sábado, setembro 29, 2007

Uma noite de nevoeiro?

Hoje fui votar. Em branco, sinal de que nenhum dos candidatos, na minha opinião, servia.
Dou por mim, agora, algo triste pelo resultado desta eleição. Talvez por pensar que se estou aqui a escrever este post foi porque fui à Universidade de Verão, e ver o Carlos Coelho derrotado fez-me pensar que a UV como a conhecemos pode mesmo ter acabado esta noite.

Marques Mendes não liderou, e hoje teve a resposta dos militantes. Mas será que o que queremos é Luis Filipe Menezes? Continuo a achar que nem todos os meios justificam os fins, e a candidatura do autarca de Gaia destrui muito e será difícil congregar. Vamos ver, não há motivo para acharmos que tudo será uma catástrofe.
Mas cabe-me deixar algumas questões: continuará a ser Presidente da Câmara Municipal de Gaia? Quem vai enfrentar Sócrates nos debates mensais na AR se não é deputado? É verdade que a UV e a UPL são para acabar?

Morais Sarmento deu uma entrevista muito interessante ao Expresso dizendo coisas como "Considero que nenhum deles tem condições para liderar o partido" e que "já havia PSD antes destes dois senhores e haverá depois deles", para além de deixar implícito que entre estas directas e as eleições de 2009 pode ser que conheçamos um novo líder.

Eu pergunto: onde estava este senhor quando se convocaram estas directas?

Não é a primeira crise na história do PSD, não será a última.

60 comentários:

Anónimo disse...

consideram que o "fim" do PSD será uma oportunidade para o renascimento do CDS/PP(tendo em conta que este "líder" não é deputado da AR)?

Bruno disse...

Também já dei por mim a pensar no que será da UV... e também já me irritou a injustiça de mais uma vez ver sair como derrotado um amigo, um grande miltante (o melhor que conheço!), um excelente dirigente e um quadro valiosíssimo do PSD: o Nuno Matias que parece ter tanta capacidade de inspirar os seus apoiantes como de apoiar candidatos desinspirados.

A determinada altura do debate sobre as capacidades de Marques Mendes, o Paulo Colaço disse que os líderes bebem e comem muito nos seus apoiantes. Pois bem, MM tinha ao seu lado muitos dos que considero, neste momento, as figuras do Partido. Por aí, é negativa a sua derrota!

O que será o PSD com Menezes? Será o que quisermos dele. Nós, militantes mas também o novo Presidente. LFM pode contar comigo para tudo aquilo que for benéfico para o PSD! Não fui seu apoiante na candidatura mas estou com ele de alma e coração na presidência.

Ele que acredite que eu tenho fé na sua liderança. Ele - por favor - que não me desiluda. O título do meu post, anterior a este da Xana, é demonstrador do meu sentimento.

Bruno disse...

Xana, não te fica uma mágoa por teres votado em branco? A mim fica-me uma grande mágoa não por ti que não tinhas a obrigação de assumires uma posição mas sim pela cobardia e falta de respeito ao partido de pessoas como Manuela Ferreira Leite, Morais Sarmento (que tristes declarações...) e todos aqueles que preferiram o conforto do lar ao risco de uma corrida eleitoral.

O Partido não merece essa indiferença. Eles agora merecerão que o partido os ignore...

jfd disse...

Venha o PSD
Hoje perdi, perdemos, ganharam outros.
Senti na pele.
Conti-me na despedida de quem detestei, ignorei, e aprendi a admirar!
Ouvi o discurso do novo lider.
Que seja como ele diz...
Viva o PSD

- a tristeza do abraço a quem deu muito a esta campanha e perdeu, a troca de olhares cabisbaixos... isto é tudo visceral. Mas não podemos ir abaixo. Animava-nos a PTdC "não vos quero com essas caras"
VIVA O PSD
Afinal somos todos democratas

Paulo Colaço disse...

Cara Xana,

A ti e a todos os que me disserem que votaram em branco, eu citarei Dante: "o lugar mais quente do Inferno está reservado àqueles que permanecem neutros em momentos de crise."

LEÃO DA ESTRELA disse...

Nas eleições para a liderança do PSD, o Sporting (Luís Filipe Menezes) derrotou o Benfica (Luís Marques Mendes) contra as previsões de muito boa gente, após um longo jogo com muitos protestos e lances duvidosos que nos últimos dias atiraram o clube da Rua de S. Caetano para o grau zero da política. É o que dá abrir um partido do arco governativo ao voto popular dos militantes. Com Santana Lopes (também do Sporting), prontinho para avançar para a primeira fila do Parlamento, ele que agora foi elevado à condição de herói nacional, e Luís Filipe Menezes, cá fora, a dar a táctica, José Sócrates, que é do Benfica, que se cuide...

joana barata lopes disse...

Questiono-me sempre qt ao voto em branco.A sua função.O seu resultado.Nunca votei em branco.Mas concordo que possa servir em certas situações.
É triste termos de escolher o mal menor?É,sem dúvida.Por esse claro sinal de pobreza.
Mas,honestamente,era igual que lá estivesse um e outro?Não.E é aí q o voto branco já n serve.Porque s o resultado nos for realmente indiferente,podemos votar em branco e desresponsabilizar-nos.Sem mágoa.Sem tristeza.Sem qqr tipo de pseudo saudosismo e apreensão.Mas s nos entristece,por esta ou akela razão,s nos preocupa,então votar em branco não serve.
Votei Mendes sem grande entusiasmo,infelizmente.Mas sinto-me legitimada para,agora,sentir apreensão.É que,p mim,a liderança do meu partido não foi indiferente.

Aos q querem firmemente acreditar (ou fazer acreditar...)q a UV e o Carlos Coelho funcionaram como uma qqr forma de cacique encapotada: Meus Srs,tnham mais fé no vosso próprio discernimento...
E na ideia absurda d uma qqr fonte de bloqueio a menezistas na selecção dos alunos, relembro - muitos foram os q tive o prazer de conhecer.Talvez pk estavam lá...

