quinta-feira, janeiro 11, 2007

Para onde vai o meu dinheiro?


A oposição uniu-se em peso contra o Governo em relação ao aumento generalizado do preço dos bens essenciais.

Do lado do Governo salienta-se que numa economia de mercado a generalidade dos preços não pode ser fixada administrativamente ignorando os custos, e o papel do Estado é o de regular, defender o consumidor e assegurar os interesses dos mais desfavorecidos.

A oposição critica esta prática enumerando que:

- Portugal deve promover o seu desenvolvimento com base numa política que tenha como objectivo responder às necessidades dos trabalhadores, da população e do país.

- É imperativo travar o aumento dos preços, procurando uma mais justa distribuição dos rendimentos, e assegurando serviços públicos de qualidade.

- A economia portuguesa está deprimida face à pressão fiscal.

Portugal, na minha opinião, é um “quase paraíso fiscal” e a luta que é travada no combate à fraude e evasão fiscal apanha aranhas e deixa fugir os pássaros!

4 comentários:

Paulo Colaço disse...

Não sou um expert neste tema, mas creio que a nossa máquina fiscal tem a mesma prática que tudo quanto é fiscalização no nosso País.

Como há medo de dotar os "fiscais" (polícias, tribunais, etc) de verdadeiros meios de fiscalização, então a máquina sente-se desprotegida.

Sentindo-se desprotegida não se mete em "avarias" e deixa-se ficar por níveis de segurança para o seu pescoço!

Exemplificando: em vez de ir atrás de um clube de futebol, porque tem medo que o seu patrão (o Estado) se acagace na altura em que tem de mostrar coragem para defender a sua máquina fiscal, prefere ir atrás da sobrinha do amigo do porteiro do tal clube de futebol.

Aí é serviço limpo e garantido!

Há dúvidas?

Lisete Rodrigues disse...

Portugal continua a ser o 'pai protector'de há séculos, hoje cada vez mais nas coisas más...protege-se a si próprio e não aos portugueses! Senão vejamos o exemplo da electricidade e que só por via da União Europeia é que o Estado será obrigado a aceitar, de facto, um ambiente concorrencial...

Bruno disse...

A verdade é que começamos a chegar à conclusão que Portugal afinal não é assim tão pequeno. Ao que parece tem sido demasiado grande para a competência/coragem de quem o tem gerido...

vasco neves disse...

Em portugal mantem-se a pratica de alimentar arificialmente preços, por mera hipocrisia, afinal a factura a pagar será sempre pelo proximo! Mais tarde ou mais cedo isso reflecte-se sobre os contribuintes. Foi assim durante anos com os combustiveis, tentou-se agora com a energia electrica, mas felizmente a UE por vezes assume o seu papel de reguladora...