segunda-feira, setembro 17, 2007

A ratoeira da humanidade


A diplomacia francesa faz um aviso à comunidade internacional: diz que o Mundo se deve preparar para uma guerra contra o Irão, face ao seu programa de armamento nuclear. Teerão já respondeu, acusando Paris de extremismo.

O ser humano sempre se quis exceder, ter mais, melhor. Desde os nossos mais primordiais tempos que descobrimos que o poder nos mantém à frente, pelo medo que inspira.

Como consequência, criámos a máquina apocalíptica oriunda da acção e reacção nuclear. Quando os pesos nos pratos da balança se equilibram, continua a bastar um cabelo para se desequilibrarem, por muito pesados que sejam.

E agora damos por nós como a caricata personagem felina, que ao se rodear centenas de ratoeiras para apanhar o rato, se apercebeu que se encontra encurralado por elas, e que basta a acção de uma para que as outras lhe reajam.

"Let us reply to ambition that is she herself that gives us a taste for solitude." -Montaigne

10 comentários:

xana disse...

Eu acho que o MNE francês quando fez aquela afirmação, não percebeu bem a repercussão que ia ter. Mas se não percebeu, claramente lhe falta algum tacto.

É de facto preocupante esta situação. Já assistimos a tanto, desde o 11 de Setembro, será que alguém acha mesmo que este equilíbrio vai durar para sempre?

Bruno disse...

Levantem a mão todos aqueles que se sentem confortáveis com o programa nuclear iraniano...

João Gomes disse...

O ocidente não pode responder ao extremismo de Teerão com mais extremismo - é tão simples como isto.

Guilherme Diaz-Bérrio disse...

Tudo bonito em teoria João, mas não se espere que o Ocidente fique a olhar passivamente enquanto um estado declaradamente agressivo (Se bem me lembro até declararam querer erradicar Israel do mapa) tenta criar uma arma nuclear.

Paulo Colaço disse...

De facto não se deve combater fogo com fogo… se o fogo não for o meio mais adequado!
Fogo combate-se, à partida, com água. Porém, quando esta se mostra infrutífera, seremos culpados em caso de omissão de meios mais certeiros.
Métodos drásticos existem para casos drásticos, quando tudo o resto falha.
É por isso que existem instrumentos como a prisão, o despedimento, a dissolução do parlamento, a ordem de expulsão da aula, a amputação, a guerra.
O problema Irão teve vários tipos de soluções propostas.
E tem agora esta palermice da França.
Palermice porque há situações em que a ameaça funciona mal: permite ao adversário afincar e preparar-se. E ganha-se o desfavor da opinião pública.

Métodos drásticos sim, ameaças tolas não!

jfd disse...

Meus caros,
esta nova França assusta........
O que virá daí?
Como será o populismo gaulês no séc XXI pós NYC, Madrid e Londres???
Se fico feliz ao ouvir a frança combater a ditadura do BCE e do jurozito alto e a porcaria da inflação, fico preocupado quando vejo o que já chamam de "Bushismo" deste sr Sarkozy (c'est bien come ça?)- desta feita encomendado ao seu ministro....
Enfim....

A Europa anda constipada....
Engripada
É grave!
A Belgica tá prestes a deixar de o ser
O Kosovo quer ser
A Alemanha que não desperta
A Russia que já manda...
A Polónia que anda com uma moral que já IRRITA!!!
Andamos todos de olhos postos no Oriente médio :P
E deviamos era olhar pra casa...
Ainda bem que este governo nos envolve a todos portugueses nesta nossa MARAVILHOSA e MEDIÁTICA Presidência da UE.
VERGONHOSO!

Bem vou voltar pro LMM ;)

Guilherme Diaz-Bérrio disse...

Bem quanto ao ministro françês concordo com o Colaço. Agora que o Sr. Sarcozy devia tar calado quanto à "suposta" ditadura do BCE, devia. (e não, não foi por causa do sr. Sarcozy que o BCE não subiu em Setembro) Economics 101: Inflação é um dos fenómenos mais destrutivos e distorcivos numa economia, mesmo que nao se tenha noçao. E juros de 4 por cento estão abaixo da média histórica. Se a malta se sobre-endividou e agora não aguenta isso é outra questão. O que não se quer é uma mexida como a Fed americana (0,50% de descida para acalmar os bancos que brincaram com fogo), que na pratica comprou estagflação. Voltando a França, está visto que o chefe da diplomacia francesa é tudo menos diplomata e a única coisa que a ameaça fez foi puxar o petróleo para o máximo histórico (e jfd, podes agradecer ao ditador Trichet por pagares menos por barril que os EUA).

jfd disse...

Economics 101 é um bocadinho presunção não?
Mas eu não tenho disso e como não domino o assunto, não respondo à letra, com pena, pois certamente ia ser interessante e estimulante.
Agredeço pagar menos o barril? A que preço? :P

Nélson Faria disse...

Não é presunção, é uma quase-definição ;)

jfd disse...

Opiniões caro Né ;) Opiniões ;)
Sabes que são como as cerejas, atrás duma, vem sempre outra. E ainda por cima neste campo, devidamente comprováveis!