O Menezes ganhou.E,tal como o Bruno,quero mesmo q td lhe corra plo melhor.Q td nos corra plo melhor.E contará cmg,concerteza,a 100%.

Nélson Faria disse...

A UV continuará... Carlos Coelho trabalhou o suficiente para a tornar incontornável.

A minha CPS não tomou posição e o voto em branco é legítimo: nem todos temos de nos render a lógicas maniqueístas ou à ditadura do voto útil.

Votou-se, houve um vencedor, respeitemo-lo.

Agora está na altura de servir o Partido. The show must go on!

Davide Ferreira disse...

Costuma-se dizer que na democracia a que dar mérito ao vencedor.

Luis Filipe Menezes apesar de não ser o candidato que ambicionava ver a frente do partido, foi de facto mais forte que o Marques Mendes.

Muitos serão aqueles que nunca sendo menezistas o passaram a ser deste pequenos... tal como aconteceu anteriormente com outros lideres.

Espero que agora se possa olhar em frente e arrepiar caminho para se demonstrar que temos uma alternativa a José Socrates.

xana disse...

O voto em branco não é assim tão sinónimo de neutralidade, diria que é mais sinal de descontentamento.

Se fosse indiferença, de certeza que não teria tido o trabalho de ir à minha secção votar depois de um dia longo.

O voto branco para mim serviu. Serviu para eu estar, hoje, de consciência tranquila, porque não dei o meu voto a quem sempre critiquei. Por uma questão de coerência, e pelo facto de não sentir o peso da responsabilidade ao ponto de ter de escolher o mal menor.

Master, no inferno encontramo-nos todos! E não deve ser por causa do voto de ontem... ehehe ;)

Sara Gonçalves Brito disse...

Quando li esta postagem da Xana subscrevia integralmente.
Também até então nunca percebia quem votava em branco mas nestas eleições fiquei tão "dúbia" que não consegui rever o meu voto em nenhum dos candidatos.
Se os "brancos" ficarão impunes!? Claro que não. Mas nem os derrotados ficam nem mesmo os vencedores...
O que defendi sempre é que era urgente mudar algo no PSD. Tive esse feed-back de apoiantes do partido, opositores e até de apartidários... assim não iamos a lado nenhum. Se iremos ficar bem com este líder? Não sei. Se iremos caminhar para o "abismo"? Também não sei...
O sentimento, esse, não é feliz. Mas mais triste para mim é que não seria com nenhum...
Agora, com diz o Bruno, há que fazer deste nosso partido algo de bom e continuar a trabalhar e sei que todos os que aqui participam fazem-no com real convicção :)

Filipe de Arede Nunes disse...

Cabe-me deixar o meu pensamento sobre o tema.
Votei em branco e estou feliz. Ao longo das últimas semanas confirmei o que pensava antes. Menezes é demagógico, é demasiado popular, fez de "Zé Maria" e os militantes do PSD comoveram-se com isso. Os apoiante de Menezes são do pior que temos no PSD. Que falta de qualidade na hora do discurso, que falta de seriedade na hora da vitória e da resposta às perguntas.
Foram 5000 votos de diferença! Contra factos há poucos argumentos.
Mendes completamente sozinho todo o tempo. Mendes nem conseguiu ser sério. A sombras das quotas, foi mais do que isso, foi machadada dos aparelhistas que não conseguem largar o poder. Mendes aceitou que seus apoiantes passagem macissamente quotas em vários locais do país. Se vivessemos num partido sério haveriam muitas cabeças a rolar. O que se passou foi uma vergonha. Mendes não é melhor que Menezes.
O partido esta a bater no fundo. Não acredito em sebastianismos, e estou farto do saudosismo! É preciso tirar conclusões do que se passou.
Estou cá, ao contrário do que esperava. O voto em branco foi a consciência de que estes homens (e seus apoiantes) não são a imagem daquilo em que acredito. O voto em branco, foi também pela falta de ideias e de projectos. O Colaço que me perdoe, mas o inferno é para aqueles que compactuam com ilegalidades e que apoiam candidatos sem ideias. Não é isso que quero para o meu partido.
Como disse o meu amigo Davide, começam já a nascer aqueles que apoiam o Menezes desde a infancia. Afinal, nunca se sabe o que pode acontecer no futuro, e é melhor salvaguardar a possibilidade de arranjar um "tacho" daqui a uns tempos.
Finalmente, Bruno, os derrotados têm de retirar consequências dos seus actos. Todos os derrotados. Como na minha opinião o maior derrotado - independentemente de quem fosse o vencedor - foi o partido, seria bom que começassemos, como acontece neste espaço, a retirar conclusões para o futuro.
Cumprimentos,
Filipe de Arede Nunes

Filipe de Arede Nunes disse...

Errata!
Onde se lê macissamente, leia-se massivamente!
As minhas desculpas.

José Pedro Salgado disse...

Por paradoxal que possa parecer, tendo em conta todo o mediatismo dado a roupa suja desta campanha, nos últimos tempos vim a alterar a minha perspectiva dos candidatos.

Defendia, no começo da campanha, que a escolha seri por um mal menor, porque ambos os candidatos seriam más escolhas.

Desde então alterei a minha opinião. Ao invés de me deixar levar pelo detractismo/pessimismo, fiz um esforço (por vezes difícil, tendo em conta a onda de negativismo que acompanhou este processo) para conhecer melhor os candidatos e centrar-me nas sua virtudes (que muitas vezes não passam da outra face dos seus defeitos).

Acabei assim por me colocar numa nova situação de indecisão, necessitando de decidir qual das estratégias que augurava para cada um seria a mais adequada.

