quarta-feira, março 26, 2008

Sim, Sr. Ministro!

O primeiro-ministro anunciou esta tarde que o IVA irá baixar para 20%, a partir de Julho. A um ano das eleições legislativas, e depois do presidente do PSD ter pedido uma baixa de impostos, Sócrates está já em pré-campanha.

Sócrates anunciou ainda que o Défice no ano passado foi de 2.6%, o valor mais baixo nas últimas décadas.

Se por um lado, há que aplaudir este desagravamento da carga fiscal sobre os portugueses (ainda que tenuemente), fica mais uma vez patente o populismo de quem faz política para o imediato. Será que em 2009 surtirá efeito?

24 comentários:

Vasco disse...

Assisti no dia 24 de Março a um Seminário intitulado "Competitividade e Fiscalidade" organizado pelo PSD Distrital de Santarém e pela Concelhia do Cartaxo em que o orador convidado, o Dr. Miguel Frasquilho, expôs com enorme brilhantismo o que é necessário para Portugal a nível fiscal: reduzir os impostos não basta, Portugal necessita de uma reforma fiscal.
Observamos os outros países da UE e estes reduzem os seus escalões de IRS, ao passo que Portugal os aumenta e já vão em 7;na UE apenas o Luxemburgo tem mais escalões (este pode ter os que quiser pois é o país mais competitivo da UE). A "nossa" taxa de IRC é de 25% ao passo que nos restantes países da UE não ultrapassa os 20%. O IVA situado em 21%(agora vai descer para 20%) depara-se com uma taxa concorrente na vizinha Espanha de cerca de 16%(salvo erro). É necessário simplificar para aumentar a base de incidência do imposto. Há o exemplo da Eslováquia, um autêntico case study, que em 2004 procedeu a uma reforma fiscal e que já se começam a ver os seus resultados super positivos.

Estarão os outros todos errados, e seremos nós os únicos a estar certos?

Vasco Miguel Casimiro

Vasco disse...

Esqueci-me de referir que sou um leitor assíduo deste vosso excelente blog. Parabéns a todos os "psico".

Paulo Colaço disse...

Sócrates a reboque do PSD. Gosto de ver.
Parabéns ao Partido e à sua Direcção. Uma nota para Miguel Frasquilho: foi ele quem, na regência de Marques Mendes, falou na baixa de impostos.

Caro Vasco, sê bem-vindo às caixas de comentários do Psicolaranja. Sente-se aqui sempre à vontade para partilhares as tuas reflexões.

José Baptista disse...

Deixando agora Miguel Frasquilho e pondo os olhos na pergunta da Margot...és mesmo mázinha..queres que a malta diga se estamos suficientemente mal para ser derrotados ou se ainda nos levantamos a tempo de apanhar uns pontos do eleitorado rosa...

Esta baixa de 1% não é significativa no contexto actual. Esta migalha dada ao povo não muda em nada. O IVA diminui miseravelmente mas n se vai sequer notas...cm aconteceu nos ginásios já com outra redução.

Vejamos a prespectiva correcta: Os rebuçados, por mais que pequenos, até 2009 vão fazer a maioria actual ganhar novo folego...e assim chegar lá novamente..Infelizmente.

Margarida Balseiro Lopes disse...

Mázinha?

Não insinues malícia no meu post! ;)

A minha pergunta pode ter várias leituras. A que pretendi imprimir e a que mais me inquieta é se este aceno descarado de Sócrates ao eleitorado (maioritariamente de centro-esquerda)fará com que este caia em mais uma balela socialista, nas próximas eleições legislativas.

Vasco disse...

Agradeço-te Paulo pelas boas vindas, é sempre um prazer ler os posts do Psicolaranja.

Cumprimentos a todos

Nélson Faria disse...

Show off! 1% no IVA em pouco afectará a receita e em nada aliviará as pessoas.

Acho absolutamente infame que se faça esta manobra eleitoralista.

Sou a favor que se desçam impostos, mas a descer que façam com impacto: de 21% para 15% no IVA. Isso sim estimularia as pessoas...

