terça-feira, novembro 13, 2007

Medo? Premonição? Estratégia?


Segundo a comunicação social, "Fidel Castro receia que o presidente venezuelano, Hugo Chávez, seja assassinado à ordem do «império» norte-americano ou da «oligarquia», e apoiou o homólogo aliado na altercação que o opôs ao rei de Espanha em Santiago do Chile."

Já alguns psicoticos tocaram na "ferida" daquilo que se passou na Cimeira Ibero-Americana mas agora eu questiono: O que ganha um velho moribundo como o Fidel com este tipo de afirmações? Será que ele é que quer finalizar com o império Chavez? Será que o velho Fidel continuar a sonhar com os tempos de guerrilha e que dominará a america latina?




5 comentários:

André Machado disse...

Sinceramente, acho que o velho Fidel já pouco ou nada importa nestas andanças de política internacional...
Um saudosista da revolução assassina que protagonizou, achou em Hugo Chavez um discípulo à altura pelas barbaridades que diz e pelo carácter grotesco da personagem.
Acho que estão bem um para o outro. Até um dia, em que os "porcos capitalistas" e os "fascistas nojentos" tenham a coragem de tomar medidas. Medidas no sentido de salvaguardar a liberdade daqueles que, hoje, vivem sobre um regime (em Cuba, Venezuela ou noutra falsa democracia sul-americana)que lhes restringe os direitos e se assume como repressor de qualquer tipo de oposição.

Há que ter coragem de dizer basta! O incidente com o rei de Espanha foi pontual e não resultará em nada concreto. A comunidade internacional, porém, não pode fechar os olhos ao que se passa na América do Sul.

Tânia Martins disse...

O Fidel Castro coitado já está tão apagadinho que já nem sonhar deve conseguir. Não me parece que ele sonhe com tempos de guerrilhas, até porque Cuba já não é o que era, já não tem a força militar que teve em tempos. Dá-me a sensação que ele apenas está a proteger os “seus” ou então a provocar quem sempre controlou as loucuras do seu (longo) mandato, mas sem hipótese de guerrilhas, afinal o homem é louco mas de parvo não tem nada.

“Há que ter coragem de dizer basta! O incidente com o rei de Espanha foi pontual e não resultará em nada concreto. A comunidade internacional, porém, não pode fechar os olhos ao que se passa na América do Sul.”

Não poderia estar mais de acordo!

jfd disse...

Pergunto-me eu o que ganhamos nós (sinceramente) com esta preocupação???
Que fixação é esta com a América Latina???
:)

big mamma disse...

Com dois posts sobre Chavez, questiono a necessidade de mais um, ainda por cima tão em cima de outros e que tão pouco acrescenta. Este post deveria ter sido um comentário e não mais um post.

E, para mais, Fidel não manda nada, muito menos em Chavez. Até acho que é Chavez quem manda em Fidel.

José Pedro Salgado disse...

Quase que os imagino ao telefone:

Oh Fidel, diz lá bem de mim pá. Eu fui ter contigo para tirar-mos aquelas fotos com aquele pijama horroso quando o pessoal dizia que estavas cos pés pá cova...

O Fidel pode não importar muito para nós, mas importa para muitos outros, e são esses que nos devem preocupar.