Acabei por votar em Marques Mendes. Achei que, pelo que era previsível, teria a melhor estratégia.

Ganhou Luis Filipe Menezes. Parabenizo-o e disponibilizo-me a dar-lhe todo o apoio que possa pelo bem partido.

E, mais importante, peço-lhe que me dê motivos válidos para acreditar que errei por não votar em si.

Respondendo ao primeiro anónimo: existem imensas pessoas válidas no grupo parlamentar para responder a Sócrates.

Isso sem falar que a AR não é o único espaço de discussão pública.

Tiago Dias disse...

Bom. Eu vou escrever um post sem lume por uma vez na vida.
Apoiei Marques Mendes; integrei a lista de delegados apoiada por Marques Mendes no Porto. Perdi porque apoiei o candidato que perdeu; ganhei porque a minha lista ganhou. Passo a explicar: no Porto (concelho) aconteceu algo insólito. Um autêntico case study que me deu um novo ânimo para acreditar que a história da "carneirada" que vai votar a reboque, nem sempre se verifica. É que a Menezes ganhou 376-296 a Marques Mendes mas a lista de delegados apoiada por marques mendes ganhou 376-303. Estranho? Não. Invulgar. O resultado é diâmetralmente oposto e significa quanto a mim o seguinte: os militantes no Porto quiseram mudar. Goste-se ou não, há que respeitar essa vontade e aceitar que a leitura é essa. No Porto a maioria dos militantes não queriam mais Marques Mendes e votaram Menezes. Mas, os mesmos militantes optaram por votar na lista A dos delegados. Por os delegados serem melhores que os da B? Não. Tanto a Lista A como a B tinham nomes fortissimos e de excelente qualidade. A questão é que o subscritor da lista A chama-se Rui Rio. Façam as vossas leituras pois gostaria de saber se corroboram a minha que não a transmito aqui. Respeitemos agora todos o líder do Partido. Apoiemos mesmo quando acharmos que somos úteis. Cumps.

Margarida Balseiro Lopes disse...

Não costumo concordar com Pacheco Pereira. Mas hoje, ao ler o seu blog tive que lhe tirar o chapeu. Eis algumas das suas considerações:

"Uma coisa que morreu ontem: os últimos restos do processo de refiliação de Rui Rio, os últimos restos de alguma moralização da vida interna para garantir a democracia dentro do partido. A partir de agora algumas das pessoas que andavam aos saltos na candidatura de Menezes vão-se encarregar de garantir que aquilo que sempre souberam fazer nas suas secções se vai estender a todo o partido. A blindagem contra surpresas futuras vai ser total, porque eles não brincam em serviço. Se alguém pensa que Manuelas Ferreira Leite, Rios, Relvas, ou seja lá quem for podem ganhar alguma vez contra alguns daqueles profissionais, está bem enganado. Terão que fazer alianças com eles.
Uma das razões porque Menezes ganhou foi porque assumiu o papel de sindicalista do aparelho do partido, como já tinha sido com Valentim Loureiro contra as propostas de Rio. Não foi a única razão, mas foi importante. prometeu-lhes todos os despojos de guerra, os lugares de deputados, do Parlamento Europeu, das autarquias, empregos, tudo. Isto foi uma força em campanha, mas vai ser uma fraqueza no deliver. É que agora vai-se defrontar com a escassez, não há lugares para todos."

xana disse...

Partilho do teu pensamento Margot, também não costumo concordar com Pacheco Pereira, mas neste processo eleitoral, antes e depois, penso que as suas palavras são muito acertadas.
De facto, e até respondendo ao que o último anónimo comentou no post do Bruno, Menezes vai ter que inventar porque não há poiso para todos.

Ontem a Sic Noticias entrou em contacto com Isaltino Morais. Curioso. E assim vai começar o retorno, ainda que continue a achar tremendamente injusto que se compare Isaltino a Valentim.

Numa coisa concordo com Morais Sarmento: havia PSD antes e haverá PSD depois desta liderança. E é isso que me deixa ligada, talvez, à reminiscência dos tempos que me fizeram social democrata.

antónio pessoa disse...

Senhora Xana:

Se houvesse comprimidos para a incoerência, recomendaria que tomasse uum frasco inteiro: primeiro diz que vota em branco porque não se revê em nenhuns dos candidatos. Depois manifesta-se apreensiva por ter ganho um deles. Finalmente concordar com Pacheco Pereira que lança um forte ataque a todos aqueles que por acção ou omissão deram a vitória a Menezes.
A mim parece-me tudo muito incoerente, mas na política já estamos à espera disso. Esquecem-se do que disseram ou fizeram minuto anterior.
Não sei onde esteve Morais Sarmento, mas tanto ele como a senhora estiveram muito próximos um do outro.
Concordo com o Dante, a neutralidade é um velado apoio aos maus.

isabel ferreira disse...

Concordo com o António Pessoa em relação à incoerência da Xana.
E, mais é tão incoerente que foi votar em branco e a seguir está triste com os resultados das eleições porque a UV pode acabar. Se achava que a UV ia acabar e que o Carlos Coelho ia ser derrotado...votasse nele e na sua equipa. "Depois da casa arrombada põem as trancas na porta".
Assim dá a sensação que votou em branco mas que queria q a Equipa onde se integra a UV e o Carlos Coelho ganhasse...só para não terminar a UV. Tudo termina e tudo se renova! Se a UV é mesmo uma grande iniciativa há-de continuar! Não há nada nem ninguém insubstituivel!

Anónimo disse...

"o Nuno Matias que parece ter tanta capacidade de inspirar os seus apoiantes como de apoiar candidatos desinspirados."
lol lol lol

Esse é outro elitista!

isabel ferreira disse...

"o Nuno Matias que parece ter tanta capacidade de inspirar os seus apoiantes como de apoiar candidatos desinspirados."

Subscrevo!

MB disse...

