domingo, fevereiro 10, 2008

2018? Nem pensar!!!

Sexta feira ouvi na TSF os lobbies do esférico a dar os primeiros passos...

"Se queremos organizar teremos de falar primeiro, cada um [A federação de Portugal e a de Espanha] com o respectivo governo"

Pensei eu para comigo "Pronto já começa o circo de novo..." Começa a corte aos €uros do contribuinte...

Hoje chego a casa, e para minha alegria vejo o nosso Presidente da Republica, de terras Espanholas dizer categoricamente que temos OUTRAS PRIORIDADES!

Grande Cavaco!!!
Viva o PR!!!
Salvem os meus euros!

37 comentários:

jfd disse...

Não tenho contra o futebol!
Porque não pegam nos patrocinadores, nos projectos e fazem um consórcio Ibérico, apresentam um projecto empresarial com custos proveitos e etc., e apresentam a um banco e pedem dinheiro emprestado? Assim serão obrigados a tornar o projecto realista, ponderar correctamente o factor custo benefício e torná-lo mais eficaz e eficiente.
Boa sorte!
Chupistas!!! Humpft!!!

jfd disse...

**Não tenho nada contra o futebol ;)

Nélson Faria disse...

Concordo, principalmente com o comentário.

Habituem-se a pensar antes de fazer... os estádios de leiria, aveiro, faro\loulé são uma vergonha!

Ninguém sabe o que fazer com eles.

Mundial sim, apoio do governo sim, mas pagar a conta não.

jfd disse...

Olha nunca me esqueço de uma coisa que me espantou no dia dos EUA na Expo 98... A presença daquele país não teve um $ do Governo Federal... para vir à Expo...
Nós, para ir a uma exposição de turismo super importante a Madrid temos logo de pedir tudo e mais alguma coisa ao Estado Português. Estamos muito mal habituados! MUITO!

Mas o Estado não é inocente! Pois deveria aligeirar o enquadramento legal no que toca ao processo de inovação e empreendedorismo. Deveria haver via verde para projectos de interesse nacional.

Atenção via verde não é €€€€ :)))

Baia disse...

Como adepto de futebol veria com bons olhos um campeonato do mundo em parceria com a Espanha. Não sei se teria, em termos económicos, assim tantas desvantagens como sugerem, é uma competição que que na Alemanha gerou para o pais lucros na ordem dos 500 Milhões euros e não esqueçamos que os estádios na sua maioria foram construidos de raíz. Em Portugal pelo menos contariamos já com 3 estádios com condições para um campeonato do mundo, receio que o de Leiria, Aveiro, Coimbra, Loulé, Guimarães e Bessa não reunam as condições necessárias visto existir uma capacidade minima e na Alemanha os estádios mais pequenos (Nuremberga e Kaiserslautern) tinham capacidade para 41000 espectadores, enquanto que em Portugal apenas os 3 grandes registam esses valores.Referir tambem que Portugal e Espanha apresentam um trunfo muito importante numa possivel candidatura, o clima. Para quem não se recorda o campeonato do mundo de Coreia e Japão foi um fiasco, com alguns jogos efectuados a uma humidade relativa de 90%. Por fim, SE de facto o novo aeroporto e o tgv estiverem concluidos em 2017 tais como os novos complexos turisticos no Alentejo e Algarve, Portugal terá com o campeonato do mundo uma optima oportunidade de promover a sua imagem. No entanto, considero que há outras prioridades, a paixão que nutro pelo futebol não me torna um pro.Mundial em Portugal, apenas sou apologista que se deve ponderar bem a relação custo-beneficio antes de tirarmos conclusões

Paulo Colaço disse...

Apoio o Mundial em Portugal/Espanha a 100% mas se depende das verbas que Estado quiser enterrar.

Se o Estado continuar a habituar mal os portugueses, nunca mais seremos um país rico! Ser um rico país não chega.

Os privados devem mostrar a sua força, a sua energia, olho para o negócio.
As federações (se se unirem) terão de apresentar um projecto ambicioso, em que valha a pena investir.