Mas mais importante seria uma radical revolução nos impostos sobre o rendimento: a proposta de marques mendes de taxar a 15% os primeiros 100 mil euros de uma empresa; acabar com os benefícios fiscais, que têm impacto nulo nos hábitos das pessoas; defender a flat-rate.

Nélson Faria disse...

Um abraço para o Vasco. Se ouviu o Miguel Frasquilho com atenção também sabe que nada do que eu digo é grande novidade.

Falta é pessoas no partido com coragem para transformarem estas ideias em agenda política.

O mais próximo que tivemos foi o prometido choque fiscal de durão rapidamente convertido em aumento fiscal.

Vermouth disse...

Peço desculpa por discordar de vocês, mas neste momento considero que não de deveriam baixar os impostos e muito menos o IVA.

Tomo a liberdade de fazer minhas as palavras de Manuela Ferreira Leite, aquando da sua visita à minha secção: "O baixar do valor do IVA, não se traduz na redução dos preços, mas sim num ganho superior para quem vende".

Apesar de não perceber muito de matéria fiscal, penso que ao se baixar os impostos, se deveria começar antes pelo IRC, sendo esta uma medida que poderia dar um bom contributo para a consolidação da retoma económica entre nós...

Tânia Martins disse...

De certo que 1% é muito pouco, mas é melhor do que nada e tendo em consideração todos os aumentos que se têm registado até hoje só o facto de se ouvir a palavra baixar, esta irá entrar nos ouvidos dos portugueses com certeza.

A SIC entrevistou hoje Teixeira dos Santos relativamente a esta decisão e à descida do défice orçamental para 2,6%. Uma das questões era: será o fim da crise? O que acham vocês? Eu pessoalmente acho que ainda estamos longe do fim da crise. Como já aqui referiram seriam necessárias muitas mais reformas para isso suceder.

Quanto à tua questão Guida, como afirmas, e bem, Sócrates está em pré-campanha. Estes pequenos pormenores vão acumulando pontos junto deste Governo e isso não é nada positivo e pior, poderá traduzir-se numa consequência negativa em 2009.

Guilherme Diaz-Bérrio disse...

Eu pessoalmente acho o IVA um dos impostos mais estupidos que os europeus inventaram: taxar a criação de valor acrescentado...

Quanto ao valor, bem a malta gosta muito de valores como o PIB per capita, eu acho piada ao valor: despesa pública per capita. Cada português tem uma "despesa publica per capita" de 9000 euros, mais euro menos euro. Carga fiscal per capita de mais de 60% (despesa publica per capita/produto per capita).

Nem vou incluir nas contas à Divida Publica por cabeça pensante neste país, que grosso modo deverá andar nos 30 mil euros per capita, se eu incluir a divida implicita da segurança social - sim alguem vai ter de pagar aquilo!

Efeito prático de 1% do IVA? Menos 500 Milhões de euros, ou seja, cada português ganha 50 euros por ano!

Quero eu isto dizer:
Fim da crise? Só se for para efeitos de eleições!! O Estado Português continua a gastar demais no que não deve.
Fim do deficit? Bem, se Portugal continuar a crescer a 1/1,5% TALVEZ se safem por um pouco - mais uns anitos. Relembro que por cada 1% que a economia não cresça, o deficit sobe 0,5%.

O que são 50 euros "de borla" dum estado que me leva, dos 1100 euros que o meu patrao paga por mim, português médio:
180 euros para seg. social, responsabilidade do patrao;
90 euros outra vez para a seg. social, mas desta x o cobrado sou eu;
50 Euros para o IRS;

Assumindo que o portugues medio consome 90% do rendimento e poupa 10% (tecnicamente consome mais e poupa mt menos), ainda me leva:
20% de IVA/outros impostos que nunca ninguem se lembra do nome, num total de 75 euros (a diferença do "1 por cento de baixa" são menos 6 euros);
Ainda me vai tirar 10% da minha poupança que eu fizer;
(No final de todos os passos, repetir o processo durante 12 meses)

E se eu tiver o azar de enriquecer pelos meus meios - algo que é moralmente reprovavel pela mente "tuga" - ainda me vem cobrar 50% do que sobrou à sangria fiscal quando eu morrer...

