segunda-feira, novembro 19, 2007

O Aplauso, o Assobio e a Selecção


Não é uma questão de ser mais português que o outro, de ser mais patriota ou mais tudo: é uma questão de espectáculo!

Quando vamos a um estádio ver o nosso País a jogar é óbvio que queremos que ele ganhe. Quando vamos a um estádio ver o nosso País a jogar pagamos um bilhete. Quando vamos a um estádio ver o nosso País a jogar, mesmo que o bilhete tenha sido oferecido, vamos ver algumas estrelas de nível mundial a tocar num esférico. Quando vamos a um estádio ver o nosso País a jogar queremos que ele nos inflame a alma, nos encha de orgulho e que nos faça acreditar que realmente somos capazes.

Quando vamos a um estádio ver o nosso País jogar contra a Arménia queremos que ele cilindre! E não é uma questão de resultado, é uma questão de exibição. Os portugueses até aplaudiram no fim do jogo, numa onda "Porreiro, pá!", mas ficaram desiludidos com as estrelas. O pedacinho de céu que a distância objectiva de nível futebolístico das duas selecções prometia, não necessáriamente mais golos, mas muito mais espectáculo: fintas, trivelas, domínio absoluto do jogo. Eu queria ver o Meira e o Bruno Alves a trocar a bola no meio campo da Arménia, não a atrasar para o Ricardo; eu queria ver o Miguel Veloso a secar todos os arménios, e não a brincar com o cabelo; eu queria ver o Cristiano, o Quaresma e o Simão numa sucessão de tabelinhas desenfreadas a palmilhar terreno; eu queria ver futebol...

E não vi isso. Vi uma selecção que marcou sem saber porquê e se resignou, o que já nos valeu uns quantos dissabores nesta qualificação. E agora queriam aplausos! Honestamente: vamos atrás deles, pagamos bilhete, esperamos que entrem em campo, grita-se e canta-se, o espectáculo é mau e nem assobiar podemos?

Como disse outrora um deputado da Nação quando os colegas preferiram trocar opiniões do que ouvi-lo em palanque: "Vão bardamerda que eu vou para Viseu."

24 comentários:

Adriana disse...

Já o disse noutro blog mas torno a repetir por cá. Não sou grande aficionada do Futebol mas qnd joga a selecção nacional esforço-me para ver e dar o meu apoio. Contudo desta vez, estou plenamente de acordo com o Né, a exibição foi péssima. Eu diria mesmo que houve falta de empenho por parte dos jogadores. Esperemos que no proximo jogo, segundo sei aqui pelo Norte, os jogadores se imbuam do espirito nortenho e joguem com mais garra e determinação.

jfd disse...

Whatever (Carmo UV 2005)
Who cares ???

Tanto que se passa, tantas outras modalidades :P

Uma vergonha, mexam-se não é só privilégios. Façam valer o vosso status de estrelas. Bailarinas do caraças...
E pronto termina aqui a baixaria futeboleira, e não fui longe :))

Tiago Sousa Dias disse...

Ainda não vi um jogo decente nesta qualificação mas quando é que algum dia Portugal fez uma qualificação tranquila? JAMAIS! hehe
Resta-me acreditar na versão "Europeu" quando nos qualificarmos e não na versão "oriente/Paula/etc" e ver mais um grande europeu da nossa Selecção.

Bruno disse...

Respondendo à pergunta do Né: poder, podemos. Mas não devemos. Pelo menos é assim que penso!

Sou adepto de futebol. Logo, vibro com a nossa selecção. Sofro mais com o Benfica, até porque a relação é de casamento (vida diária, rotina, prazeres, dissabores, etc, etc). Mas em termos de atitude procuro que seja a mesma. Tal como em relação a todas as equipas que apoio.

Não consigo conceber que tenha uma reacção tão negativa quanto assobiar a própria equipa a não ser numa situação muito, muito grave. E uma situação com tal gravidade não se verifica em apenas um jogo. Muito menos em apenas parte dele. Não acontece - de maneira nenhuma - com uma exibição menos conseguida. Uma situação assim tão grave tem a ver com falta de respeito, de empenho, de profissionalismo e de amor à camisola.

Também me irritou a atitude da nossa selecção. Também fiquei triste. Também não gostei. Mas fiz um esforço por compreender. 4ª feira eles terão a oportunidade de mostrar se mereciam ou não essa compreensão.

Eu acredito que sim, até porque não sou daqueles que me esqueci de um empate no Luxemburgo por causa de uma goleada à Rússia. E como acredito, estou com eles! Puxo por eles mesmo quando eles não puxam por mim. É que - para mim - ser adepto de um clube ou selecção tem pouco a ver com pagar bilhetes...

Bruno disse...

