quinta-feira, fevereiro 28, 2008

Perda da inocência?

É hoje notícia a fraude que envolve os eurodeputados e que pode chegar a 140 milhões de euros envolvidos. Ao que parece, apesar da tentativa de parte dos eurodeputados de silenciar a questão, ao mesmo tempo que outros exigem que tal se torne público, existe um relatório que dá conta da existência de fraude e má gestão.

Pode mesmo ler-se que um eurodeputado, por altura do Natal, decidiu bonificar um membro do seu staff com o valor de 19 salários!

Refere-se, ainda, o favorecimento a partidos, com avultadas transferências de dinheiro, benefícios pessoais, não pagamentos à Segurança Social e má utilização de fundos...

A informação está a surgir aos bocadinhos. Certamente as pressões são muitas...

Com isto, está a União Europeia a perder a inocência e a credibilidade que lhe é (era) reconhecida? Será «só» isto?

15 comentários:

Carlos Carvalho disse...

Mais uma nota: está referenciado, no dito relatório, o pagamento de verbas a pessoas sem nome...

Nélson Faria disse...

Inocência terá perdido durante a comissão Santer, que foi forçada a demitir-se pelas fortes suspeitas de corrupção. Ou se calhar antes, não sei que mais casos de abuso de poder se conhecem.

Paulo Colaço disse...

Quando se acusa ou suspeita é fundamental estar por dentro de todos dados:

O Relatório resulta de uma auditoria interna do Parlamento Europeu que é feita todos os anos, sorteando 200 deputados para o efeito. É em 5 ou 6 desses 200 que residem suspeitas de irregularidades. Não há nenhum deputado português envolvido segundos as últimas informações. Agora prossegue a investigação para ver se as suspeitas de confirmam ou não. Aí sim serão divulgados os nomes dos Deputados. Aliás a acusação de tentativa de tornar secreto o documento cai por terra quando um relatório do Deputado Espanhol Pomes Ruiz foi aprovado na semana passado no plenário já dando conta dessas irregularidades.

Mais: qualquer relatório sobre o funcionamento interno não é público, faz aliás das próprias medidas de auto-controlo do Parlamento Europeu.

Carlos Carvalho disse...

Lanço a discussão baseando-me nas diversas notícias surgidas hoje, em vários orgão de comunicação social.

Ainda bem, Paulo, que nos fazes esse esclarecimento pois, até agora, nenhum orgão de comunicação o fez...

De qualquer forma, não deixa de ser uma mancha...

Paulo Colaço disse...

Permitam-me a seguinte nota:
Suspeitarmos de 5 em 200 não é uma mancha - é um salpico!
Absolutamente condenável. Preocupante! Um desonra. Mas um salpico.

5 em 200 permite este tipo de comparações: há mais estudantes numa universidade a cabularem do que suspeitas nesse relatório. Há mais funcionários de empresas a levar clips para casa do que suspeitas nesse relatório. Há mais funcionários públicos a fazerem telefonemas para a namorada ou para a tia que está na Austrália que suspeitas nesse relatório.

Há que saber enquadrar. Claro que é preciso pôr a nu este tipo de situações mas a imprensa e todos nós devemos ter o cuidado de não tomar a árvore pela floresta.

Quanto ao mais: investigue-se e puna-se! Os corruptos e os maus transmissores de notícias.

Filipe de Arede Nunes disse...

Meus caros e em particular Colaço.
Se são só 5 ou não é absolutamente irrelevante.
Imagina que o mesmo acontecia no parlamento nacional - presumindo que não acontece - imagina o que não seria?
É uma vergonha! É um desrespeito pelos povos que os elegeram, pelas instituições europeias.
É no entanto, a prova provada de que apesar da postura tendencialmente candida da União Europeia, estes não são melhores. Pelo que se vê, são até piores...
Cumprimentos,
Filipe de Arede Nunes

Paulo Colaço disse...

Filipe,
como uma leitura atenta deixa entender, não branqueei os 5 ou 6 casos.
Devem ser investigados e punidos.
Onde me doi é no tratamento da notícia.

Levantei e hei-de sempre levantar a minha voz contra notícias dúbias ou incompletas sobre corrupção.

Margarida Balseiro Lopes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Margarida Balseiro Lopes disse...

Confesso que depois de um “post” sobre o deputado Carlos Coelho, fui tolhida de argumentos para analisar criticamente o escândalo que envolva deputados europeus. ;)

Agora mais a sério: li a notícia e subscrevo cada palavra do Paulo. Uma gota num oceano.

Não sou leviana para opinar se serão piores ou não do que os deputados nacionais. Mas tanto uns como outros me merecem respeito e confiança suficicentes para não fazer generalizações precipitadas.

Nélson Faria disse...

Há de facto 5 deputados que não se comportaram à altura das suas responsabilidades. E decerto serão punidos.

E depois houve aquele que exigiu que a notícia se tornasse pública.

Querer confundir este caso com a instituição UE é confundir a Estrada da Beira com a beira da estrada.

É um caso de corrupção que foi identificado, diagnosticado e tornado público. Nada de mais. É infame, é vergonhoso e é um atentado à instituição UE e o respeito que ela merece; mas não é mais nada.

dalmata disse...

Quando uma determinada assessora, infelizmente de um Euro-Deputado do PSD, esgota as viagens a levar amigos ao seu aniversário em Bruxelas, está tudo dito!

Claro que um dia as coisas saltam à vista...

Vermouth disse...

Imaginar que num extenso campo de trigo, não podem existir meia dúzia de pés de joio, é pura ilusão...É sempre aborrecido quando acontecem estas coisas. Mas também é por isso que as leis existem, para determinarem o que está certo ou errado e para serem atribuiras as devidas consequências aos infractores... Como diria alguém "deixem jogar o Mantorras" - Neste caso, deixem a Justiça funcionar..

José Pedro Salgado disse...

Isto é uma gota no oceano, é verdade. Mas uma gota de óleo é o suficiente para contaminar 25 litros de água.

Comportamentos como os mencionados devem ser avaliados e (caso se justifique) punidos exemplarmente, sob pena de ser o comportamento que se torna exemplo.

Tendo dito isto, o pior que se pode fazer é julgamentos apressados que podem levar a juízos de valor erróneos e que fazem mais mal do que bem, a todos os níveis. Estas coisas a serem tratadas em praça pública podem ser muito danosas.

Este é o caso clássico a ser tratado com mão de ferro sob uma luva de veludo.

joana simões disse...

Muito Bom dia!
É realmente um ultraje este tipo de situações, sejam apenas 5 ou 6 em 200 ou sejam mais ou menos... isso não interessa muito, interessa mais a acção do que o número. Mas também concordo de que não devemos falar deles como se fossem piores do que aqueles alunos que copiam na universidade, como tu disseste Colaço! Todos devem ter a devida punição!

beijinhos

jfd disse...

Fiquei triste com a referência ao salpico.
De salpico em salpico, se fazem os charcos que devemos evitar...
Que exemplo damos nós, ao minimizar???

De resto, faço uma leitura muito ciurcunstâncial. Poderes políticios, euro cepticos que querem minar a instituição por dentro, eleições que se aproximam, mandatos que terminam.
Mas em todo o caso, que vergonha!!!
Se são secretos que sejam públicos.
Estamos na Europa e não nos EUA.

Mão de ferro, luva de ferro.
Luvas de veludo já por lá andam muitas.
Humpft.