sábado, março 03, 2007

Adeus PT

Acabou! A maior OPA (Oferta Pública de Aquisição) de sempre do mercado bolsista nacional ficou ontem pelo caminho depois de a Assembleia Geral de Accionistas da Portugal Telecom (PT) ter votado maioritariamente contra a desblindagem dos estatutos, condição sine qua non para o sucesso da operação lançada pela Sonaecom de Belmiro e Paulo de Azevedo.

Não considerando as abstenções (sentido de voto do accionista Estado, por exemplo), chegou-se a um resultado de 51,5% do capital representado na AG votando contra a desblindagem, enquanto que 48,5% se mostraram favoráveis. Foi uma situação que dividiu os accionistas, como se previa. Talvez por isso, Belmiro de Azevedo tenha dito que "Não há derrotas definitivas" e que tem "planos alternativos todos os dias". Já Henrique Granadeiro, actual Presidente do Conselho de Administração(CA) da PT, defendeu que esta situação permite à actual Administração trabalhar para conseguir uma estrutura accionista mais estável.
E o que pensa disto a Assembleia do Psicolaranja?

19 comentários:

Paulo Colaço disse...

Meu primeiro comentário:
- nos últimos 14 dias tivemos 12 novas postas e 119 comentários!!!

Meu segundo comentário:
- é obra!

Meu terceiro comentário:
- Belmiro perdeu, mas não perdeu para sempre, como ele diz. Voltará à carga e não me parece que perca segunda vez. Apesar de muitas vezes me enfurecer com as barbaridades que ele diz, não posso deixar de o respeitar enquanto fazedor de riqueza para ele e para o país.

Inezinha disse...

Bem, quando soube da OPA da Sonae sobre a Portugal Telecom achei uma ideia simplesmente genial. O Engenheiro Belmiro de Azevedo é um visionário, um homem que arrisca e não fica à espera como a maioria dos empresários do nosso país. Se a PT fosse comprada pela Sonae, esta ficaria com o monopólio das redes móveis, nomeadamente a TMN e Optimus. Restava saber o que aconteceria ao preço dos telemóveis, a reacção da Vodafone, mas que foi uma ideia de génio, foi. Concordo plenamente com o Colaço quando diz que o dono da Sonae não vai perder uma segunda vez. Com o estado da economia do nosso país, uma economia instável e frágil, com uma taxa de crescimento tão reduzida e que fica à espera de mais e mais subsídios da União Europeia para poder subsistir, são precisos empresários como Belmiro, é preciso investir na formação dos trabalhadores, é preciso, mais do que nunca, inovar e desenvolver. Os nossos custos de produção são elevadíssimos, fazendo com que os nossos preços sejam também elevados, não conseguindo competir com os produtos estrangeiros. Temos uma fraca produtividade, competitividade. Não há investimento por parte dos agentes económicos destinados ao efeito, todos ficam à espera que um milagre aconteça. Empresários à sombra da bananeira... Por isso, admiro o Engenheiro Belmiro de Azevedo, que no meio do mercado onde está inserido e perante a conjuntura económica actual, tem a ousadia e a capacidade de investir e arriscar.

adriana disse...

No semestre passado tive uma cadeira na faculdade de sociedades comerciais parte especial. Um dos pontos do programa da cadeira é a OPA. Portanto segui com alguma curiosidade este processo da OPA mas a OPA morreu.
Se eu tivesse acções da PT ajudaria a contribuir para a morte da OPA. Entendo que o monopolio de redes moveis que iria surgir não seria de todo positivo para o mercado das telecomunicações e este mercado,hoje em dia, é um sector fundamental para a competitividade das empresas e para o desenvolvimento tecnológico do país.

Paulo Colaço disse...

Dri Dixit:
"Entendo que o monopolio de redes moveis que iria surgir não seria de todo positivo para o mercado das telecomunicações e este mercado,hoje em dia, é um sector fundamental para a competitividade das empresas e para o desenvolvimento tecnológico do país."

Subscrevo na íntegra!

Inezinha disse...

Eu queria desde já fazer uma rectificação ao meu comentário. Caso a Sonae adquirisse a PT, não se verificaria um monopólio, mas sim um oligopólio que tem aspectos positivos, como negativos.

As vantagens seriam:
- o controlo sobre o preço de mercado que cada oligopolista tem depende da reacção dos outros concorrentes
- há possibilidade dos oligopolistas estabelecerem acordos entre si com objectivo de controlar o preço

Contudo, existem desvantagens que temos que ter em conta:
- a capacidade do oligopolista controlar o preço pode lesar os interesses do consumidor fixando preços mais elevados e apresentando bens sem grande evolução quantitativa
- a possibilidade dos oligopolistas estabelecerem acordos entre si, com o objectivo de aumentar os preços e os lucros, pode obrigar o consumidor a pagar preços mais elevados pelo bem

Fica aqui a correcção.