Só para dar uma dica ao Tiago: qualificámo-nos de forma que podemos classificar como tranquila (pelo menos sempre dependentes apenas de nós próprios) para:

- Mundial 2006
- Mundial 2002
- Euro 2000
- Euro 1996

Nélson Faria disse...

Óptimo! Selecção tem pouco a ver com pagar bilhete, tem a ver com paixão... Nem eu disse o contrário, salientava apenas que nós vamos ver um espectáculo, não somos figurantes. Mas deverá a paixão ser acrítica? E aplaudo sempre, goste ou não?

Portugal tem treze jogos disputados, num grupo em que a selecção mais próxima de si no ranking FIFA está em vigéssimo (Polónia) e todas as outras estão abaixo do lugar 40º. Rankings não ganham jogos, mas são exemplificativos da diferença entre a oitava selecção do mundo e o resto do grupo.

Nestes 13 jogos temos 7 vitórias, 5 empates e uma derrota. Empates com quem: Finlândia, Sérvia, Arménia(?!), Polónia e novamente Sérvia. Derrota com Polónia. E uma boa exibição? Mesmo nas goleadas, onde esteve a selecção?

E não podemos assobiar quando gerimos resultado frente à Arménia? O Benfica foi campeão em 2004 e, em muitas vitórias por 1-0 em casa, era assobiado por causa do jogo de Trappatoni. É o futebol, habituem-se!

Margarida Balseiro Lopes disse...

Um pequeno aparte sobre a foto: eu estava lá. ;)

Quanto à tua pergunta Né, é claro que podemos. Se entendo que o devamos fazer? Não.

Em todas as modalidades isto acontece, há fases melhores que outras, e claramente a de apuramento não está a ser a mais bem conseguida. Mas uma coisa é certa: assegurámos, praticamente, a participação no europeu.

Se não queremos ver "mau futebol", não vamos ao estádio. Agora, apoucar a selecção portuguesa num jogo importantíssimo como este, ainda para mais cá, parece-me absolutamente dispensável.

Bruno disse...

Ora aí está: a Margot acabou por resumir aquilo que penso. Sendo que, obviamente, compreendo a tua mágoa, Né. Mas não posso concordar.

Até porque o Benfica de Trapattoni nunca contou com um assobio meu. Estive lá do princípio ao fim (penso que não falhei mesmo jogo nenhum em casa e ainda fui ao Bessa na última jornada) e até cheguei a mandar vir com pessoas que se sentavam perto de mim e assobiavam.

Por isso: não, não me habituo! Não me hei-de habituar a isso e muito menos resignar-me.

Em relação aos números que apresentas reflectem duas coisas:

1ª A nossa selecção está em decréscimo, por via da renovação que está a ser feita, ao passo que as outras poderão estar num percurso ascendente;

2ª Como diz a Margot, esta fase de apuramento não está mesmo a correr-nos bem. Houve jogos em que podíamos e devíamos ter rendido mais.

Ainda assim, estou confiante que nos vamos qualificar e que, no Europeu iremos estar em grande nível, até porque o estilo que Scolari imprime às suas equipas é mais para jogos decisivos do que para "encontros de exibição".

Nélson Faria disse...

Portanto, no vosso entender, um espectador está ali para aplaudir acriticamente. Quer o trabalho seja bom, quer o trabalho seja mau.

É irrelevante, o que conta é o resultado.

Os meus padrões são um pouco mais elevados. Não peço que sejam os melhores, mas a jogar assim não merecem, realmente, que se vá ao estádio vê-los.

Inês Rocheta Cassiano disse...

Sou o mais honesta possível: não vi o jogo, disseram-me que não perdi nada. Apesar de ser a Selecção Nacional, o meu país, não tive a mínima paciência para o ver.
Na minha opinião, há assobios e assobios. Há aquelas pessoas (já testemunhei este fenómeno centenas de vezes), num segundo o jogador X é o maior porque marcou um golo e no minuto a seguir já é a maior besta porque perdeu o controlo da bola e vamos mas é todos assobiar. E por outro lado, há assobios de contestação. Se não se esforçaram, não se empenharam, só têm é que ouvir. É que, por vezes, chega a ser enervante ver aqueles meninos a jogar, parece que andam ali a passear e a brincar, perturba-me mesmo!
É verdade, quando fomos campeões pela última vez, os lenços brancos e os assobios quase já faziam parte do espectáculo (a primeira parte era razoável e a segunda quase nos provocava um AVC). O que é certo, é que ganhámos o campeonato e aí já tinhamos a melhor equipa e o melhor treinador.
Mas a melhor que já vi, foi no passado jogo Benfica-Boavista. Ganhámos 6-1, mas a única coisa que os adeptos sabiam dizer era que o Bergessio falhou um penalty!
Para resumir, aqui não se trata de ser patriota ou não, quando os resultados não são bons (neste caso foi a exibição) há que demonstrar essa resignação. Não são meninos intocáveis que não possam ouvir de vez em quando...