Partilhando do pragmatismo do Né, cumpre-me dizer que hoje é tempo de se olhar em frente e continuar a trabalhar. Quem sempre trabalhou, continuará. Quem nunca o fez, não vai começar agora. Quem tem valor, mantê-lo-á. Quem nunca o teve, não o vai ver emergir por geração espontânea. Quem tem carácter e sabe estar, não perderá certamente essas características.

So, the show must definitely go on!

O novo presidente do PSD será mais um presidente. De passagem como qualquer outro. É bom que saiba deixar uma marca positiva. Se não o fizer, cairá no esquecimento. Os presidentes passam, o PSD fica. Nem todos os presidentes são Líderes. Mas todos devem merecer o nosso respeito. Estilos não se discutem. Ou nos identificamos ou não.

Vejo aqui a referência a Elites. Não sejamos hipócritas. As elites existem e têm de existir. São as elites que assumem a condução dos processos. Esta é a realidade quer as pessoas gostem ou não. E quem normalmente fala com tanto despeito das elites e dos elitistas, é porque não convive bem com a sua condição de não-elite e ainda não descobriu que não é a denegrir o percurso dos outros que valorizamos o nosso. É a construir o nosso caminho, com empenho e dedicação que nos valorizamos e acedemos às elites! Se assim não fosse, jogávamos todos na selecção nacional de futebol. Mas não jogamos. A selecção das Quinas só está acessível à elite do futebol profissional. Verdade? Estes exemplos são sempre muito elucidativos. Se pensarem bem, até no bloco de esquerda existe uma elite. Não se veste como a elite da JSD, da JP, ou da JS. Não tem o mesmo discurso, nem frequenta os mesmos locais. Mas independentemente do "look rastafari", a elite do BE está claramente definida e não chega lá quem quer. Assim sendo, recomenda-se mais frontalidade na análise destas questões.

Finalmente, a Universidade de Verão e o GRANDE CARLOS COELHO.
Só quem nunca esteve na Universidade de Verão é que pode colocar em causa a sua qualidade e pertinência. Contrariamente ao que se diz por aí, a UV dá oportunidade a muitos jovens militantes, que não integram orgãos, de terem uma experiência fantástica de formação política. Alguns desses jovens são inclusivamente independentes. Não tenho conhecimento de muitas actividades que possibilitem este tipo de abertura "das elites" a jovens de todo o país. Também compreendo que, quem nunca viveu a experiência, não consiga perceber que há um elo que liga todos os alunos e staff da UV, independentemente do ano de frequência. Isso sim é um sentimento que só está acessível a uma elite de felizardos que por lá passou! Uma elite composta por pessoas de todo o país, de todas as idades, de ambos os géneros, e com percursos de vida tão distintos!

Sobre o Director da UV - Carlos Coelho - só me cabe dizer que é de facto uma referência para mim e para muita gente. Não é um processo como este que vai retirar qualquer valor à sua pessoa, bem pelo contrário. As pessoas que o vaiaram na sede de campanha de LFM deveriam mostrar mais respeito por alguém cujo percurso fala por si e que tem uma imagem tão forte no desempenho das suas funções. As atitudes de baixo nível ficam com quem as tem. Nada mais a dizer.

Agostinho Oliveira disse...

Apesar de tarde, acredito que ainda vá a tempo de tecer alguns comentários, que ao lume do que aqui foi dito, não me posso, nem quero alhear!


Ponto número 1 – as eleições para o novo líder do nosso partido, apesar de interessantes sob vários prismas, acabaram… Dr. Luís Felipe Menezes foi democraticamente escolhido pelos militantes, e se assim sucedeu, é porque no cômputo geral a família social-democrata viu nele o homem em que acredita!
Apoiantes ou não, continuamos ideologicamente comprometidos com os mesmos ideais e não nos podemos denegrir, nem a nós, nem ao partido pelo causuísmo da volatilidade do empenho, força, coragem, trabalho e ambição (que desde sempre nos caracterizaram), em favor deste ou aquele candidato que mais se enquadra nos nossos cânones de líder! – Recuso-me a dar razão a todos os meus colegas universitários, de partidos cuja representatividade na sociedade portuguesa é menor, e que por várias vezes nos criticam e apelidam de meninos “tachistas” e “jotinhas manipulados” – Contudo, sei bem que isso não vai acontecer!

Ponto número 2 – Acabar com a UV seria acabar com uma identidade nacional, com um símbolo de prestígio, união e fonte de conhecimento do PSD perante a sociedade – estar informado, cultivar-se, saber como e do que se fala, renascer nos jovens o gosto pela politica e o interesse pelos rumos deste país combatendo o marasmo e a apatia da geração “morangos com açúcar” – se isto é ser elitista, se isto é querer ser mais que os outros ou superiorizar-se? Então eu, como ex-aluno sou o primeiro a considerar-me culpado!!! Eu estive lá, ninguém me privou da liberdade de pensamento ou me fez uma lavagem cerebral (é que eu, ando piamente farto destes chavões que ao fim e ao cabo se resumem a nada, ninguém pensa pelo outrem, e se o consegue é porque o outrem o consente e se o consente não serve para o partido, queremos entendimento sim senhora! Mas queremos também discussão... partilha de ideias e multiplicidade concluente que esta maravilhosa dialéctica dada pela democracia nos possibilita).
Os bons devem ficar, a época da caça ás bruxas já lá vai! Os que se sentiram melindrados no passado por “X” razões, neste novo hoje tem possibilidade de trabalhar e mostrar o seu valor – pelo trabalho e não pelo desdém – porque temos um “nível” a defender! O Dr. Carlos Coelho e a sua equipa são um bom exemplo do que é “bem fazer” – não se destrua, mas aprenda-se com o que de bom o passado nos presenteia…
Quanto ao amigo Matias, tive o prazer de o conhecer na UV, levou-me de novo a acreditar na política e neste sonho de mudar o mundo! Cada um é como cada qual, mas temos que perder a mania de misturar o pessoal com o profissional, a 1.º parte conheço tenuamente; a segunda, acredito, que pelas cartas na mesa, nada mais tenho a declarar.