Claro que os Governos têm de apoiar, mas apoiar não significa "chover dinheiro".

Temos de tocar essa guitarra, mas só se tivermos unhas para ela...

Baia disse...

Grande Paulo!Por acaso no meu comentário não abordei esse aspecto e ai concordo inteiramente contigo e se bem percebi, com o jfd. Não tem necessariamente de ser o Estado a suportar o investimento, o sector privado juntamente com as federações dos respectivos paises e os patrocinadores oficiais do mundial (mastercard, adidas, continental,carlsberg,etc) é que deverão reunir as condições necessárias. Contudo, acredito que a Espanha avançará com uma candidatura ao mundial, desde 1982 que não recebem um evento desta dimensão e há já varios anos que andam a tentar organizar um euro ou um mundial

Bruno disse...

Oh Jorge, eu gosto de ti mas tu és muita mau a escolher títulos ;) Tou a brincar mas este título está mesmo mal escolhido e tu próprio o demonstras com a argumentação que utilizas nos comentários.

2018? Claro! Essa deve ser a posição. Por princípio eu sou a favor! 100% a favor, até porque estes eventos são quase sempre lucrativos. Agora, temos é que pensar em formas de rentabilizar os investimentos que fazemos e que não se podem esgotar no período do evento.

Se o Estado apostou demais no Euro 2004? É verdade, apostou! Eu próprio o reconheço e andei algum tempo a pensar o contrário. A verdade é que até podiam ter gasto aquele dinheiro mas o caderno de encargos assumido por clubes e autarquias deveria ter sido diferente.

E quando falo em encargos é óbvio que não estou a falar de €€€. Estou a falar de se programar e coordenar acções futuras de modo a rentabilizar os Estádios. Não sei se resultariam todas em pleno mas pelo menos mostrávamos que havia um plano. Festivais Rock, Torneios de Verão, Estágios de equipas estrangeiras, podiam ser formas de rentabilizar os estádios no pós-Euro. E chega de falar do passado!

O Euro 2004, apesar de tudo, tem um saldo positivo para o futuro. E porquê? Porque deixa um património que deverá ser aproveitado. E esse património é constituído pelos estádios por um lado e por outro pelo know-how adquirido. Se a possível organização do Mundial é uma forma de rentabilizar esse património porque não apostar?

O problema é este: organizando em parceria com Espanha, teríamos direito a menos jogos, menos momentos de competição e como tal esses momentos teriam que ser canalizados para os maiores Estádios e para as cidades com mais gente. Pois... Luz, Alvalade e Dragão não precisam de ser rentabilizados... Será que teríamos a coragem de apostar em rentabilizar, como diz o Né, Leiria, Aveiro e Algarve???

Bruno disse...

Uma pergunta: Sr. Presidente, é o senhor que decide as prioridades do País?

Um comentário: essa posição da sua pessoa teria mais sentido na altura da candidatura ao Euro 2004. O senhor já aí previa a crise e tinha capacidade para fazer contas e ver as dificuldades em rentabilizar aquele investimento. Agora, que o investimento seria bem mais reduzido não será uma aposta mais segura?

Outra pergunta: não poderia antes ter dito "Sim, sim! Sendo nós um país virado para o Turismo, estamos sempre disponíveis para receber grandes eventos, desde que isso não ponha em causa a recuperação económica do país"?

Outro comentário: é que assim parece-me que o senhor criou um grande constrangimento à possível candidatura portuguesa uma vez que se vier a avançar terá sempre o ónus de ser tomada como irresponsável e contra a opinião de Sua Económico-Eminência...

Baia disse...

