domingo, novembro 05, 2006

Ter o direito de estar no 'buraco'!!!


Saddam Hussein foi condenado à morte, por enforcamento, por crimes contra a humanidade.

Sempre me interroguei sobre o direito que o ser humano tem de retirar a vida a outro ser humano.

Se matar um elevado número de seres humanos é um crime contra a humanidade, será menos crime condenar à morte apenas um ser humano?

Matar é um pecado capital e é, acima de tudo, um acto irracional que deve ser punido, mas não é matando quem mata que se ensina a essa pessoa e ao mundo em geral que matar é feio.

O acto de matar por si só não é exemplo de punição, pois ele é o próprio crime que está a ser julgado.

7 comentários:

Margarida Lopes disse...

Concordo inteiramente contigo Rita. Não sendo o Direito uma ciência exacta e havendo, portanto, a possibildade de erro, de que forma se altera uma sentença desta natureza depois de consumada?

Rita de Matos Oliveira disse...

Totalmente de acordo. Não vejo a elevação moral de fazermos o mesmo que ele fez, nem percebo a noção de castigo ou punição na pena de morte. Ficar sem vida? Não me parece que ele lhe conhecesse o valor...

Inezinha disse...

Mais uma de acordo. Nenhum ser humano tem a autoridade e importância para retirar a vida a outro igual a ele. Sou completamente contra a pena de morte, este ditador tem que sofrer as consequências dos seus actos desumanos e selvagens permanecendo vivo e sentir a dor e a solidão, como a tantos outros fez sentir. Se lhe retirassem a vida, estariam a cometer o mesmo crime pelo qual ele é acusado. Com a pena de morte há justiça? Nao me parece...
PS(D): ja tinha saudades que escrever neste blog!

Paulo Colaço disse...

Suponho que era o nosso D. Manuel I que, rejeitando a pena de morte, dizia: não posso tirar a um homem algo que não lhe possa restituir.

PS(D): tb já tínhamos saudades de ler aqui os teus escritos, Nês!

Marta disse...

Uma sentença desta natureza pode ser facilmente alterada, na teoria claro. O Direito Positivo cai perante o Direito Natural.

M disse...

Fazer aos outros o que não gostamos que nos façam a nós. É isto que se está a ensinar ao mundo...

Sara Brito disse...

Pouco mais há a acrescentar. Já me debrucei também sobre este tema pois não me parece haver legitimidade de se punir o crime com o mesmo meio do criminoso e claro... também não concordo com esta pena.