Em suma, e até porque as linhas já vão longas, de todos os que comentam estas páginas serei certamente dos mais jovens, sou um “pata tenra” deste mundo, acredito nas utopias e nos contos de fada, não deixo de sonhar, e é este sonho que me faz crer, que uma dia todos os “astros que se movimentam ao redor da política o faço por gosto e não por interesses”, a velha máxima para mim ainda impera, “vive para a política e não da política!”.



Agostinho Oliveira
UV 2006

xana disse...

Agostinho igual a si mesmo!

São estas pessoas que conhecemos na UV, daí ser uma actividade tão especial.

A UV, creio eu, não será como a conhecemos com LFM a liderar o PSD. Parece-me legítimo que, como disse no post, tendo sido esse o momento comum a muitos de nós, que seja uma preocupação, embora não seja suficiente para ditar o meu voto nestas eleições. Naõ sejamos sectários.

Na vida ganha-se e perde-se, e é muito importante saber fazer as duas coisas. E na vida, como na política, temos que respeitar as decisões de todos, e parece-me sempre muito fácil apelidar as atitudes dos outros.
Não percebo este nervosismo todo. Como disse o Guto, já acabou. O Dr. Menezes é o presidente do PSD.

Depois destas eleições penso que o PSD pode retirar ilações daquilo que se quer como um processo democrático e legitimado de escolha do seu líder.

xana disse...

E já agora, a injustiça na vida, como na política, essa sim, é uma constante.

Um abraço para o Nuno Matias, um exemplo para muitos. Ou melhor, para todos.

José Pedro Salgado disse...

Retirado do Dicionário On-Line da Porto-Editora:

1.elitista

adjectivo 2 géneros

1. relativo ao elitismo;

2. que favorece o elitismo;

substantivo 2 géneros

partidário do elitismo;

(Do fr. élitiste, «id.»)

2.elitismo

substantivo masculino

sistema político ou social que favorece a elite, em prejuízo dos restantes membros do grupo ou da população;

(Do fr. élitisme, «id.»)

3.elite

substantivo feminino

1. minoria prestigiada constituída por aqueles que são considerados superiores;

2. o que há de melhor numa sociedade ou num determinado grupo;

(Do fr. élite, «id.»)


Assim, retiro ser elitista enquanto alguém que favorece o poder pelos melhores que existem num determinado grupo.

Não me choca.

Desconstruido o papão tenho-vos a dizer: eu sou elitista.

José Pedro Salgado disse...

Esqueci-me, mas não queria deixar de dizer:

O Nuno Matias é (de longe) uma elite por mérito próprio.

É, como disse o Bruno e a Xana, o melhor exemplo de militante em tudo o que faz.

Nuo Matias disse...

Caros Amigos,

Quero agradecer a atenção e a amizade que me dispensaram ao referirem-se à minha pessoa- sejam os que acham que eu sou elitista, sejam os que acham que não o sou.

Quero dizer-vos que sou tão bom militante como qualquer outro que Sente, que se Dedica, que Grita o nome do nosso PSD. Não sou melhor, não sou pior, tenho a mesma dedicação que todos vós e que muitos mais para além de nós.

Gosto muito da JSD, do PSD e de andar a fazer Política com Paixão e com Liberdade de dizer o que penso e de defender o que entendo melhor.

Como sabem apoiei, com convicção, o Dr. Marques Mendes. E quem me conhece, sabe, que mesmo agora depois de saber qual seria o resultado, voltaria a fazê-lo com a mesma Amizade e Lealdade.

Porque, para mim, há Valores que não estão dependentes das maiores eleitorais.

Mas também quero dizer-vos, que se critiquei o Dr. Menezes por ter feito oposição ao PSD e não nos ter ajudado a fazer Oposição ao Governo Socialista, não farei agora o mesmo, e não deixarei de criticar quem o faça.

Não votei nele, mas, ao contrário daquilo que ainda hoje acredito teria sido melhor para o partido, desde dia 29 de Setembro ele é também o meu Presidente.

Isto não quer dizer que eu agora Acredito e que o Apoio cegamente. Apenas quer dizer que continuo a Acreditar no PSD e no que ele tem e pode oferecer a Portugal!

É o meu sentimento de Militante...

Um Abraço Amigo a (mesmo!) todos!!!

Nuno Matias

Carlos Carvalho disse...

Não tenho muito mais a acrescentar ao que aqui já foi dito. Esta foi uma semana mais complicada, por questões pessoais, mas não me afastei da actualidade do partido que nasceu dos ideais que defendo.

Mantive a minha posição e votei, como militante que sou. Os resultados já são conhecidos, muitas reacções também.

Apesar de tudo o que se possa dizer eu tenho um tremendo vício. Sou viciado em pensar postivo. Acreditem que é mesmo vício, mas talvez seja um "vício positivo"...

Neste momento, aquilo que faço é olhar para a frente e pensar postivo, pensar laranja e desejar que tudo corra da melhor forma para o partido de todos nós.

Há sempre responsaveis e responsabilizados (engraçado...) e só no futuro poderemos perceber se foi, ou não, um bom ou mau caminho.

Como sou um «positivista» tenho esperança que não se termine com aquilo que considero ser uma das melhores coisas do PSD, a Universidade de Verão. Aliás, sem formação o futuro fica ameaçado. E devem ser reconhecidos todos os métodos a quem implementa tamanha qualidade nesta iniciativa!

Pensemos positivo!!! Malta, o caminho é para a frente!!!

Cabeça levantada, pelo NOSSO país, pelo NOSSO partido!

xana disse...