Caro Bruno, penso que essa questão não fará muito sentido. A não ser que se construa um estádio de raiz, talvez um novo estádio nacional, mas ai seria muito provavelmente em Lisboa, a rentabilização dos restantes estádios não é viável. Quando arrancámos a construção dos estádios para o Euro 2004 ,exceptuando os da Luz, Dragão e Alvalade cumprimos apenas os requisitos minimos quanto à sua capacidade (30000 espectadores), no entanto, em Mundial a FIFA tem exigido estádios com capacidade superior a 40000 espectadores: no mundial 2002 (Kashima 41800), mundial 2006 (Kiaserslautern 41153) e mundial 2010 (Bloemfontein 40000), estes são respectivamente os estádios mais pequenos das ultimas 3 provas concedidas pela FIFA. Não sei como será resolvida esta questão, mesmo que quisessem abrir alguma excepção como fizeram com o estádio Beaujoire do Nantes e do Montepellier em 98 (aprox 35000) não reuniamos os requisitos necessários. Tal como já havia referido, acredito que a Espanha se candidate, terão uma equipa fortissima nessa altura, foram vice-campeões do mundo de sub17 no Mundial07, perdendo apenas com a Nigéria, e sabemos como funcionam estas selecções africanas nas camadas jovens (18 anos=25 anos). Concluindo, creio que a Espanha seguirá o exemplo da França e Suiça que aproveitando o sucesso das suas camadas jovens apostaram na organização dum Mundial

Paulo Colaço disse...

Bem, Bruno e Baia a discutirem futebol eheh. Boa malha!
Talvez ao vivo seja melhor.

Entretanto, deixem-me subscrever os últimos dois parágrafos do segundo comentário do Bruno.

diogo agostinho disse...

O Bruno tocou no ponto, estes eventos dão quase sempre lucro!

A dimensão do nosso país não requer a pequenez de pensamento.

Acredito que o Mundial seria um grande evento no nosso País!

Não acredito nas recusas directas, às vezes responder "deve-se ponderar" não demonstra indecisão ou imagem de cedência!

Os estádios estão feitos!
Venham de lá todos os amantes de Futebol encher hóteis, restaurantes, bares, supermercados, discotecas, pensões, conhecerem de norte a sul e apaixonarem-se por este cantinho à beira mar plantado!

Bruno disse...

Oh pá, ainda bem que venho ao Psico pois aqui aprendemos sempre qualquer coisa! O Baía chamou-me a atenção para este pormenor do nº de lugares. É verdade: será difícil rentabilizar a maioria dos estádios que temos pois estão quase todos na casa dos 30.000 :(

Assim, teríamos mesmo que nos limitar a utilizar o Dragão, o Mega-Urinol e a Nova Catedral. De qualquer forma penso que, se Espanha estiver interessada, não deveremos perder este comboio. Naturalmente, não cometendo loucuras!

Colaço, subscreves? Mesmo a expressão "Económico-Eminência"? Isso é uma honra, vindo de um copy writer de nomeada :P

diogo agostinho disse...

Mega urinol, Dragão, Catedral????

O Bruno inventou mais dois estádios! Rentabiliza casas de banho e igrejas boa boa!

E já agora ainda tens mais dois espaços!

O ESTÁDIO JOSE ALVALADE e um na 2a circular que está em cimento não sei se sabes tu que és lá do deserto, aquele edificio por construir...não tas a ver?

Bruno disse...

Hehe!

Esse edifício é o Colombo pá, não é um estádio ;)

Quanto a esse do José Alvalade, parece-me bem utilizá-lo. Mas vamos a ver se a colectividade que o detém não vende aquilo antes de 2018...

Agora que já abandalhámos o post. voltemos à discussão séria...

jfd disse...

Olá!
Obrigado por ter "mordido o isco"!;)

Eu não percebo muito de futebol, sou mais fã da emoção do que que jogo em si.

Sim, era LINDO ter um Mundial em Portugal; os turistas o intercâmbio a exposição os Euros.
Não quero é que seja às minhas custas. Ponto!
Os beneficios não são marginais? Pergunto eu?

O Exmo Senhor Presidente não decide prioridades, mas tem plo menos da minha parte, o mandato para mandar o seu "real" bitaite sempre que desejar!!!
E é bom que oiçamos. Com ouvidos de ouvir!!

Paulo Colaço disse...

Tu és tramado, Fonseca!
Mas és grande!

jfd disse...

thnx ;)
São as boas companhias deste belogue :) Somos todos :)

Baia disse...

