domingo, março 16, 2008

Il ne regrette rien



"É soltando o trecho Je ne regrette rien, uma das composições que eternizou a artista francesa Edith Piaf, que Alberto João Jardim recua 30 anos e condensa o que foram os seus três decénios à frente dos destinos da Região Autónoma da Madeira." in Sol

Incontornável. Idolatrado por uns, odiado por outros. O legado que deixou à Madeira, ninguém contesta.

Já critiquei algumas posições de Alberto João aqui no Psicolaranja. Mas permitam-me homenagear, aquele que é um dos grandes líderes do nosso país.

26 comentários:

jfd disse...

Ó Margarida, deu-te pro lado sentimental da coisa ao ler a notícia é? Ou tens pensado muito no Senhor? ;)
LOLOL
Bom fair play, sim senhora;)
Beijoca!!!

Inês Rocheta Cassiano disse...

Alberto João Jardim é de facto um dos políticos mais notáveis dos nossos tempos.
Muitas vezes foi apelidado de corrupto, autoritarista e que não dava lugar à liberdade da oposição, mas a verdade dos factos é que sempre governou com maioria absoluta e conseguiu levar a cabo um projecto de desenvolvimento e crescimento do arquipélago da Madeira.

Quer se goste ou não, é impossível deixar de lhe notar crédito.

Bruno disse...

Jorge, acho que a Margarida andava desertinha para por a Piaf aqui no Psico e até "engole" dizer bem do AJJ só para poder fazê-lo ;)

Em relação ao tema lançado, deixem-me começar por vos dizer a palavra que acho melhor para definir Alberto João: competente! Com tanta falta de competência neste país, particularmente na classe política, um homem com obra feita como ele tem que ser - pelo menos - reconhecido!

Depois podemos criticar-lhe o estilo, algumas tiradas menos felizes, pensar se não será pouco democrata, tudo o que nos apetecer. Mas apoucar a sua obra com a conversa de que teve sempre muito dinheiro para gastar é sinónimo de dor de cotovelo ou de simples falta de argumentação.

Em relação à frase que leva a que este post surja, ela define na perfeição a atitude de Jardim. Sem se preocupar muito com o que dizem ou pensam dele, sem olhar muito para o passado, sempre a reinventar novas formas de se divertir a fazer o seu trabalho!

Mesmo não sendo eu madeirense diria:
Alberto João, Alberto Amigo
A lutar a vida inteira
Com o povo sempre contigo
Sempre, sempre pela Madeira!

Francisca Soromenho disse...

Grande post Margarida.
E, Bruno, «(...)a palavra que acho melhor para definir Alberto João: competente!» - está tudo dito!

Margarida Balseiro Lopes disse...

Estarão todos certos, em parte.

Jorge,
quando li a notícia confesso que fiz o paralelismo entre a instabilidade já duradoura do PSD nacional e da "pax augusta" do PSD-M.

Inês,
Subscrevo todas as tuas palavras.

Bruno,
E não é que até tens alguma razão? Depois de ver pela 2ª vez o filme "la vie en rose", estava ansiosa por colocar aqui no Psico a cena final. ;)

Xica,
regozijo-me por te ver "feeling psico"!

Paulo Colaço disse...

Ecoarão para sempre as seguintes palavras "querem tirar à Madeira / o que é nosso / o que é da gente"

Foi ao som desse hino que o PSD deu a última das grandes pancadas numa oposição assente na maledicência e no fala-baratismo!

antónio pessoa disse...

Se eu fosse a Alberto João, pelo menos uma coisa lamentaria: a pobreza franciscana que se vive em Câmara de Lobos...

Margarida Balseiro Lopes disse...

Quanto à situação específica que refere, caro António Pessoa, não conheço particularmente a Câmara de Lobos para lhe poder responder. Esperemos pela resposta da nossa Lisete. ;)

jfd disse...

O Pessoa tem alguma razão.
É um dos locais mais bonitos da Ilha, muito pela generosidade das pessoas.
Mas andar por ali, ver aquela beleza e sentir o que por lá se sofre e sofreu, é pesado.

Paulo Colaço disse...

Guida, o concelho de "Câmara de Lobos" foi em tempos considerado um dos mais pobres da Europa.

É uma terra lindíssima, onde se come muito bem mas com agregados familiares paupérrimos.

Acho que já se está a mudar um pouco isso mas AJJ e o Governo regional ainda terão muito trabalho pela frente.

Bruno disse...

Não tinha conhecimento dessa situação de Câmara de Lobos. Mas lembro que - ao que sei - toda a ilha sofria desse mal quando Alberto João "pegou no leme".

Não é fácil gerir uma região autónoma. Principalmente num país como Portugal. E tem sido esse o grande trunfo de AJJ: independentemente de quem está no poder em Lisboa, ele defende sempre o seu povo com unhas e dentes, juntando uma argumentação e poder de negociação notáveis.