O Carlos Carvalho e o Diogo Agostinho juntos com o seu positivismo têm mais energia que uma pilha duracel! Mas é isso mesmo que precisamos.

E temos aqui o exemplo do Nuno Matias, que com tranquilidade olha para o dia de amanhã, pensando exactamente naquilo que sempre subsiste: o PSD.

Nervosismo, desilusão, ilusão, euforia à parte... meus senhores, temos um Governo socialista para andar debaixo de olho!

Carlos Carvalho disse...

Xana, temos um Governo dito socialista para denunciar! Mas, e acima de tudo, temos de provar que é dos ideais socias democratas que este país mais precisa. Provar que é a ideologia PSD que é capaz de tomar as medidas necessárias e acabar com a ilusão socialista.

Sócrates está ao nivel do Luis de Matos. Mas o 1º Ministro vai fazer desaparecer Portugal, e não um coelhinho qualquer...

BaBy_BoY_sWiM disse...

Eu apesar de achar que o Menezes não é a melhor alternativa... Era o melhor dos candidatos, contudo há um grande problema ele não é deputado...

Contudo agora temos que nos unir e apoiar o novo líder que nos irá conduzir a uma vitória em 2009!

PAZ, PÃO, POVO E LIBERDADE...

Anónimo disse...

http://sic.sapo.pt/online/scripts/2007/videopopup.aspx?videoId={89ECAC5C-2C4C-41C4-BE05-AA2FAAFD9EFF}

Vale a pena ver!
Todos têm um lugar....

Luis dos Santos disse...

E o day after?
Posso sugerir aos psicóticos que façam um novo inquerito, ou melhor, que se expressem a sua opinião em relação ao futuro.
1. Menezes. Deverá ou não continuar na CM Gaia? faz bem? mal? acham que abandonará? nao?

2. Mendes. E agora? o que vai fazer mendes? sentar-se ao lado dos deputados escolhidos numa noite de nevoeiro? foi presidente e perdeu! assumirá o seu lugar? ira leccionar? gerir?

Discutemos!

Tânia Martins disse...

Bem já muito foi dito e como tive um fim de semana sem cá vir já disseram quase tudo!

Alguns pontos:

1- Apoiava Marques Mendes também, fiquei desiludida com a derrota mas enfim agora resta ter fé numa boa liderança de Menezes, afinal somos PSD!

2- Quanto ao Nuno Matias subscrevo o que a Xana, o Bruno e muitos aqui disseram: um exemplo!

3- Quanto à discussão do elitismo não tenho muito a dizer! Porque acho escusada!

Respondendo ao Sr. Luís dos Santos:

1- Se souber gerir bem as duas posições que poderá ocupar não vejo porque não, se foi eleito líder do partido e se a população de Gaia conta com ele e pelo que vi o admira e muito não vejo mesmo porque não!

2- Penso que Marques Mendes poderá sentar-se na bancada como deputado pois não há qualquer vergonha em se perder penso eu!

Bruno disse...

Caro Luís dos Santos:

1 - Penso que Menezes deve ficar na Câmara. Não vejo qualquer dificuldade em gerir o partido enquanto continua a exercer o cargo. É verdade que a sede nacional fica a 300 Km de Gaia mas penso que não será por aí.

Agora, não sei se o vai fazer... penso que se fosse essa a sua intenção já o teria dito. Acredito que Menzes vá renunciar ao mandato. Seja como for, é uma primeira oportunidade de mostrarmos que sabemos respeitar o líder e apoiá-lo seja qual for a decisão. Desde que faça bem o seu trabalho como Presidente do PSD.

2 - Também aqui é diferente a mina ideia sobre o que Mendes devia fazer e o que eu acho que ele vai, efectivamente, fazer. Penso que Mendes deveria afastar-se. Era bom para si e talvez para o partido.

Mas acredito que não o faça. E compreendo-o. O seu grande cartão de visita é ter estado sempre lá, disposto à luta e poderá não querer fazer diferente agora. Por outro lado também há quem diga que não sabe fazer nada fora da política e esta seria uma boa oportunidade para provar o contrário.

Uma nota final para o desenvolvimento que este post teve: deveria ser muito mais o que nos une do que aquilo que nos separa...

alfredo oliveira disse...

Sentimento de perda devemos ter nós para com o Nosso País! Esse sim é o verdadeiro lesado com tudo isto.

Considerei – e considero – Luís Marques Mendes a melhor hipótese para que o PSD voltasse a ocupar o seu verdadeiro e legítimo lugar como Partido de fundamental importância na construção da democracia portuguesa no seu passado e no seu dia a dia. Seria, portanto uma perda enorme que este abandonasse – como alguns – a sua responsabilidade como deputado.

Ganhou Luís Filipe Menezes, é a ele que devemos respeito enquanto presidente do PSD, mas sobretudo devemos respeitar o Partido!

Interessa agora sim acabar com todas as (pseudo) divisões internas, ou pelo menos fazer com que estas não se acentuem, pois com isto perde o Nosso Partido e por conseguinte e deveras mais grave, o Nosso País por falta de Alternativa Credível.

O Nosso Partido dá provas disso todos os dias, com gente capaz e com iniciativas capazes! A Universidade de Verão é um dos melhores casos de empenhamento no futuro – se não mesmo o MELHOR! E isso devemos na sua maioria ao Carlos Coelho e ao Paulo Colaço, que certamente continuaram bem activos e empenhados!

Como muitos, considero Nuno Matias um exemplo a seguir! Um professor de ética que muita falta faz à "formalidade política" não apenas do nosso partido. Como ele e muitos, a paixão pela JSD e pelo PSD é desmedida, mas maior ainda devemos ter por Portugal e pela nossa terra – Alto Minho no meu caso!

Façamos, como sempre o fizemos, tudo por estes! Vemo-nos todos em congresso…uns na arena, outros nas galerias!