Como sou um grande fa de futebol, resolvi investigar sobre este tema e uma suposta candidatura ao mundial 2018 por parte do nosso pais em parceria com Espanha. Neste momento não tenho esperança nenhuma nesta candidatura e os entusiastas da bola como eu e o Bruno deveremos v~-lo pela tv:).
Tudo dependerá de quem ganhar este ano a corrida ao mundial 2014 e esperemos que seja o Brasil ou outra candidatura da América Latina devido à politica de rotatividade da FIFA. Desta forma o leque para o mundial 2018 estaria restringido a Europa (Inglaterra, Itália e Espanha/Portugal), Austrália e EAU(a mais provável). E porque um destes?!Num pais da América Latina estaria automaticamente excluido porque desde 1954 que não é atribuida 2 mundiais seguidos a um mesmo continente. Africa receberá em 2010 na África do Sul e vamos ver se todos os estádios estarão concluidos (nunca houve tantos problemas num mundial e ainda nem iniciou), Asia dificilmente terá hipotese pois a China recebe agora os jogos olimpicos além de que as dificuldades impostas pelo clima no Coreia/Japão em 2002 resultou num fiasco para a prova. Como tal resta a Europa e ai apenas Inglaterra, Itália e Espanha/Portugal se poderão candidatar. No entanto, creio que acabará por sair vencedor ou a Austrália que tenta constantemente organizar um mundial ou Emirados Arabes Unidos, que será quanto a mim, a vencedora.

jfd disse...

Ainda bem que falas nisso tão claramente Baia.
Agora expliquem-me vocês, qual é a necessidade do Gilbertinho lançar a confusão para o ar?!?!?
Para ver se pega?
Má forma de fazer as coisas né?
Atira para o ar, afasta-se e o povo que fique a ver o assunto a ser discutido na arena:P

Bruno disse...

Pois... o Gilberto Madaíl não pode atirar para o ar mas o Cavaco já pode ;) Deixa-me dizer-te, Jorge, que o PR também tem da minha parte o mandato para mandar "bitaites" quando quiser. Convém é que os seus bitaites não prejudiquem o país porque aí eu já me chateio... E neste caso foi o que ele fez.

Eu também não quero o Mundial em Portugal à custa do dinheiro dos contribuintes e sim de uma forma equilibrada e com um projecto coerente e credível. E acho que já deixei isso claro.

jfd disse...

Ainda bem que disseste o que eu esperava ;)
Para eu chegar ao que queria dizer;

O Cavaco se me chatear, posso fazer algo sobre isso.
O Madaíl pode-me chatear o que quiser que eu não tenho voto na matéria.
Quem influência mais o país? Agora a Sério????

Xek Ma... ups, GOLOOO! :)))

Bruno disse...

Podes sempre sugerir que o Presidente da FPF comece a ser eleito por sufrágio directo e universal...

Baia disse...

Boas Jorge. Dificilmente te livrarás do Madail, mesmo que ocorra um "tsunami" neste Europeu de 2008 as responsabilidades serão cobradas ao Scolari, que convenhamos não tem uma optima imagem neste momento. Nesse panorama, sairá o Scolari como o burro e o mau da fita, o Madail vem a publico pedir desculpa pelo fracasso tal qual no Mundial 2002, contrata um novo técnico (Manuel José?!) e ficamos a gramá-lo mais uns 2 anos que é o tempo de uma qualificação.
Por outro lado, tenho de admitir que tens uma certa razão, enquanto num PR terás sempre algo a dizer, o Pres. da Federação é para se comer e calar. Podemos inverter essa situação alterando os estatutos de modo a que o governo ou até mesmo a população possa exprimir o seu descontentamento? Não! Alguns paises tentaram e sofreram consequencias, a Grácia no verão passado tentou através do governo interferir na Federação, os seus clubes ficaram impossibilitados de disputar a pré-eliminatória da Liga dos Campeões.

Baia disse...

