sábado, outubro 06, 2007

Quem mexeu no meu queijo?

O discurso do Presidente da República, Cavaco Silva, a propósito das comemorações do 5 de Outubro, fica marcado pelo alerta lançado em torno do tema da Educação.
Cavaco Silva, para além dos muitos recados ao Ministério da Educação e à sua forma de actuação, defendeu um “novo olhar” sobre a escola, concretizado numa diferente gestão escolar.
Segundo este novo modelo, o director dos estabelecimentos de ensino seria escolhido por uma assembleia composta por pais e representantes do meio cultural, empresarial e económico envolvente.
Desde Sócrates, aos sindicatos passando pelo CDS todos elogiaram o discurso do nosso PR. Estranho apenas que esta mesma proposta, defendida em Maio por Marques Mendes na Assembleia da República, tenha sido chumbada à data, num grotesco coro de críticas ao projecto do PSD.

Há, de facto, gente que anda a comer demasiado queijo...

16 comentários:

isabel ferreira disse...

Há gente que anda a comer mt queijo. Se calhar uma loja de lacticinios ali para os lados da Estrela e do Rato íam ter sucesso.
lol vá lá empreendedores deste país!!!Pode ser um bom negócio!

Mas neste mundo é mesmo assim...criticam as ideias dos outros e passado uns meses copiam nas. É política... ao mais baixo nível!!!

Bruno disse...

Na política, como no futebol, "o que hoje é verdade, amanhã é mentira".

Compete a quem ainda vai a tempo, mudar isso. Espero que os psicóticos que vierem a seguir uma carreira política ajudem nessa tarefa. Ajudarão, estou certo! Se conseguirão, já não sei...

Anónimo disse...

Meteram-no lá, agora aturem-no.

Carlos Carvalho disse...

Não me parece que o problema seja do queijo...

A verdade é que, muitas vezes é dificil admitir que boas propostas partem das ideias daqueles que são considerados como adversários.

É verdade... é um problema global, mas devia existir a receptivaidade entre todos para, pelo menos, se considerarem as propostas dos 'outros'. Mas isso seria o dito: "mundo ideal"...

Pelo que conheço, considero essa proposta muito interessante, principalmente pela envolvência que pode criar entre a escola e o meio em que se encontra...

Pedaços de opinião...

António Pessoa disse...

Luís Filipe Menezes sempre gostou de criticar a "má oposição" de Marques Mendes, lembram-se de elogiar esta proposta? Eu não. E apesar disso defende esta ideia (disse-o no debate da SIC Notícias). Queijo, queijo, queijo. Tanto queijo!

Paulo Colaço disse...

Não é apenas uma questão de queijo a mais mas também de carácter a menos.

Criticar as opções de um líder político apenas por representar um partido que não é o nosso ou por pertencer uma facção diferente não é só estratégia: é insensatez e cavalar espírito de contradição.

Quem o faz, mais cedo que mais tarde terá de engolir sapos ou entrar em contradição.

Menezes discirdou tantas vezes de Mendes apenas para defender o inverso que agora ver-se-à à rasca para combater Sócrates.

Entradas destas só têm uma saída: a esquerda baixa!

Margarida Balseiro Lopes disse...

É, de facto, uma questão de coerência e de sensatez na apresentação de soluções e na sua contestação.

Aliás, há quem defenda o actual modelo de gestão escolar e quem clame por um adequado aos novos tempos, que estimule a participação dos pais em todo o percurso escolar dos filhos.

Este modelo de gestão escolar preconizado por Cavaco Silva e Marques Mendes tem, quanto a mim, como grande inconveniente a atribuição de mais competências ao meio autárquico, nomeadamente na escolha dos gestores escolares. Numa altura em que tanto se fala de meritocracia, seria imperioso que esta escolha fosse por concurso.

E quanto à incoerência permanente, a que fazes alusão Paulo, é mais uma manifestação do populismo que parece estar a fazer moda por estes lados social-democratas.

João Silva disse...

Mais uma vez aplaudem um discurso oco, vazio e que não traz nada de novo. Assim não vamos lá.

Anónimo disse...

Ocos? Ocos eram os discursos do Mendes. Dessa já nos livrámos. ufa..

isabel ferreira disse...

"Ocos? Ocos eram os discursos do Mendes. Dessa já nos livrámos. ufa.."

Subscrevo!

Bruno disse...

Oh Isabel, então mas a menina (ou senhora, não sei...) não é militante do PSD pois não?

Então não se livrou de Marques Mendes porque nunca teve que estar com ele certo? Um independente apoia quem quer, sem se preocupar com o partido de onde vêm, não é?

isabel ferreira disse...

Senhora!!!
Bruno, não fui eu que escrevi aquele comentário mas sim a minha sombra ou o meu fantasma que continua a perseguir-me!há alguém sem o minímo de respeito pelos outros que vem a este blog e usa o meu nome. Isto pk não tem coragem para identificar-se!

Tem razão um independente apoia quem quer.

Bruno disse...

Ah! Pois, já me tinha esquecido dessa questão de dupla personalidade existente aqui no Psico... Mas não tinha sido já resolvida com a criação de uma identidade no blogger?

isabel ferreira disse...

Na vida todos nós temos uma sombra, um fantasma que nos persegue em certos momentos da nossa vida. A maioria das pessoas são perseguidas pelo seu fantasma há noite em casa . Eu só perseguida neste blog.
Criei a conta no blogger, mas eu gosto de assinar Isabel Ferreira. E, como fui a primeira a escrever neste blog. Dou-me ao direito de usar este nick name. A outra q arranje outro nick name.

Nélson Faria disse...

Mas a escolha pode ser feita por concurso público, mas com a sociedade civil local a escolher.

Margarida Balseiro Lopes disse...

Claro que pode ser por concurso. Mas nenhuma das duas propostas o defende.