Até já!
Alfredo Oliveira

alfredo oliveira disse...

Errata.

Não continuaram mas continuarão!!!Mesmo com o engano, estou certo disso mesmo!!

Bruno disse...

É verdade: ainda ninguém deu os parabéns à Dri, pois não? Afinal ela é a Menezista aqui do Psico ;) Esperemos que o novo Presidente do Partido comece por ela a aproveitar os bons apoiantes que teve!

Anónimo disse...

marques mendes nao fica. marcelo anuniou ontem.

Anónimo disse...

Menezes ganhou e Mendes perdeu...
Têm que saber digerir as derrotas, porque quem não sabe perder também não sabe ganhar...

Estejam tranquilos com o futuro do PSD, e desejem que tipos como o Pacheco saiam do partido pois aqui não são úteis...

Esses nem o voto dele valem...

Precisamos é de trabalhadores e não de pseudo-intelectuais da treta que falam muito e fazem pouco (OU NADA)!!!

Viva o PSD!!!

isabel disse...

Precisamos é de trabalhadores e não de pseudo-intelectuais da treta que falam muito e fazem pouco (OU NADA)!!!
subscrevo!

Lisete disse...

Para dizer apenas que se o PSD quiser ser, de facto, Governo em 2009, o trabalho tem de começar já!

E há que Unir para Vencer!!

De resto, o sentimento e a posição que o Nuno Matias aqui deixou resume, e bem, esta questão...

jfd disse...

Eu gostava de voltar um pouco atrás, referindo o que disse o Tiago Dias no que toca à eleição de delegados da lista A no Porto... Gostaria de saber como foi essa eleição nas outras secções e que ambiente terá o nosso congresso XXX ??? Como jogará ou chocará a aparente clivagem? Ou será tudo como sempre foi? Hugz

Bruno disse...

Também estou para ver se o Congresso utiliza, por exemplo, aquela ridícula possibilidade estatutáriamente possível (como é possível?!) de chumbar a Comissão Política Nacional proposta pelo Presidente eleito pelas bases e, como tal, mandatado para a nomear...

E outras coisas, também estou para ver ;)

Nélson Faria disse...

Não me lembro se já o fiz mas, para o Nuno Matias, uma respeitosa vénia! Pela pessoa que és e pelo que simbolizas.

Lembro-me de em Agosto divertir-me, meramente como hipótese, haver uma maioria de delegados afectos ao MM e LFM como Presidente. Que salganhada!

Penso que o bom senso vai imperar, mas tudo dependerá também da atitude de LFM.

A CPN apresentada em Congresso terá de ser bem mais abrangente que a sua candidatura.

Estes são daqueles momentos em que vê a diferença entre um líder e um Presidente. Assim seja!

Bruno disse...

Concordo pelnamente contigo, Né! Mas será que um Presidente deverá ser obrigado a trabalhar com uma equipa que não seja da sua inteira confiança? Será que a vitória nas directas não é um mandato para que ele escolha livremente a sua equipa? Sim, será justo alguém não escolher livremente a sua equipa?

Mendonça disse...

Acho piada a este PSD. Confesso que agora aceito a publicidade: o PSD é, de facto, o partido mais português de Portugal. Porquê? Porque tal como no país, a dictomia bases/elites faz todo o sentido. Sobretudo, faz-me confusão que essas ditas elites que nos últimos anos não têm mechido uma palha, ajudando a cozinhar Mendes em lume brando, venham agora pedir aos Deuses que afastem Menezes. Que elite. Que vazio. Que capacidade esquizofrénica de programar tudo.

Correu-lhes mal. Porque, meus caros, quem hoje berra contra a vitória de Mendes são os mesmos que entalaram Santana Lopes. São os mesmos que nas costas gozavam com Mendes. São os mesmos que nem coragem tiveram para ligar ao seu colega de coligação no dia em que decidiram destruir a AD. São os mesmos que entregaram ao PSD a sua maior derrota numas eleições europeias. É destas elites que estamos a falar.

Meus caros. Ainda bem que aqui ainda ninguém falou contra o processo de eleição em escolha directa dos militantes. Mas já ouvi algumas críticas, curiosamente daqueles que um dia até as defenderam. Amigos, a Democracia não pode servir-nos ba vitória e revoltar-nos na derrota.

Para finalizar, é claro que vocês não esperariam outra coisa de mim: está aberto o caminho para a criação de uma verdadeira terceira via. UM PARTIDO VERDADEIRAMENTE LIBERAL SOCIAL!

xana disse...

Meu amigo Mendonça é sempre interessante ver a tua posição em relação a este PSD que já não é o teu.

Se alhar visto "de fora" consegues ser mais lúcido.

Vamos ver o que o futuro nos reserva. Só nos resta esperar para ver.

Bruno disse...

Também acho interessante a posição que o Mendonça aqui defendeu. E concordo com ele em quase tudo o que disse. Atenção que, em relação ao último parágrafo, não estou a dizer que vou aderir ao pseudo-partido dele ;)

Mas a verdade é que, ainda que não concorde com a escolha dos militantes nestas directas, é bonito ver como o partido deixou de ser uma coutada dos barões. Eurico de Melo deverá ter voltado a exclamar: "Que bonito é o meu Partido!". Eu não diria tanto mas...

Filipe de Arede Nunes disse...

Que engraçado, o que eu gostei foi mesmo do último paragrafo do Mendonça!

isabel ferreira disse...

Também gostei do último parágrafo do Mendonça!!! É desse partido liberal social que eu vou ser militante ;-)

Bruno disse...

Boa Amigo! Acho que já caçaste uma militante. Sim, porque não me parece que o Filipe vá sair do PSD. Talvez ele esteja com a esperança que o partido mude...

Isabel, se quiser o contacto do Mendonça pode pedir que eu vejo se ele me autoriza a dar ;)

Filipe de Arede Nunes disse...