Parece que adivinhei o teu post Bruno:). Tal como respondi ao Jorge, não é possivel essa situação. A Grécia foi a mais recente vitima da Uefa e da Fifa, teve de retroceder e manter os estatutos como estavam com pena de perder a participação dos seus clubes nas competições europeias. Recentemente voces tiveram um debate sobre lobbies, este do futebol é mais um, não parece estranho esta atitude por parte da Uefa e da Fifa?! Qual o interesse da Uefa em manter o Madail à frente da federação de Portugal? é que apesar do Madail ter apoiado o Leonhart Johenssen, neste momento integra o comité executivo de Platini, que é respectivamente o presidente da Uefa:) Engraçado, não?!

Paulo Colaço disse...

Se o Almada fosse vivo diria: se o Madail é português, eu quero ser espanhol.

jfd disse...

Bruno por esta altura já devias ter percebido a importância que o Presidente da FPF e a respectiva estruura têm in my book :))) I just don't care!
Quero é mais e mais Cavacos (pessoas que realmente interessam) a colocar esses senhores nos seus lugares.

Baía é triste que um País tenha tido de meter o rabinho entre as pernas. Enfim...

Paulo, o pior é que o Almada já cá não anda, e a Iberia SA ainda num existe :)

Eu gostei foi do comentário do Marcelo acerca deste assunto; do ponto de vista dele os espanhóis não estão nem aí para esta conversa!!!

Bruno Andrade disse...

Tirem-me para sempre a luz de lisboa,tirem-me as encostas do Douro, o tejo e o alentejo, tirem-me a calçada dos passeios,
e os azulejos da parede,tirem-me o ouvido, tirem-me para sempre o choro da guitarra e o pranto do fadista, tirem-me os pregoes
das mulheres do bulhao e a pronuncia de Norte a Sul...tirem-me tudo isto, mas nao me tirem a visao,porque se eu
ainda for capaz de assistir á pura felicidade das pessoas nos festejos ou o choro nas desilucoes durante um jogo de futebol
serei capaz de dizer, se nao me tirarem a fala..que adoro o FUTEBOL.


P.S: Mas claro que as pessoas que teem poder para decidir algo, teem que o fazer ponderando tudo,e nao o fazer apenas para dizerem ao mundo
que sabem organizar coisas. Primeiro a preocupacao da gente de casa...depois as possiveis vantagens que possam trazer dos vizinhos

GandaBlogger disse...

O comentário do Bruno Andrade, adaptado de um texto escrito por um copy writer quase tão bom como o Colaço, demonstra bem porque é que o futebol é o maior espectáculo do Mundo: é apaixonante, vivido de forma irracional, empolga-nos, leva a adrenalina ao topo!

Em relação ao facto de o Governo ou o povo não poderem "meter o bedelho" na eleição da Direcção da FPF, eu acho bem. Seria o mesmo que o povo inteiro poder votar nas eleições internas de um partido (bem, nas primárias americanas é um pouco isso que acontece...).

Aquilo onde me parece que o Governo pode intervir - e tem todo o direito de o fazer! - é num pormenor: a FPF, tal como todas as outras federações, recebe subsídios do Esatado. Como em qualquer outro caso que o Estado subsidie, poderá e deverá esta atento à forma como esse dinheiro é utilizado. Deverá ser o garante de que os euros dos contribuintes não são mal gastos. É essa a sua função.

Neste caso, eu tenho a ideia (não tenho a certeza) que a situação financeira da FPF é confortável. Madaíl tem conseguido, mal ou bem, colocar a selecção nacional num patamar que se torna apetecível para os patrocinadores e isso tem trazido bons contratos para a federação. O Baía saberá melhor que eu se isto é mesmo assim ou não.

Nota: não me provoquem com essa história de os espanhóis não "estarem nem aí". Na candidatura ao Euro 2004 eles tambem "não estavam" e Portugal avançou sozinho, provocando-lhes um dos maiores melões da história! Não me provoquem... É que eu estou sempre disponível para defender uma irracionalidade qualquer desde que seja para irritar aqueles caramelos :P

Bruno disse...

O comentário anterior é do meu amigo Gandablogger mas fui eu que o escrevi ;)

Baia disse...

