sexta-feira, fevereiro 23, 2007

"Calhaus" na Água


Segundo notícias recentes, as zonas costeiras da Costa da Caparica e Esmoriz estão a ser reforçadas com pedras. O avanço do mar tem provocado receio nas populações e responsáveis políticos locais (pelo menos em alguns) de verem as suas casas e bens levados pela força das águas.

Não conheço em pormenor a situação de Esmoriz mas sei que na Costa da Caparica o problema existe há anos, era na altura Primeiro-Ministro o Engº Guterres e lembro-me de uma polémica provocada - salvo erro – pelo facto de ter sido retirado do PIDDAC uma verba para as obras de defesa costeira daquela zona. A verdade é que nessa altura se deixou agravar o problema por desleixo o que levou a que este se agravasse e com reflexo nos custos. Depois no Governo de Durão Barroso o país estava de tanga mas ainda assim começou a atacar-se a situação de forma estrutural. A verdade é que ainda não está resolvido e o perigo é cada vez maior, tanto que neste momento voltou-se às obras de recurso, deixando de lado as estruturais.

A triste coincidência entre o caso de Esmoriz e da Caparica revela uma capacidade fantástica que o nosso país tem de estragar aquilo que eu considero - mas posso estar enganado – a nossa maior riqueza e o nosso melhor produto de exportação: o potencial turístico. Que inclui os imensos quilómetros de Costa quase todos eles excelentes em termos de beleza e temperatura da água que insistimos em não tratar e tornar mais apetecíveis quer para nós, quer para quem nos visita…

9 comentários:

Isabel disse...

É patético o que estão fazer. Com uma máquina a colocar areia para o mar não avançar. Eu, não sou Engenheira Civil, nem Engenheira das construções, mas penso que a areia não resolve nada porque a água leva-a. Se colocassem uma estrutura em pedra.
Não preservamos o nosso maior potencial porque os portugueses deixam tudo para a última "Só se lembram de Santa Barbara quando faz trovões". Pena que não se faça mais pelo património que temos.

Bruno disse...

Cara Isabel, agora parece que já se resolveram a colocar pedras (daí o título do post que ainda assim está entre aspas porque há vários tipos de calhaus...).

Mas efectivamente o problema é que durante muito tempo não colocaram nada e depois colocaram areia como solução de recurso. As obras de defesa costeira têm que ser estruturais e a sua manutenção tem que ser cuidada.

Paulo Colaço disse...

Devido a uma alteração na minha existência (nada de grave), a última vez que aqui vim foi na segunda feira.

Hoje é sábado, são 06.35h, e deparei-me com mais 4 postas e 19 comentários!

Não me lixem!!!

Criou-se um monstro!

Só na segunda venho cá ler as novas ideias que este espaço deu ao mundo.

Abraço a todos.

isabel disse...

Pois, essa dos calhaus ainda não vi. Só mesmo uma estrutura bem estruturada lol.

José Pedro Salgado disse...

De facto é incrível. Num país que trilionários preferem às mais badaladas Caraíbas e outros destinos que tais só por causa da sua beleza, nem dela nós cuidamos.

Estamos mal habituados. Estamos habituados a ter este país assim de graça, e pensamos que não temos de fazer nada para o manter, até ser tarde demais.

É um bocado como os soluços. É preciso estar com soluços para saber agradecer o bom que era não os ter.

Pina Martins disse...

Visitem:

www.jsdseixal.com

www.juventudeseixal.blogspot.com

Tânia Martins disse...

Por um lado não penso que Portugal não esteja a investir no Turismo, muito pelo contrário, penso que talvez seja um dos sectores mais investidos no nosso país, porém levanta-se a questão da má distribuição desse investimento. Está aqui o caso da Costa da Caparica que está a sofrer agora as consequências da erosão que o mar tem estado a exercer ao longo dos últimos anos na sua costa. Em vez de se terem preocupado com esta questão quando era mais acessível a soluções o país optou por investir no Algarve, que consideram a única atracção de Portugal Continental esquecendo-se que temos muitos pólos atractivos neste país de maravilhas.

Por este andar, a colocar calhaus atrás de calhaus, mais cedo ou mais tarde o problema surgirá novamente por isso Bruno aconselho-te a comprar uma bóia! :p

Zé Pedro esse teu exemplo dos soluços está simplesmente brutal. lol

Lisete disse...

É de facto a atrapalhação em não saber direito o que se há de fazer a algo com que nunca nos preocupámos... Fomos sempre habituados a viver à conta da mãe natureza sem saber preservá-la...
Mas é que agora a tal mãe natureza parece querer estar a dar resposta por tudo quanto lhe fizémos...

Nélson Faria disse...

O PSD sugeriu a criação de uma agência para o litoral... precisamos de um pouco mais! De uma autêntica revolução, que não só proíba a construção em arribas, falésias e dunas, bem como na área circundante em regime de tolerância zero (evitando os malefícios da pressão demográfica), acrescentando um programa (caríssimo) de expropriação dos actuais detentores de imóveis nessas áreas.

Muito radical??? Também o problema o é!