Caro amigo Bruno.
Sabes bem que a única coisa que me faz continuar ligado ao PSD é mesmo a esperança que ele mude, porque desde há muito que não me revejo em muitas pessoas, em muitas ideias, em muitas políticas e formas de estar na vida.
Mas Bruno, também sabes que apesar de ser a ultima a morrer, a esperança também um dia se vai...
Cumprimentos,
Filipe de Arede Nunes

Bruno disse...

Sei sim, caro Filipe, sei sim. De ambas as coisa que disseste...

isabel ferreira disse...

Quando o Mendonça for pra frente com o novo partido PLS certamente que deixar por aqui e por ali o seu contacto.
Fico à espera !!!

"A mudança é sempre positiva"..."Tudo acaba, tudo muda, tudo se renova".

Anónimo disse...

Menezes à frente de José Sócrates
in Correio da Manhã / 6 de Outubro de 2007;O novo líder do PSD entrou directamente para o terceiro lugar da
tabela de avaliação dos líderes partidários, com a nota de 9,7 valores
(escala de 0 a 20), à frente de José Sócrates, com 8,9 valores,
segundo uma sondagem CM/Aximage.


http://www.luisfilipemenezes.com/2007/10/06/menezes-a-frente-de-jose-socrates/

Mendonça disse...

Amigos,
Para quem não sabe, o novo Partido Liberal Social está a crescer. Por enquanto, e por imperativos constitucionais, ainda se chama MOVIMENTO LIBERAL SOCIAL.

O grupo tem vindo a crescer. Aqueles que pensam como nós são cada vez mais. O grupo dos desiludidos com uma social-democracia velha e hipócrita, que insiste em ~cultivar este modelo social, vai aumentando.Os cansados com a esquerda imobilista são muitos. Os revoltados com os conservadores hipócritas são uma larga maioria.

Chegou a hora de valorizar o mérito. Valorizar a liberdade. Valorizar todos aqueles que arriscam, tomam iniciativa, criam postos de trabalho. Chegou a hora de descolonizar este ESTADÃO refém dos interesses de socialistas, sociais-democratas, comunistas e democratas-cristãos. Chegou a hora de repensar a assistência na Saúde - deixando o SNS a quem não pode recorrer a outro sistema. Subsidiar alunos em vez de escolas. Acabar com este modelo caduco da Segurança Social, dando espaço à autonomia individual.

Menos Estado = mais liberdade

www.liberal-social.org

isabel ferreira disse...

Pois...já vi o site liberal social...tá interessante. Terei que ver melhor pois defende algumas ideias nas quais eu não acredito. No entanto, a liberdade de expressão é isso mm: cada um tem o direito de acreditar no que quiser.
Muitos sucessos para o Liberal Social.

Paulo Colaço disse...

(Para neste post constar a minha opinião, transcrevo cópia do meu comentário publicado no artigo da Inês, O Rei Salomão, de 2 de Outubro)


Não sou hipócrita: acho que ganhou a pior pessoa e digo-o abertamente.

O meu partido tem o presidente de que mais me envergonho. Depois de um Santana, não pensei que podia haver líder mais embaraçoso.

No entanto, há que perceber que a sua vitória foi uma escolha clara da minoria que votou! Acho que não escolheram bem, mas escolheram como lhes apeteceu.

Sabemos todos de situações "complicadas" do ponto de vista regulamentar: gente a comprar votos, a pagar quotas alheia, a pressionar outros tantos, etc. No entanto, creio que em ambiente "puro" o resultado não seria diferente.

Aceito a derrota (não me distancio do candidato que apoiei, de quem gosto e que muito estimo) e tentarei viver com o resultado.

Ajudarei o partido em tudo! Aliás, como sempre! Em mais de 15 anos de militância laranja, nunca me recusei a colaborar com quem me derrotou nas urnas quando era a nossa bandeira que estava em causa.

Quanto à análise das eleições, segundo diversas conversas, nomeadamente com o Tiago Dias, apercebo-me que em inúmeras secções de maioria Menezes, as listas de delegados vencedoras foram as de Mendes.

Isso leva-me a pensar no seguinte: as pessoas querem uma liderança mais acutilante (Menezes já provou ser bom na oposição interna, veremos se será bom a malhar no Governo) mas não confiam nos homens de Menezes.

Veremos como corre o Congresso e se Menezes consegue maioria para as suas listas.

Veremos igualmente que listas serão essas... Creio que o principal problema de Menezes é ultrapassar a ideia de que as pessoas correctas, trabalhadoras e capazes estavam com Mendes (não estou a falar de elites mas sim de bons quadros) e que os arruaceiros estavam com Menezes. Isto apesar de haver gente competente com ele (Telmo Faria ou Ribau Esteves).
O pior são pessoas como Helena Lopes da Costa, Marco António Costa, Luís Cirilo, que poderão ser a ruína de uma liderança.

Estaremos cá para apreciar as opções do líder. Estou curioso: o que será que vai pesar nas suas escolhas: o controlo da estrutura ou a credibilidade?

Acho que os maiores dilemas do novo líder são: que equipa criar? como agradar apoiantes menos escrupulosos e de imagem desastrosa? como atrair gente capaz de fora do seu círculo? como dinamizar uma equipa que junta os capazes com os apenas caciqueiros?

Não é um problema inédito: todos acabam por ter de ceder a apoiantes imprestáveis. Mendes também os tinha. E alguns bem intoleráveis.

Confesso que estou curioso.

Nada farei para ajudar a prejudicar a nova liderança, mas volto a dizer: não sou hipócrita: desejo que a passagem de Menezes pela São Caetano seja rápida.

Mas já vos aviso: não esperem facilidades e normalidade nas próximas directas... Há uns tempos chamei "Lapa" a Putin por se agarrar ao Poder. Na altura (também) não me enganei.