Caros gandablogger e Bruno:) Para dar "porrada" em espanhois tou sempre disponivel , contudo aquando do euro2004 foi uma opção estratégica tanto de Portugal como de Espanha. O que se passou foi o seguinte: o Euro2000 foi o 1º Euro a ser organizado por 2 paises (Bélgica e Holanda) e a atribuição do Euro2004 foi antes desse mesmo evento, a Uefa como estava reticente não iria atribuir uma organização a 2 paises sem ter a experiencia da Holanda e Bélgica. Foi por essa questão que tanto Portugal como Espanha avançaram para uma candidatura separada.
Se a federação tem uma situação economica saudavel?! Para teres uma ideia Bruno, só na participação do mundial06 cada federação arrecadou 4,5 Milhoes de euros, por cada jogo disputado na fase de grupos 1,3 Milhões, não sei os restantes "cachets" mas tendo em conta a boa prestação que tivemos podes apontar para cima de 10 Milhões só no mundial06. Esse dinheiro é para os jogadores?Não!Para cada jogador estava previsto um prémio a rondar os 100 000 euros em caso de ganharem o campeonato. Juntando a isso tens o patrocinio da Nike que será renegociado após o euro08 e que em determinados jogos particulares, como o de wembley contra o brasil (patrocinado pela nike), contempla 750 000 para os cofres da federação. Imagina quando o novo contrato for renegociado, a guerra entre adidas e nike envolve milhões, escolha da bola oficial, qual representa mais equipas, melhores prestações,etc. O que é certo é que tanto no europeu04 como no mundial06 Portugal foi a ultima equipa Nike a sair de prova.

Bruno disse...

Madaíl: «Trocava o Mundial 2018 por salário mínimo digno»

O presidente da Federação Portuguesa de Futebol, Gilberto Madaíl, não desiste da ideia de organizar a mais importante prova de selecções. Defende o sonho, com base na experiência do Euro’04, e responde às críticas e aos cépticos, nos quais se encontram algumas das principais figuras do Estado. Não perca a entrevista na edição de Record deste sábado...

in www.record.pt

jfd disse...

D E M A G O G I A

Baia disse...

Segui a tua dica Bruno. Li as letras gordas e claramente existe uma tentativa de criar uma candidatura ao mundial 2018. Tal como eu previa a Inglaterra irá entrar na corrida e será uma forte candidata da Europa. Não sei se concordam, mas penso que poderá ter aspectos benéficos para o pais em termos turisticos e económicos uma candidatura forte, mesmo tendo consciencia que as hipoteses de sermos escolhidos serão muito pequenas, ao contrário das declarações do Madail. Poderiamos aproveitar essa campanha como uma forma de divulgar os novos projectos, tais como o novo aeroporto, o TGV, complexos turisticos que, esperemos, estejam prontos nessa altura? é apenas uma ideia, pessoalmente acredito que de forma subtil conseguiriamos criar uma candidatura que ao mesmo tempo promovesse a imagem do pais.

Bruno disse...

Baía,

Tou contigo! O ritmo "mata-cavalos" da Universidade Europa não me deia ter disponibilidade mental para entrar na discussão por isso delego em ti!

Baia disse...

Nem a propósito, já tinha comentado aqui que a FIFA não permite quaisquer interferencias do governo com a federação ou com o futebol do respectivo pais. Esta semana Joseph Blatter veio a publico afiramr que não concordava com uma directiva do governo relacionada com o futebol ("Não é possivel, porque não podemos aceitar a intervenção directa do governo em questões da federação e em eleições para a direcção!. Como tal a Espanha poderá ver a selecção e os seus clubes impedidos de participar em competições internacionais. é lamentável!

Paulo Colaço disse...

Tenho amigos com visões diferentes.
Uns dizem ser ilegítimo à FIFA limitar o uso às legislações nacionais no que toca ao futebol. Porquê? Porque não pode haver "Estados" dentro do Estado.

Outros dizem que, sendo o futebol uma "actividade" transnacional, deve ter uma autoridade única, sob pena de não haver conformidade.