sousa, o valor de cada maço de tabaco vai aumentar sucessivamente ao longo dos próximos anos. Assim, mesmo com o decréscimo do consumo, o valor arrecadado acaba por não diminuir assim tanto, com a contrapartida, do SNS saúde gastar menos dinheiro nesta matéria...

xana disse...

Olha, eu deixei de fumar. Eficácia a 100%!

Não pelo facto desta lei não me permitir fumar nos sítios onde o fazia habitualmente, mas não posso dizer que a lei não me incentivou a isso.

Eu tinha planos para deixar de fumar aos 30... foi um bocado mais cedo. Se voltar a fumar será certamente bem menos do que antigamente. Não é eficácia a 100% no longo prazo, mas não deixa de ser alguma eficácia e um bom propósito.

Ninguém é perfeito!

João Paulo Torres disse...

Ora aqui está um tema bastante interessante e actual!
Não me sentindo eu minimamente beneficiado nem incomodado com esta lei, incomoda-me o fundamentalismo com que a temática foi tratada!!
O Governo consegui criar o "estigma" do fumador, mas ainda não combateu de forma eficaz a toxicodependência!
Criou-se uma visão paternalista desta lei!! O governo não deixa que se fume em locais fechados!!! A fiscalização é apertada!! Tudo em prol da saúde dos portugueses!!
Como prova de coerência proponho que a conduta seja decalcada para as nossas estradas!! O excesso de velocidade é legalmente punido, ainda assim as pessoas na sua generalidade não cumprem!! Ora, o que eu sugeria como prova de coerência era que os veículos viessem limitados!! Julgo ser uma transposição justa: As pessoas não conseguem deixar de fumar, o governo paternalista limita os espaço! As pessoas não deixam de acelerar, o governo paternalista limita os carros!
E assim viveremos felizes! A liberdade de escolha passará a ser um direito exercido governamentalmente! Elegemos uma maioria que olha por nós: acabaram-se as noitadas ocasionais de rebentar o fígado, acaba-se o bom cosido à portuguesa, acaba-se o churrasco de porco, ... enfim!
Tudo isto para dizer que a consciência cívica não se cria por lei!!! A mudança de mentalidades não pode ser um produto legislativo, isso não só não muda mentalidades como tem o efeito nefasto de criar recalcamentos!! Uma parte dos fumadores, que antes fumavam o seu cigarrito a ler o jornal, agora até aguentam uma hora fechados sem fumar, mas quando fazem a pausa aspiram 2 de seguida.

Vasco Neves disse...

Eu não deixei de fumar, eu não reduzi a quantidades, nem vou deixar! Simplesmente ajustei um pouco mais os meus habitos. Afinal sou da opinião que a lei simplesmente veio "Impor" o que deveria ser um comportamento civico a alterar. Fumo em restaurantes e outros locais publicos, com condições desajustadas, sempre foi um desrespeito pelo não fumador. Para não variar necessitou de ser uma obrigação legal a alterar um comportamento que deveria dever-se ao civismo e educação. Mas em Portugal não é novidade. So tenho é pena dos fumadores que têm de assistir a um discurso do Eng. Socrates até ao final num espaço fechado. Mas para esses aconselho um cinzeiro para unhas. Ou então uma outra boa comédia no IPhone para ajudar a passar o tempo.

dalmata disse...

Muito bem, continuo a fumar, como sabem não é uma ditadura de pacotilha que me impede de fazer o que quero.

Sempre fui muito obstinada, graças a Deus. Por mim o Estado continua a arrecadar.

CLaro que não prova eficácia Paulo, prova é que as pessoas têm menos dinheiro é o que é...

Nélson Faria disse...

Grande João Paulo Torres, muito bem.

Eu já tinha abrandado o consumo há quase um ano, ainda que tivesse picos ocasionais em alturas festivas ;)

Estou a surpreender-me com a minha capacidade de adaptação às discotecas, mas tenho de admitir que tenho ido a menos bares e a restaurantes, preferindo o convívio com amigos nas suas casas.

O principal efeito da lei é ter de aturar pessoas mal educadas quando estou a fumar à porta de um qualquer sítio; o próximo passo é proibirem o "fumício" nas entradas e saídas de locais de trabalho.

A quebra na facturação pode ser um misto de promessa de ano novo com aumento do mercado paralelo. Convinha ver os dados dos últimos três trimestres, pois esta poderia ser uma queda que se vinha a acentuar, e não um efeito directo.

Gil disse...

"com a contrapartida, do SNS saúde gastar menos dinheiro nesta matéria..."
o SNS gasta dinheiro nesta matéria?? estatisticamente os fumadores morrem mais cedo, o que implica, por norma, menos custos ao SNS em termos de assistência médica a longo prazo, nomeadamente na velhice... e os fumadores são, por norma, prejudicados no que toca a listas de espera para cirurgias e/ou transplantes, precisamente por serem...fumadores!!!

Se o governo gasta dinheiro a criar "casas de chuto", até nas prisões(!!!) promove a troca de seringas usadas e etecetera e tal o mínimo exigível era "casas de fumo", para os fumadores... era permitir aos proprietários dos estabelecimentos que escolhessem se a sua casa seria para fumadores ou exclusivamente de não fumadores.

José Pedro Salgado disse...

"Segundo dados do Ministério das Finanças, em Janeiro de 2008 o Estado arrecadou 140 milhões de euros, contra os 249 milhões de Janeiro de 2007"

Mas em compensação recuperou com o que arrecadou na venda de gorros, cachecois, luvas e casacos...

Paulo Colaço disse...

Ehehehe.
Não fosses já um psicótico, convida-te já para o Psico!
:)

José Pedro Salgado disse...

Digo aquilo que sempre disse: o fumador é O exemplo da lei da evolução de Darwin.

Se temos de ir para a rua fumar, vamos. Não são medidas assim que nos impedem. E quem deixa de fumar por estas e por outras, não são verdadeiros fumadores.

O vício é grande demais para ser travado de fora para dentro, tem de ser de dentro para fora, senão o pessoal arranja sempre maneira de dar a volta ao texto.

Diria mesmo mais: Quando começámos a fazer caixões, as pessoas deixaram de morrer.

jfd disse...

Lei n.º 37/2007 de 14 de Agosto
Aprova normas para a protecção dos cidadãos da exposição
involuntária ao fumo do tabaco e medidas de redução da
procura relacionadas com a dependência e a cessação do
seu consumo.


A Assembleia da República decreta, nos termos da
alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

CAPÍTULO I
Disposições gerais
Artigo 1.º
Objecto
A presente lei dá execução ao disposto na Convenção
Quadro da Organização Mundial de Saúde para o Controlo
do Tabaco, aprovada pelo Decreto n.º 25 -A/2005,
de 8 de Novembro, estabelecendo normas tendentes à
prevenção do tabagismo, em particular no que se refere à
protecção da exposição involuntária ao fumo do tabaco
(...)

Com isto quero dizer que não tenho paciência para a demagogia de quem diz que este Estado castra direitos e liberdades individuais!
Como fumador-ex-fumador-fumador-logo-se-vê, eu tenho é vergonha que tenha de ser o Estado a ME recordar que os outros não têm de sofrer com o MEU vício, impondo o disposto na Lei nº37/2007.

Trata-se de civismo. Respeito pelo próximo. Tudo o resto, a meu ver, é blá blá blá!

jfd disse...

http://www.dgs.pt/upload/membro.id/ficheiros/i009106.pdf