Marta disse...

Na qualidade de consumidora da TMN e da PT fiquei muito contente com o fim desta ideia.

Mas enquanto curiosa, devo dizer que as OPAs mexem no mercado de valores de uma forma fascinante! Foi muito engraçado, para quem esteve atento à expeculação bolsista, nomeadamente na semana passada!

Bruno disse...

A forte descida registada pelos títulos das empresas envolvidas na OPA à PT, em particular a queda em cerca de 16% da Sonaecom, faz com que a capitalização bolsista das quatro empresas envolvidas - a PT, PT Multimedia, Sonaecom e Sonae SGPS - tenha diminuído só hoje em mais de 1,25 mil milhões de euros.

in Diário Económico

goreti_martins disse...

No rescaldo da morte da OPA, há alguém que vê o lado positivo, Armando Esteves Pereira opina que “O que falta em Portugal é a ousadia e o não ter medo de perder que Belmiro sempre demonstrou”.

“Os portugueses gostam pouco de arriscar, têm pânico de falhar e por isso há tão pouca mobilidade de trabalhos e tão pouca iniciativa”. Belmiro de Azevedo à muito que anda a mexer Portugal e com mais ou menos sucesso (desenvolveu a fabrica de madeiras principalmente a nível internacional, criou a SONAE e a Optimus, perdeu Totta, não conseguiu o BPA, o Universo foi o que foi) mas tem a experiência que a maior parte dos nossos empresários não têm. É mais um self-made man que está a conseguir lançar Portugal para a frente. É um visionário que não se esconde por detrás do seu fatinho e da sua secretária, luta e vai em frente com a sua vontade.

Tenho de reconhecer que esta OPA deu um valente pontapé nas estruturas empresariais de Portugal. Viu-se como se faz, como se tem coragem, como se mexe e como se ouve o que de nós falam.

Daqui a um ano têm a possibilidade de atacar outra vez e até lá há a possibilidade de comprar votos e mudar algumas ideias. Neste seguimento ficam a saber um lema meu, o não está sempre garantido, vamos tentar o sim!

Mendonça disse...

Pois é,
EM primeiro lugar um protesto: Ó BRUNO, a próxima vez que voltes a citar "o concorrente" vamos ter que nos chatear!

Posto isto, e uma vez que já se disse quase tudo sobre a OPA, não queria deixar de realçar a posição assumida pelo accionista ESTADO - corporizado na Caixa Geral de Depósitos. Isto para dizer que a esquerda não resiste em colocar entraves no normal funcionamento do mercado. O voto "contra" da CGD é um sinal evidente da posição escondida do Governo: abstém-se enquanto accionista singular mas pede à CGD que não deixa a OPA chegar ao mercado. É a velha lógica socialista do estado omnipresente.

É contra esta visão que luto e continuarei a lutar. É contra esta visão que o PSD também terá de lutar, com coragem e sem falsos moralismos. O PSD tem pedido menos estado na economia, mas esquece-se que é imperativo diminuir a influência do Estado na esfera privada! Quanto a este último detalhe, o PSD encolhe-se cobardemente. Porquê? Porque hoje é, mais do que nunca, um partido conservador a querer fazer crer que tem manias de liberal.

Bruno disse...

Peço desculpa, caro Mendonça. Mas sabes que o facto de ter contactado diáriamente durante muito tempo com o DE me fez apreciar o jornal. Já o "Negócios" não me chega às mãos gratuitamente (apesar de a minha empresa ser cliente frequente de ofertas dos jornais) e por isso apenas o leio quando compro para consultar artigos ou reportagens do meu amigo Mendonça ;)

De qualquer forma, neste caso a citação deve-se mesmo ao facto de ter sido a primeira das que me apareceram na pesqisa do Google que me pareceu fazer um bom resumo sobre as consequências da OPA para a Sonaecom.

Paulo Colaço disse...

Meu velho Mendonça (velho, mas é mais novo que a malta, certo, Bruno?),
gosto muito que prescindas de algum do teu tempo para visitar este espaço, que também é teu.

Quanto ao PSD se encolher "cobardemente", é a tua opinião, claro. Se o líder do PSD fosse o Santana, dirias "O PSD, despreza olimpicamente" esta matéria.

ehehehehehe Sorry, não resisti!

E continua a dar a tua opinião: enquanto o mundo for mundo, haveremos sempre de gostar de divergir.

xana disse...