Não me esqueço de ver, na TVI, Miguel Sousa Tavares na sua típica atitude "bestial" (espero que percebam o trocadilho...) dizer que a Madeira tinha dos Kms de estrada mais caros do Mundo. Dizia aquilo como se não fosse fácil de perceber que construir estradas no meio de calhaus e precipícios não é bem o mesmo que terraplanar e meter alcatrão por cima...

Lisete Rodrigues disse...

Completam-se hoje 30 anos desde a primeira tomada de posse de Alberto João Jardim como presidente do Governo Regional.
Eis, entre tantas outras, duas ou três razões pelas quais AJJ será sempre «o Presidente»:
. «A Madeira recebeu, três meses antes da entrada plena de POrtugal na CEE, em Outubro de 1985, a primeira cimeira do poder local e regional, com Jardim a menifestar que era o momento de 2arquitectar uma articulação em termos internacionais, quer na representação das regiões, quer na dos municípios.»
. «Há momentos em que, perante o significado e a grandeza das obras, as palavras são escusadas". Estas foram, provavelmente, as palavras de Jardim, ao longo de trinta anos de Governo, que o povo jamais vai esquecer. Foram ditas a 15 de Setembro de 2000 perante as milhares de testemunhas que viam inaugurada a obra do século, aquela pela qual lutpu vinte anos» (Aeroporto da Madeira)
. «Inevitável e previsivelmente, Jardim foi o grande vencedor das eleições na Madeira em outubro de 2004.(...)Foi a oitava vitória de Jardim nas regionais e a 37ª em actos eleitorais.(...)»
Estes pequenos bocadinhos são parte de uma grande entrevista que o Jornal da Madeira faz a AJJ: «O homem...e o presidente». Está engraçada, desde a parte em que come omolete em Belém com vergonha de tirar as espinhas ao peixe...até ao gato que tem na Quinta Vigia para não deixar os ratos entrarem!

Quanto à pobreza,infelizmente que a há. Há duas semanas foram inaugurados dois edifícios de habitação social dentro de um dos bairros mais pobres de Câmara de Lobos e a autarquia local começou a proceder ao arranjo de jardins, num projecto que envolve a comunidade local...
Hoje, felizmente,Câmara de Lobos já é outra. As condições foram dadas...mas como em tudo, o mais difícil é mudar comportamentos, atitudes...e os problemas socais estão intimamente ligados a estes...

Tânia Martins disse...

Eu concordo com o Bruno, a Margarida queria era pôr a Piaf a cantar no psico :p!

Já quase tudo foi dito, não venho aqui dizer nada de novo, mas dizer o que acho!
AJJ apesar de ter o seu tom de arrogante perante o Continente, é talvez um dos maiores bens que a Madeira possui. Não só pela competência, mas pela dedicação que demonstra ter pela ilha e pelo patriotismo madeirense que se realçam nos seus discursos.

De facto Margarida, esta música insere-se bem na pessoa de AJJ, excelente!

Nélson Faria disse...

Todos conhecem a minha relação amor-ódio com AJJ: adoro o estilo mas apenas por ser ele. Outro qualquer seria um desqualificado.

AJJ é o último social-democrata do PSD... esperemos que os novos ventos permitam uma governação mais liberal na Madeira.

Paulo Colaço disse...

Já agora, parabéns Guida por teres postado o teu primeiro vídeo do youtube no Psico!
:)

Margarida Balseiro Lopes disse...

Estava a ver que ninguém reparava. ;)

Margarida Balseiro Lopes disse...

"Madeira: Líder PS-M acusa Jardim de ter responsabilidades na propaganda e atentados terroristas da FLAMA
O líder do PS-M, João Carlos Gouveia, acusou hoje Alberto João Jardim de ser portador de um projecto separatista para a Madeira e de ter responsabilidade "na propaganda e nos atentados terroristas da FLAMA".

Para o líder socialista na Região, Jardim foi o "primeiro beneficiário e promotor" da actividade que a FLAMA desenvolveu no pós 25 de Abril de 1974.

A FLAMA foi um movimento separatista da Madeira que apareceu logo após o 25 de Abril de 1974 para lutar contra a viragem de esquerda do país liderada pelo PCP tendo desenvolvido acções de intimidação e bombistas contra sectores de esquerda.

"Alberto João Jardim foi responsável, como outros também tiveram [responsabilidades], na propaganda e nos atentados terroristas da FLAMA, cuja actividade era dispersa, difusa e avulsa", diz João Carlos Gouveia a propósito dos 30 anos de governação de Alberto João Jardim.

