segunda-feira, março 26, 2007

E o melhor português de sempre é...


... António de Oliveira Salazar!


Pois é, depois de muita controvérsia pelo facto de o seu nome ter sido incluído nesta lista e, recordando o post da Marta, pela polémica da construção do museu e do centro de estudos em Santa Comba Dão, os resultados são claros.

Salazar venceu os outros sete finalistas, com 41,1% dos votos. Curioso é também o facto de, imediatamente, a seguir ter ficado nada mais nada menos do que... Álvaro Cunhal!

Terá este resultado alguma relação com o tema levantado pelo Colaço no último post?
Corresponderá a figura de Salazar ao melhor português de sempre? Ou terá sido esta uma manifestação clara do descontentamento dos portugueses?
Aqui deixo a lista dos 5 melhores portugueses de sempre, ficando à espera da opinião dos psicóticos sobre este assunto.


1º António de Oliveira

2º Álvaro Cunhal

3º Aristides de Sousa Mendes

4º D. Afonso Henriques

5º Luís de Camões

28 comentários:

www.isa-ferreira.blogspot.com disse...

"Salazar venceu os outros sete finalistas" ... venceu os outros nove finalistas!
Ainda bem que a RTP teve a ideia de cada telefone ou telemóvel só poder votar uma vez, porque se fosse como noutros concursos em que se pode votar q.b., mts q não concordam c a vitória de Salazar, ainda diziam que os fascistas não tinham feito +nada que andarem a votar no Salazar pk tinham €€€ para gastar em tlf.
Os Portugueses dicidiram e Salazar teve uma grande margem de votos em relação aos outros Portugueses, mesmo o grande líder comunista Álvaro Cunhal ficou longe da Salazar na votação!
Quando os dez finalistas foram apresentados nunca imaginei que Salazar ganhasse. Não votei nele.
Se foi o melhor português de sempre... acho que Não.

adriana disse...

É dificil qualificar o melhor portugues de sempre mas acredito que não foi o Salazar.Eu vi pedaços do programa e no final a consternação pela vitoria do Salazar foi generalizada.
Partilho da opiniao que esta vitoria do salazar é um voto de protesto em relação a situação actual que vivemos e não um apelo ao fascismo como defendeu Odete Santos.
Agora as votações, o debate, o programa em si tem uma grande falha que é a falta de imparcialidade. Porque muitas pessoas votaram naqueles com quem conviveram ou defendem aqueles com quem partilharam ideias e isso não lhes permite ter a imparcialidade necessária para os julgar ou defender como acontece quando falamos de um Afonso Henriques ou de um Vasco da Gama.

Guilherme Diaz-Bérrio disse...

Tal como referi no meu blog (www.sublegelibertas.blogspot.com):
Foi Salazar importante? Para bem e para mal foi. Foi um ditador, o regime era fascista, a opinião política era perseguida. Também foi ele que sanou as contas públicas, electrificou a maior parte do país, fez várias infra-estruturas necessárias e manteve-nos fora da II Guerra Mundial. Não foi o Diabo na Terra. Dai a ser o maior português de sempre... vai uma grande distância.
Álvaro Cunhal também não merece o lugar que teve. Opositor do regime de Salazar, é verdade, tinha um objectivo em mente: substituir um regime ditatorial de direita por um regime ditatorial de esquerda. A memória é curta, e já todos se esqueceram das inúmeras tentativas de golpes, que culminam no 25 de Novembro. Também é curta, a memória, ao esquecer que o Dr. Cunhal foi o único líder comunista do “ocidente” que aprovou a invasão de Praga pelos tanques soviéticos, para por fim à “revolta democrática”.

DEIA disse...

Salazar foi importante sim! Importante para manter Portugal atrasado por mais de 50 anos.

Guilherme Diaz-Bérrio disse...

Para o bem e para o mal ele governou durante quase meio século da nossa história. Não o podemos apagar com uma borracha. Sob pena de ser confundido por fascista, que não o sou:
Manteve o país atrasado? Sim, à parte da criação de uma elite do regime, altamente qualificada. Mas será que se ficou por ai nos seus quarenta anos de governação?

Tivemos um cheiro de fascismo. Sim, porque fascismo a sério conheceram os espanhois com Franco. A PIDE impunha respeito, não fossem eles treinados pela Gestappo. O Tarrafal não era mais que uma frigideira no meio do Oceano Atlântico.

É verdade. Mas Salazar não foi Lucifer renascido na terra. Hoje concedemos a Marquês de Pombal o justo mérito de ter sido um bom governante, o nosso "Richelieu". A morte dos Távora, entre outros, é remetida para o "era outra época". D. João II mata pelas próprias mãos os duques de Bragança e Viseu. No entanto é lhe dada a cortesia de ser "do seu tempo".

