quarta-feira, janeiro 03, 2007

A "posição" do senhor ONU


Ban Ki-moon, novo “patrão” da ONU, fugiu cobardemente a falar sobre a pena aplicada a Saddam. Aparentemente não tem opinião.

Refere a imprensa que Ban Ki-moon nem sequer comentou as declarações do representante especial da ONU para o Iraque que afirmou “as Nações Unidas condenam a pena capital, mesmo nos casos de crimes de guerra, crimes contra a humanidade e genocídio".

Quando alguém lhe perguntar qual foi a sua primeira posição na função, se for honesto dirá: eu comecei de cócoras!

Há fios que só são invisíveis para papalvos...

4 comentários:

Marta disse...

O "Senhor ONU" não soube interpretar a dica de Kofi Anan, nas declarações de fim de mandato, ou já é uma marioneta?

Kofi Anan teve coragem para denunciar os entraves com que se deparou durante o mandato.

E no discurso de aceitação do prémio Nobel disse mais: "Today’s real borders are not between nations, but between powerful and powerless, free and fettered, privileged and humiliated".

vasco neves disse...

Toda a verdade na mensagem de Kofi Anan. Lamento que a verdadeira reforma da UN tarde a surgir. Pois é aguardada anciosamente é por aqueles que acreditam num destino diferente ao da sociedade das nações.

Pelo pouco que conheço do novo secretario geral e pela sua recente posição, ou falta dela! Acredito que a balança irá continuar desequilibrada! Mas antes fosse esse o pior mal. Sempre preferi uma balança funcional e que pese um pouco mal, do que uma que nada pese.

Nélson Faria disse...

Kofi Annan o mesmo que ao ver a ONU ser cilindrada pelos EUA nem sequer se demitiu? O mesmo que se suspeita que esteve indirectamente envolvido em negociatas pouco legítimas no Iraque (o caso do seu filho e o programa "Food for Oil")?

Ele até fala umas coisas, mas foi uma nulidade como SG.

Nélson Faria disse...

Quanto ao novo, era expectável que ele ainda não tivesse despido as vestes de MNE da Coreia do Sul. Já tentou emendar a mão, mas de facto esteve muito mal no inicío.