Contando tudo isto, e tendo em conta os serviços que são prestados pelo estado português e pagos com os meus impostos, descer o IVA de 21% para 20% não é demagogia pré-eleitoral, é uma má piada!

Guilherme Diaz-Bérrio disse...

Correcção:
nas contas acima não são 75 euros em média para IVA, são 130 euros em média...

Vasco disse...

Caro Nélson um grande abraço também para ti. Continua a postar esses textos muito interessantes.

É verdade, o Dr. Miguel referiu exactamente isso: a flat rate adoptada na Eslováquia de 19% está a dar "frutos" muito positivos e já se fazem estudos por lá equacionando a descida para 17%.

O Governo que tiver a coragem de fazer a dita reforma fiscal em Portugal deve-se preparar para perder as eleições seguintes (tal como na Eslováquia devido a algumas medidas impopulares) mas será um passo essencial para a competitividade do nosso país.

Censurado:
(é preciso "tê-los" no sítio para o fazer)


Cumprimentos a todos


Vasco Miguel Casimiro

antónio pessoa disse...

A montanha pariu um rato!
Não há um comentador sério que elogie esta medida ou a ache significativa!

Tal como o Guilherme, também acho estúpido que se taxe a criação de riqueza! Parece que temos inveja de que gera dinheiro!

Diogo Agostinho disse...

A campanha eleitoral começou!

Hoje uma baixa de um ponto percentual, uma baixa incipiente, mas há duas semanas era leviana e irresponsável!

Enfim...o Prof. Marcelo acertou estamos em campanha eleitoral. Hoje 1%, mas ainda falta ano e meio...vamos observar a mais reduções de impostos.

Concordo com o meu colega de UV e amigo Vermouth, o IRC deveria ser o imposto a baixar! A riqueza advém das empresas e essa folga seria importante na actual conjuntura económica!

Diogo Agostinho disse...

Está na hora de mandar esta gente embora!

Margarida Balseiro Lopes disse...

Calma, Diogo. Temos de esperar por 2009. ;)

jfd disse...

Calma???
O Diogo tem razão, 2009, para nós, começou no dia que eles ganharam ;)

antónio pessoa disse...

20%??? Agora é que saímos da crise...
Já não estamos de tanga, vestimos uns "slips".
Mas vocês laranjinhas não podem criticar este abaixamento de impostos, foi isso que o vosso presidente pediu a Sócrates.

Nélson Faria disse...

Mr. Vermouth, ;)
(como lhe costumo chamar vermute quando estou com ele quis salientar que agora estava com a pronunciação correcta acrescentando um Mr. eheh)

"Nós" somos a favor da descida de impostos, mas concordamos contigo quando dizes que preferimos que seja o IRC ou, a ser o IVA, que haja uma descida real para gerar uma onda junto do consumidor. Não 1%

Acho que não estamos muito longe do que defendes e do que defende a MFL...

Nélson Faria disse...

Clap, clap clap para o guilherme!

Tá na hora de mandar esta gente embora... se simplesmente desejar bastasse diogo ;)

jfd disse...

Este Né é engraçado :) É É :)

Diogo Agostinho disse...

Não é apenas desejar! É espalhar a mensagem e a vontade! Começa assim! Não te esqueças que em Portugal o poder não se conquista! O poder perde-se!

A hora está a chegar e a mensagem tem que ser essa mesmo!

Chegou a hora de irem embora!

José Pedro Salgado disse...

O problema com os impostos é que se subir se nota logo, a descida não é bem assim.

Se eu vendo um produto por x (sendo que x=preço base+21% de IVA) e o governo baixa o IVA, o que eu oiço não é uma diminuição no preço final, é um aumento na margem de lucro. Afinal, o preço pedido pelo produto já se consolidou no mercado, 1% não é tanto quanto isso que varie a procura, e se quiser mesmo compensar o consumidor, mais vale aumentar o preço abaixo da inflação do que começar a perder dinheiro já.