Tânia Martins disse...

Pelo menos é uma forma de fazer toda gente sentir Portugal, por mais que os jogadores (sejam eles quem forem) joguem vergonhosamente. SOMOS NÓS!

Nélson Faria disse...

Eu lembro-me de ver na TV malta, depois de sermos campeões (nós entenda-se SLB), a dizer que queria outro treinador.

Inês Rocheta Cassiano disse...

Isso Nezão, ouvi eu esse ano inteiro no estádio, mas no Marquês, as opiniões já eram bem diferentes.
Este ano, tenho uns velhos acima do meu lugar que passam o jogo inteiro a cascar e a cascar... Porquê? Não sei, mas divertem-se.

jfd disse...

Paciência pró futebol....

José Pedro Salgado disse...

Concordo com o Jorge.

O mal desta malta é que são bons e são adorados enquanto tais.

Aliás, as famosas exibições dos "Lobos" (mas não só) vieram demonstrar que às vezes os filhos do meio da História têm muito mais mérito com muito menos mimo.

Bruno disse...

Nélson Faria disse...
Portanto, no vosso entender, um espectador está ali para aplaudir acriticamente. Quer o trabalho seja bom, quer o trabalho seja mau.

É irrelevante, o que conta é o resultado.


Se fores - tu ou qualquer pessoa - verificar os comentários acima, verás que não foi isso que eu e outros que comentaram disemos. Eu até gostava de continuar a debater contigo mas assim... não te ajudas.

Nélson Faria disse...

Último parágrafo do comentário da Margarida:

Se não queremos ver "mau futebol", não vamos ao estádio. Agora, apoucar a selecção portuguesa num jogo importantíssimo como este, ainda para mais cá, parece-me absolutamente dispensável.

Primeira parágrafo do comentário seguinte do Bruno:

Ora aí está: a Margot acabou por resumir aquilo que penso.

Não é só, mas resume o essencial do que se disse. É exemplar.

Paulo Colaço disse...

Xiii, o que aqui vai.

Vou ser ficaz e fazer uma boa exibição neste comentário antes que me assobiem.

Era o que mais faltava se eu não puder assobiar a selecção! Até num jogo de xadrez era capaz de assobiar uma má jogada.

Viva a selecção, viva a nossa bandeira, viva todo e qualquer palhaço que envergue a esfera armilar. Mas viva também o nosso melhor vernáculo usado em momento oportuno!

Bruno disse...

Né, se achas que as frases que citaste querem mesmo dizer aquilo que tu escreveste depois então espero que sejas melhor a Direito do que a Língua Portuguesa...

Nélson Faria disse...

Já dizia o Carlos Coelho: recorre ao insulto quem não tem argumentos para debater.

E não é a primeira vez amigo Bruno, aliás, parece ser marca registada.

Bruno disse...

Caro Né, se te sentes insultado com o que disse então deverias rever - profundamente - a forma como falas e escreves. Forma essa que nunca critiquei pois tento encontrar lá os argumentos, concordar ou discordar, rebater se for caso disso. Como fiz aqui.

Com uma ou outra provocação? É óbvio que sim! Se for necessário ser eu a rever alguma coisa, fá-lo-ei. Mas precisava que me dissesses o quê. Porque sinceramente não vislumbro o insulto...

Muito menos consigo vislumbrar qualquer vestígio de marca registada... Sinceramente!

Seja como for, volto a dizer: eu não concordo que se assobie a própria equipa. Não é uma postura que me pareça correcta ou eficaz. É a minha opinião e peço desculpa por não ser igual à de todos. Acho que é disso que vive o Psico e por isso só deixarei de a dar quando não a tiver...

Marta Rocha disse...

Se eu entendesse a Selecção Nacional como uma Instituição, uma representação de Portugal, parecia-me melhor assobia-la em casa, para não dar o gosto ao adversário, não desanimar os jogadores e nem envergonhar a "família". Se entendesse a Selecção como uma equipa de jogadores de futebol, que joga com as cores da bandeira mas deixa muito a desejar, assobiava no Estádio e no metro à vinda para casa, até ir para cama dormir.
Basicamente a diferença que vejo entre o Bruno e o Né, é que para um a selecção é "pai" e para outro a selecção é "irmão", o respeito que lhes temos não é o mesmo, nem as verdades que lhes dizemos, mas o amor, esse é incondicional.

Bruno disse...

Bem gostava o meu Pai que eu tivesse com ele a paciência e contenção que tenho com a selecção ;)

Nélson Faria disse...

Primeiro pedir desculpa pela delonga na resposta.

Segundo: só para ti Bruno, hei-de fazer uma recolha de comentários teus para te apontar algumas brincadeirinhas de pátio. Depois mando-te por mail.

Terceiro: ninguém apoia só por apoiar. Pode-se puxar pela equipa, mas a equipa tem de jogar à bola.