Salazar também é um "filho de uma era": Portugal sai do marasmo da primeira república, depois de uma curta, e desastrosa, experiencia democrática. Ele é o financeiro que o novo regime chama para consertar as trapalhadas da primeira república.

Já nos esquecemos quem nos manteve fora da segunda Guerra Mundial? A primeira coisa parecida com uma rede electrica nacional foi feita por ele. A TAP idem idem aspas aspas. Os três grandes "clusters" industriais que ainda hoje subsistem (industrias do papel, moldes e aerónautica) foram formadas pelo Estado Novo.

Somos muito rápidos a cruficar o homem por estarmos na situação actual. Mas ninguem pergunta para que mãos foi parar o excedente orçamental que ele criou. É verdade, o povo português era POBRE. Mas o Estado não o era. Em 1974, o Estado português tinha orçamento suficiente para sustentar cada português com um nível médio durante 18 meses. Em 1974 é-nos bloqueada a entrada na comunidade europeia por estarmos na falência.

Não confundam as minhas palavras: o Estado Novo foi uma DITADURA. Parte de Portugal vivia mal. Mas já se passaram 30 anos. E parte de Portugal continua a viver mal. Continuam a existir sitios neste país sem luz ou água canalizada. E continuamos a atirar todas as culpas para o "morto". Sá Carneiro tinha razão: "Tens seis meses para criticar o teu antecessor. A partir dai a obra é tua". Este Portugal que hoje temos é obra nossa, não dele.

goreti_martins disse...

Concordo quer pelo bem quer pelo mal, foi uma figura importante na nossa história. Mas daí a ser o melhor Português de sempre, vai lá vai!!!!!!

Surpreende-me a decisão dos Portugueses, mas ser uma manifestação de desagrado também não se encaixa na minha forma de pensar. Acho que por muito mal que Portugal esteja neste momento não é comparável politica e socialmente a uma época em que se passava fome na maior parte dos lares portugueses.

Precisamos todos de ir em frente e não dar uma curva só porque estamos zangados com o Manuel que manda e desmanda no nosso Pais. Reivindicar melhoria e não reviver o passado.

goreti_martins disse...

Aproveito para dizer que o meu favorito não está incluído nos 5ºs aqui referidos. Mas se alguém souber qual foi a posição alcançada pelo Marques de Pombal...Nutro também simpatia pelo 3º e 4º lugar. Estes nomes fariam o meu top 3.

Guilherme Diaz-Bérrio disse...

O marquês de pombal ficou num nono lugar muito pouco merecido. O meu Top3 era D. João II, Marquês de Pombal e D. Afonso Henriques.

José Pedro Salgado disse...

Eu votei no Camões, e acho muito mal o lugar que lhe coube, mas isso são outros assuntos.

Acho mal Salazar ter ganho, tal como acho mal Cunhal ter ficado em segundo. Isto porque acho que a nomenclatura está errada

Assim, acho que os nomes que deviam constar na classificação eram:

1º-(41%) Gajo que tem hipóteses de ganhar e não é comuna (pk o Cunhal é que não, que esses gajos é que f*****m esta m***a toda).

2º-(19%) Cassete Cunhal, pk se ele não ganha os capitalistas vão permitir que o fascismo volte, e "Fascismo nunca mais!"

Mas isto sou eu k acho...

Tânia Martins disse...

Eu estou chocada com isto tudo. Salazar em primeiro lugar? Álvaro Cunhal em segundo? Mas estes portugueses andam a dormir?

Para mim isso do grande português não existe pois cada um fez uma coisa diferente e cada um dos portugueses que existiram ao longo da História destacaram-se de modo distinto.

Pessoalmente gosto de D. Dinis mas como já referi, não o considero o grande português mas sim um dos grandes portugueses que já existiram.

Big Mamma disse...

A única conclusão que tiro desta votação é a seguinte: andamos todos com pouco em que pensar!

Se a comandita que gere o País (ha seculos) soubesse mobilizar o povo para causas e ideias (de passado, presente e futuro) não só não andavamos a votar em ditadores como andávamos ocupados a pensar no bem estar de todos!

Black Mamba disse...

Nestes programas televisivos é sempre um consolo para os olhos e ouvidos quando a minha querida Odete Santos aparece! É que tenho logo vontade de ser fascista! Salazar bem pode agradecer à deputada comunista a vitória.

Bruno disse...

Aquilo que os portugueses fizeram desta votação mostra que se calhar ainda não aprenderam o valor do voto... e irónicamente elegeram um português que dava pouco valor a esse instrumento democrático.

Fazer deste concurso uma batalha privada entre dois ditadores é apoucar a nossa história recente. Por outro lado, se calhar essa história recente não pode ser apoucada porque já é má demais.

