quinta-feira, outubro 05, 2006

Imigração ilegal


Todos os dias nos surpreendemos com as noticias do mundo...O Presidente Bush promulgou uma lei que garante o financiamento da construção de um muro ao longo da fronteira com o México para combater a imigração ilegal. Sera que estamos a retroceder no tempo? Sera que todas as medidas que o Presidente Bush toma tem que ter como requisto essencial certa e determinada insanidade?

A imigração ilegal é um problema de muitos paises (incluindo ate Portugal) e sem duvida que afecta bastante os EUA. De acordo com as estatisticas vivem nos EUA 12 milhoes de imigrantes ilegais sendo que a maior parte deles entra através da fronteira mexicana.
Todavia não me parece que a construção de um muro seja a resolução do problema. Apesar de existirem outras medidas possiveis partilho da opiniao do Presidente da Comissão Europeia que numa entrevista a EuroNews dizia que o problema da imigração ilegal, para alem de ser resolver com medidas de segurança, se resolveria com "o desenvolvimento a longo prazo dos países de origem dessa imigração".

5 comentários:

Marta disse...

O próximo passo do Presidente Bush é criar uma xincana de obstáculos, minas e armadilhas aos emigrantes, que passam na fronteira com o méxico. Pode não ser eficaz, mas é uma forma de seleccionar os mais espertos, fortes, rápidos e resistentes e ainda de distingui-los e detecta-los, por lhes faltar algum(ns) membro(s), chegados ao fim do precurso.

RICARDO PITA disse...

A DIPLOMACIA NOS EUA FAZ-SE IMPONDO MURROS

Carla Fernandes disse...

O Presidente Bush pode pôr os obstáculos que desejar em torno do seu "adorado" país... Depois disso só se veêm dois cenários: ou os emigrantes conseguem passar esses obstáculos e o dinheiro investido pelo país foi deitado "pela janela", ou estes emigrantes morrem a tentar alcançar "The American Dream". Sim, porque os emigrantes que se aventuram nestas perigosas travessias, não o fazem por prazer, mas porque querem uma vida bem melhor do que a que têm.
O Presidente Bush deve estar-se a esquecer que se tratam de pessoas e não de pedras!

Marta disse...

Ele não se esquece que são pessoas, o maior problema dele é não as considerar iguais entre si. Para o presidente dos EUA, há dois tipos de pessoas: aquelas que são dignas de se chamarem "pessoas" e as que não valem o chão que pisam.

Paulo Colaço disse...

Partilho da vossa indignação!

Há os que apenas pensam em muros e os que projectam pontes.

A "toda superior" Europa também teve o seu muro, para os lados de Berlim.

Na altura a coisa era um pouco como a Marta dizia: minas e armadilhas. Todos sabemos como terminavam certas tentativas de fuga para o lado ocidental.

No final, ganhámos juizo e aconteceu como a Adriana citou: os povos de um lado e do outro deram as mãos para o seu desenvolvimento conjunto.

E agora explicar isto ao senhor Bush?

(o "senhor" era mera retórica, não quis ofender os "senhores" a sério)