Ainda não tinha comentado este post, mas aproveito o comentario do amigo Mendonça para dizer aquilo que já queria ter dito.
De facto, o Estado escondeu-se nesta OPA, e não acho isso salutar. A OPA não passou porque o Estado não queria que ela passasse. Sinceramente, não era a favor desta OPA, mas acho que a desblindagem dos estatutos deveria ter passado e depois os accionistas decidiam se vendiam ou não.

E como o Mendonça disse, o Estado omnipresente na iniciativa privada não é bom sinal para o país.

Guilherme Diaz-Bérrio disse...

Antes de mais os meus parabéns a um blog bem conseguido e de agradável leitura.
Quanto ao "filme da OPA", gostaria de acrescentar uns factos:
1. Por muita "espécie" que me faça o voto neutro com a Golden Share e o voto contra com as acções ordinárias na posse da CGD, não foi o Estado que matou a OPA na secretaria: Os quatro por cento que a CGD tem na Portugal Telecom eram insuficientes para garantir a maioria de dois terços necessária.
2. As causa da morte foram, por um lado, a falta de capacidade de comunicação da Sonaecom. O comportamento da Sonaecom seria equivalente a alguém entrar num congresso, candidatar-se a presidente, chamar pedantes aos congressistas que se opõem, e achar que no último dia tudo se resolve.
3. Os erros de estratégia repetiram-se: o mercado dizia que a PT valia mais, Belmiro achou que o mercado não sabia fazer contas; ao anunciar a venda da Vivo, obviamente à Telefónica, colocou o ríval sul-americano Telmex nas mãos do BES, que liderava os votos contra.
4. 160 pontos confidenciais no acordo escrito com a CMVM e a Anacom? todos, eu incluído, pensaram o mesmo: o que é a Sonaecom está a esconder do mercado?

Por norma, as OPA hostis têm taxas de sucesso muito reduzidas. A juntar à inabilidade da Sonaecom, tem-se a falta de cultura financeira dos accionistas em Portugal: Se uma acção vale 10 euros, e me prometem 5 euros em dividendos, então a acção vai descer nessa quantidade durante o período de distribuição. No entanto, todos os pequenos accionistas lá acharam que não.

PS: quanto ao oligopólio na rede móvel, o filme ainda não acabou:
Nem a Novis, nem a Optimus são lucrativas, e a probabilidade de uma aquisição por parte da Vodafone (a Vodafone não faz fusões... compra e manda) não está tão distante assim...

Bruno disse...

Penso que esta nota final do nosso "comentador" Guilherme Diaz-Bérrio, que aproveito para saudar e desafiar a "ficar por cá", é interessante ao manter este tópico aberto para o futuro.

É que depois do falhanço desta OPA há efectivamente uma pergunta a fazer: o que será da Sonaecom e das empresas e marcas que a constituem?

Principalmente para quem, como eu, olhou para esta tentativa de aquisição do gigante PT como uma "fuga para a frente", é curioso imaginar, depois do falhanço, qual será o posicionamento da família Azevedo?

Paulo Colaço disse...

Também eu saudo o nosso novo comentador Guilherme Diaz-Bérrio e as suas notas.

Percebo pouco deste tema do ponto de vista técnico, por isso é sempre bom ler coisas claras.

Volte sempre.

goreti_martins disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
goreti_martins disse...

A Sonae na pessoa de Belmiro de Azevedo nunca baixou os braços depois de derrotas. Já teve outros fracassos na “vida”, fazendo copy do meu comment “perdeu Totta, não conseguiu o BPA, o Universo foi o que foi” e isso não o impediu de avançar para outros ramos e negócios. A OPA à PT foi só uma puxadela de tapete, mas não impeditiva de se continuar a respirar OPA´s e de se poder relançar no futuro.

Continua a ser um empresário exemplar que aprende e cresce com os erros. Um homem bem munido de força e coragem para ser irreverente, estratega e visionário.

O Guilherme diz que “Por norma, as OPA hostis têm taxas de sucesso muito reduzidas”, e eu acrescento que quando tem sucesso representam muitíssimo bem o que a palavra sucesso realmente significa.

Entenda-se que não o conheço e falo apenas do que leio e ouço, mas espero que pelo menos um dos negócios dele siga para a frente com sucesso…se não indirectamente estou feita ao bife ;)

Bruno disse...

Pois... quem tem a Optimus como cliente está naturalmente expectante com o que irá acontecer. Eu só digo que se os tivesse omo clientes estava menos preocupado do que estou, não com o futuro deles mas com o meu. Apesar de tudo.

Big Mamma disse...

Lamento o fim da OPA: gosto de ver o mercado a pegar fogo.

Agora fora de brincadeiras, ainda bem que este projecto foi ao ar: traria mais um "quase-monopólio" em Portugal, e deles estamos fartos...