Sinceramente não me senti à vontade para votar em nenhum dos 10 finalistas porque nenhum é do meu tempo. E tenho impressão que o português de quem me deu mais honra ser compatriota foi mesmo o Figo que ainda assim deixa muito a desejar...

ritacipriano disse...

É difícil eleger o melhor português de sempre!
No entanto, votei em Aristides de Sousa Mendes porque de todas as 10 biografias foi realmente a que me impressionou pois salvou 30.000 judeus contra a vontade de Salazar. Se Aristides é o melhor português de sempre...
Concordo com a Tânia "o grande português não existe pois cada um fez uma coisa diferente e cada um dos portugueses que existiram ao longo da História destacaram-se de modo distinto".

Se "a vitória do salazar é um voto de protesto em relação a situação actual que vivemos" será que isto está assim tão mal que precisamos do ditador para pôr isto na ordem? Estamos em desordem?É isso?

"falta de imparcialidade" houve muita até a apresentadora !

Quando este programa apareceu achei que ia ser uma mais valia para que os portugueses soubessem mais das figuras que marcaram a História de Portugal. Vi todos os documentários e adquiri mais informação sobre a nossa História.
O terem implementado o sistema de votação e querem eleger o melhor português de sempre (a luta pelas audiências) fez com que o programa terminasse de uma forma "patética"... porque certas pessoas (que nem vale a pena referir) fizeram daquilo um campo de "Batalha" onde queriam ganhar à "força". Os documentários eram importantes, interessantes e informativos , assim sendo, deveriam fazer-se e fazer passar na TV mais biografias de outros portugueses. Contudo, não fazer da vida de pessoas que já partiram um cenário de discussão e atritos.

Paulo Colaço disse...

Como é óbvio, esta votação apalhaçada nunca teria bom resultado!
As claques nem sempre puxam pelo melhor!

Eu não votei no concurso, confesso que inicialmente quis votar no nosso primeiro rei, mas acabei por me esquecer de o fazer.

Hoje não deixo de achar curioso que o país tenha escolhido dois adeptos da ditadura, um diplomata, um rei e um poeta aventureiro.

Paulo Colaço disse...

Conhecia o percurso de Aristides de Sousa Mendes, mas não sabia bem como acabara a sua vida.

Fui à wikipédia e retirei isto:

“A 8 de Julho de 1940, Aristides encontra-se regressado a Portugal. Será punido pelo governo de Salazar: ele priva Sousa Mendes, pai de uma família numerosa, do seu emprego diplomático por um ano, diminui em metade o seu salário, antes de o enviar para a reforma. Para além disso, Sousa Mendes perde o direito de exercer a profissão de advogado. A sua licença de condução, emitida no estrangeiro, é-lhe retirada.
O cônsul demitido e sua família sobrevivem graças à solidariedade da comunidade judaica de Lisboa, que facilitou a alguns dos seus filhos os estudos nos Estados Unidos. Dois dos seus filhos participaram no Desembarque da Normandia.
Ele frequentou, juntamente com os seus familiares a cantina da assistência judaica internacional, onde causou impressão pelas suas ricas vestimentas e sua presença. Certo dia, teve de confirmar: "Nós também, nós somos refugiados".
Em 1945, Salazar felicitou-se por Portugal ter ajudado os refugiados, recusando-se no entanto a reintegrar Sousa Mendes no corpo diplomático.
A sua miséria será ainda maior: venda dos bens, morte de sua esposa em 1948, emigração dos seus filhos, com uma excepção.
Aristides de Sousa Mendes faleceu muito pobre a 3 de Abril de 1954 no hospital dos franciscanos em Lisboa. Não possuindo um fato próprio, foi enterrado numa túnica de franciscanos.”

Digam lá se este Homem não merecia estar à frente de dois ditadores?

Bruno disse...

Colaço, sendo frio, não sei se merecia. O que ele não merecia era ter acabado como acabou. Isso nunca! Mas analisando a sua acção, penso que se tratou de um diplomata (não sabemos se bom ou mau) que teve uma atitude de grande coragem mas que não faz dele - por si só - o maior português de sempre. Mas lá que gosto de o ter como meu patrício, isso gosto!

Paulo Colaço disse...

Percebo-te Bruno,
mas eu também não o acho o maior portugues de sempre.

A votar em alguém votaria em Afonso Henriques, o homem que inaugurou o nosso país.

O que acho é que um homem com este calibre merecia melhor posição que dois adeptos da ditadura...

ritacipriano disse...

"O que acho é que um homem com este calibre merecia melhor posição que dois adeptos da ditadura... (P.Colaço)." Claro, que merecia! Salvou 30.000 judeus e por isso, Salazar fê-lo chegar à miséria e ainda por cima "Salazar felicitou-se por Portugal ter ajudado os refugiados" que cinismo!
A.S.Mendes vendeu todos os bens apenas restou as paredes da casa. Mas em Israel foi plantada uma floresta com 30.000 árvores = igual ao número de judeus que ele salvou de Hitler. Grande Homem... não é qq um que enfrenta Hitler e Salazar!