João Carlos Gouveia lembra que a partir de 1978, após a tomada de posse de Alberto João Jardim como presidente do Governo Regional, a actividade da FLAMA extingue-se: "até 1978 e depois do 25 de Novembro, da Constituinte e do primeiro governo constitucional as acções acabam sendo a última o atentado à viatura da Polícia Judiciária cujos inspectores vinham investigar as suas actividades".

Diz que as eleições têm sido uma forma de Alberto João Jardim plebiscitar continuamente o seu projecto separatista e aponta alguns marcos simbólicos: a bandeira da Madeira, as cores azul e amarela das bancadas do estádio dos Barreiros, das flores de papel que ornamentam as festas populares e arraiais, o nome dos barcos "Pátria" e "Independência" utilizados nas ligações entre o Funchal e Porto Santo "e ontem [segunda-feira] , no Porto Santo, no dia dos 30 anos de governação, exibia um boné da Catalunha na praia do Porto Santo".

Aponta ainda que as festas do PSD-M no Chão da Lagoa "acabam com o hino da FLAMA, o "Madeira és livre"...".

"Pergunto se o dr. Luís Filipe Menezes no próximo Verão, na festa do PSD-M, se entoará o Hino da FLAMA", acrescentou.

João Carlos Gouveia, que já foi condenado em Tribunal por crime de difamação a pagar 1500 euros de multa e uma indemnização de 35 mil euros a Alberto João Jardim, diz ter direito à opinião e de fazer esta interpretação histórica dos 30 anos últimos anos da história da Madeira." in Lusa


Oferece-me dizer: "la vie en rose", meus caros!

Lisete Rodrigues disse...

Só para relembrar que há bem pouco tempo foi penhorado 1/3 do ordenado desse senhor por ordem do tribunal, na sequência de um processo que AJJ lhe colocou por difamação...

Paulo Colaço disse...

Lisete, o mais curtido foi AJJ dizer que daria o dinheiro aos pobres.
Que barrigada de riso!!!

Margarida Balseiro Lopes disse...

Sim, e julgo que AJJ entregou os 35000€ que o senhor teve que pagar a uma instituição de solidariedade social. AJJ é grande!

Paulo Colaço disse...

Este Gouveia tem problemas?

Margarida Balseiro Lopes disse...

Com a justiça tem certamente... ;)

Noutro dia, deu uma reportagem na SIC com ele, em que o apelidavam de "homem sem medo" ou algo do género. Parece que é um "expert" em fazer acusações, declarações polémicas, que se têm revelado infundadas. Devolvo-te a pergunta, Paulo. ;)

Margarida Balseiro Lopes disse...

"João Carlos Gouveia é vereador na Câmara Municipal de São Vicente desde 2005.Por causa de um diferendo com o presidente do Governo Regional da Madeira, Alberto João Jardim, em que escreveu um artigo acusando a Madeira de ser "um paraíso criminal", foi condenado, em Abril de 2006, pelo Tribunal do Funchal, a uma multa de 1500 euros pelo crime de difamação, de que se recusa pagar."Respeito as decisões dos Tribunais mas entre pagar e ser preso, prefiro ser preso. É uma questão pessoal, o poder judicial tem mecanismos para actuar e tomar uma decisão", disse João Gouveia. Relativamente a este caso, adiantou ter já pago as custas judiciais, cerca de 2000 euros, "muito superior à multa o que demonstra não estar de má vontade mas que não pagar a multa é uma questão pessoal".Na altura, Alberto João Jardim pediu uma indemnização cível de 70 mil euros, de que o Tribunal do Funchal absolveu o arguido.No entanto o recurso, do presidente do Governo Regional para o Tribunal Administrativo de Lisboa, acabou por ditar a obrigação do pagamento de 35 mil euros ao ofendido."Será integralmente pago por mim próprio e por um fundo de solidariedade de cidadãos que sentem terem sido também condenados por esta sentença", disse João Carlos Gouveia"
in DN do Funchal

Lisete Rodrigues disse...

João Carlos Gouveia candidatou-se quatro vezes à liderança do PS-Madeira. Perdeu as eleições internas nas primeiras três tentativas que fez.

O líder do PS-Madeira foi alvo de campanhas de difamação até no interior do PS-Madeira.

Por cá, é acusado de encabeçar um PS-M de não ter objectivos concretos, de não apresentar propostas, de não conseguir manter o partido unido.

Palavras para quê...?
Um pior que o outro...A alternância democrática no GR madeirense não acontece essencialmente por duas razões:
1ª - Existe um AJJ
2º - Os sucessivos líderes do PS/M simplesmente não são considerados uma verdadeira alternativa para o poder. Um pior que o outro...de verdade!

Anónimo disse...

Engraçado ;)
http://31daarmada.blogs.sapo.pt/1443325.html

José Pedro Salgado disse...

Podem criticar o que quiserem de AJJ.

A verdade é que sempre fez o seu dever. Trabalhou pela Madeira. Foi para isso que foi eleito.