"1967: Yad Vashem, autoridade estatal israelita para a recordação dos mártires e heróis do Holocausto, homenageia Aristides de Sousa Mendes com a sua mais alta distinção: uma medalha com a inscrição do Talmude «Quem salva uma vida humana é como se salvasse um mundo inteiro»."
Agora imaginem quem salvou 30.000 vidas!

Sabem que mais, provavelmente, o grande Português ainda está para nascer!!!Será???

Bruno disse...

Colaço, compreendo a tua mágoa por veres 2 ditadores nos 2 primeiros lugares. Se fosse para escolher o português mais bonzinho (no sentido de "bom coração") ASM era um candidato fortíssimo. A minha dúvida em relação a esta eleição é o que ele terá feito mais ao longo da vida, por Portugal.

É que Salazar fez alguma coisa (de positivo). Se calhar fez mesmo muito. Mas o problema é que amordaçou um povo inteiro, permitindo que alguns (muitos) fossem torturados, violentados e até mortos apenas para manter o seu regime. Entre o deve e o haver não fica a ganhar. De forma alguma!

Mas foi um grande português, construiu infraestruturas, equilibrou os cofres do país, restituiu-lhe dignidade. Não sei se não terá feito mais por Portugal do que ASM. Mais do que um tal Cunhal fez de certeza! Até porque esse, se o tivessem deixado, tinha começado por fazer o mal do outro e - a avaliar pelos exemplos de leste - nunca teria feito sequer 10% do bem...

José Pedro Salgado disse...

«"Aristides de Sousa Mendes faleceu muito pobre a 3 de Abril de 1954 no hospital dos franciscanos em Lisboa. Não possuindo um fato próprio, foi enterrado numa túnica de franciscanos.”»

Como dizem os anglófilos: "No good deed goes unpunished."

Sérgio Pontes disse...

É nestas alturas que eu tenho vergonha de ser Português... a elegermos um ditador!! estamos rodeados de mentecaptos...

quando ao meu ponto de vista, eu peço-vos desculpa mas já muito tarde para estar aqui a descreve-lo. amanha tenho de me levantar com as galinhas...

No entanto convido-os a passar no meu blog e ler a minha opinião sobre este senhor.

Quem quiser apareça em http://ateoriadokaos.blogspot.com e leia...

Volto-vos a dizer que é por estas que tenho vergonha de dizer que sou Português...

ritacipriano disse...

"A minha dúvida em relação a esta eleição é o que ele terá feito mais ao longo da vida, por Portugal.(Bruno)"

Bruno,
ASM podia não ter feito nada ao longo da sua vida, por Portugal, mas ajudar 30.000 judeus a escaparem de Hitler já foi um grande feito! O que fez deste homem um herói, um grande português e um grande homem da Humanidade.
Acredito que a ASM poderia ser atribuído um nobel... o nobel da solidariedade.

É verdade que Salazar fez coisas boas, "construiu infraestruturas, equilibrou os cofres do país" , e muito mais. No entanto, o mal que ele fez é maior. Digamos: numa balança, num prato colocavámos as coisas boas, noutro as coisas más. Para mim as coisas más ganhavam.

Bjs e abraços

Paulo Colaço disse...

Estive ontem a ouvir uma teoria muito curiosa:

. A julgar pelos alegados desmandos de José Sócrates dentro da RTP, não me espantaria nada que a vitória de Salazar fosse uma montagem com o intuito de dizer "avance com a sua autoridade e exercicio de poder pessoal, caro José Sócrates, porque os portugueses gostam de pessoas com pulso de ferro"...

Interessante, não?

Bruno disse...

Rita, completamente de acordo contigo como aliás se nota pelo texto do meu comentário.

Colaço, interessante teoria, sem dúvida...

Big Mamma disse...

Eu também concordo com o que foi dito sobre Aristides Sousa Mendes.
Acho, claro, que ele podia ter feito mais pelo país, transportando para a governação do Estado a mesma capacidade de sacrifício e empenho que demonstrou em termos de coragem e solidariedade.

Mas, convenhamos, caros amigos, como podia ele ter feito mais se foi atado de pés e mãos pelo ditador Salazar?

Só se fosse o Houdini é que safava das malhas do "Império"...

www.isa-ferreira.blogspot.com disse...

Colaço,
Curioso! Essa suspeita, não me admira!

www.isa-ferreira.blogspot.com disse...

"como podia ele ter feito mais se foi atado de pés e mãos pelo ditador Salazar?(big mamma)"

Nada. Salazar bloqueo-o de todas as maneiras!